terça-feira, 10 de setembro de 2013

Apito demolidor...



A influencia arbitral, que não pode de maneira nenhuma servir para ignorar ou mascarar erros próprios, muito menos pode ser ignorada, fazendo-se de conta que não existe.

No dia 6 de Maio deste ano, o Benfica receberia um Estoril em alta, no quinto lugar do campeonato, motivadíssimo, devidamente espicaçado pelos tipos de Contumil, que nestas coisas 'dão um bigode' em competência à estrutura benfiquista, pela comunicação social, que se desdobrou em entrevistas onde se afirmava que eles (o Estoril) seriam o bombo da festa, e, viria-se a saber mais tarde - com alguns jogadores já contratados pelos corruptos de Contumil para a época seguinte...

Toda a gente terá feito (bem) o seu trabalho...menos o Benfica que não encarou o jogo com as devidas cautelas. Aquele jogo era crucial para ir ao Porto (no sábado seguinte) sem a pressão dos pontos, podendo preparar com calma a final da liga Europa que se realizaria poucos dias depois...
Se calhar (digo eu) alguma coisa teria de ficar para trás - ou então, se calhar, teria de se investir noutros campos...digo eu. Enquanto uns se movimentavam nos bastidores (como ficou comprovado mais tarde) o Benfica ficava - mais uma vez, à mercê da "sorte"...

Desgastado pela Liga Europa - o Benfica tinha feito na quinta-feira anterior um jogo deslumbrante que colocava a equipa na final com o Chelsea (quem não se lembra do magnifico jogo contra o Fenerbahçe onde se correu, correu, como se não houvesse amanhã) tendo-se apresentado, lento, sem ideias (pernas) e tão preso de movimentos que nem parecia a mesma equipa. 
Nem podia ser a mesma equipa - naquela altura da época o esforço paga-se caro; muito caro.

Mesmo jogando abaixo das possibilidades - o Benfica marcou um golo, suficiente para ganhar o jogo.
É que o golo do Estoril que faria o resultado final, foi marcado em claro fora de jogo, perfeitamente demonstrado nas imagens televisivas.
É certo que Carlos Martins, que entrara momentos antes, fez-se expulsar em meia dúzia de minutos, de forma tão estúpida que ainda hoje me incomoda..
A falta que dá origem à sua expulsão, foi parva, estúpida e infantil, para não lhe chamar coisa bem pior, mas, não foi mais grave do que milhentas outras que passam em claro aos homens do apito!

Alguém imagina Paulo Baptista, o árbitro do jogo, ir ao estádio de Contumil validar um golo em fora de jogo contra o clube do putedo e ainda por cima expulsar um jogador a 15 minutos do fim, num jogo que podia decidir o titulo?
Não saía de lá vivo.
É essa a diferença que fabrica os campeões em Portugal.

13 comentários:

  1. Pois :-( muitos anos a virar frangos

    ResponderEliminar

  2. «se o Benfica jogar o que tem na obrigação, não há arbitragem que o possa parar».
    Caro GV, não sei se sabes..
    dentro do Benfica, há quem subscreva esta teoria.

    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei Master, os meus remoques são para outros também, mas são-no em primeira instância (sempre) para dentro. Não sei é se lá chegarão...

      Eliminar
    2. Definam-me "o Benfica jogar o que tem na obrigação".

      O que é isso?
      Como se mede?
      Como se consegue "jogar o que tem na obrigação" quando os árbitros influenciam os jogos e os jogadores "sentem-se" empurrados para trás?
      Como se consegue evitar isso?

      Só vejo teóricos da treta e ignorantes a opinar na blogosfera.



      Eliminar
  3. Ao desgaste da jornada europeia, juntou-se a responsabilidade do jogo nos jogadores, a pressão do lagarto Rui Santos sobre o árbitro (chamando-o de caseiro - ele logo quis mostrar serviço naturalmente - com faltas e faltinhas a meio-campo sem admoestação aos jogadores do Estoril e vista grossa a faltas perto da área do Estoril), a grande atitude e qualidade do Estoril e as contingências do jogo (o Benfica controlou mas não conseguiu marcar primeiro, teve a infelicidade de sofrer um golo "estúpido", de uma falta duvidosa e desnecessária, e de ter jogador experiente a ter uma atitude irrefletida - Carlos Martins).

    Foi um jogo que, contra toda a vontade e empenho dos jogadores, correu mal.

    Cada vez mais os jogos decidem-se em pormenores. Faltas perigosas assinaladas ou não, reincidência de faltas admoestadas ou não, foras-de-jogo bem ou mal assinalados, vista grossa a agarrões e empurrões na área ou não.
    É aqui que o Benfica tem de lutar OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE. Em jogos equilibrados e decisivos, é o apito dourado que determina o vencedor.

    FORÇA BENFICA!
    E PLURIBUS UNUM!

    ResponderEliminar
  4. Só uma coisinha...

    Não precisa de ser no estádio de Contumil.

    Gostava que me lembrassem de um unico golo sofrido pelos corruptos em fora de jogo nos ultimos 5 anos...
    Eu sinceramente não me lembro

    Já o Benfica...

    ResponderEliminar
  5. Mais chocante para mim é as 3 primeiras nomeações desta época sem uma palavra da direção e de maior parte dos adeptos. Levar com Jorge de Sousa que validou um golo em fora-de-jogo ao Guimarães na final da taça (mais a escandalosa dualidade de critérios), levar com Paulo Baptista na segunda jornada que validou também um golo ao Estoril em fora-de-jogo e na terceira com Hugo Miguel, o homem que viu um tropeção de James no proprio pé, um metro fora de área, e transformou em vermelho e penalti contra o Paços no jogo do titulo. Alguma vez estes árbitros eram nomeados? Por exemplo como o colunas frisou num post alguém andava meses a falar em nomeações amigáveis sem o meterem na linha?

    Eles são a pior escumalha que existe mas têm algo que nós não temos. Têm união. É impressionante como eles fazem de qualquer penalti assinalado a nosso favor um escandalo. Esse árbitro é logo conotado conosco. Por exemplo nunca perderam um jogo com Duarte Gomes a arbitrar e por ter assinalado 3 penaltis a nosso favor num jogo (2 deles incontestaveis) ficou logo com o selo de amigo do Benfica. Nós enquanto nos roubam e lhes dão pontos atrás de pontos andamos a discutir o Cortez ter ficado fora da lista da champions!!!!!

    Se não mostramos o nosso descontentamento como deve ser nunca ninguém o vai fazer por nós. Enquanto quem decide as coisas no futebol português não começar a pensar 2 vezes antes de prejudicar o Benfica nada feito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não te posso contrariar João...nem quero.

      Eliminar
    2. A razão é muito simples. Os tipos não são um clube de futebol.
      Os tipos são um seita com uma ideologia fanáticamente hipócrita que todos os adeptos cegamente seguem - quase todos, sem excepção - uns abertamente e desavergonhadamente, os restantes por omissão.
      Poucos são os adeptos ignorantes do que se passa.

      São comandados por um ditador corrupto, como são todos os ditadores, que mantém os seus súbditos debaixo de uma canga manejada por uma guarda pretoriana que não permite que ninguém, interna ou externamente, ponha o pé em ramo verde. Tentem ir ao Porto e comecem a fazer perguntas sobre o clube e os jogadores e irão ver o que vos acontece.
      Ditador esse que utiliza todos os truques e manobras legais e ilegais para ganhar.

      A ideologia está espalhada por toda a sociedade portuguesa. Desde lá mais em cima até ao mais baixo. Com o beneplácito da maçonaria onde estão muito bem representados.

      Um exemplo. Aquando da ida do Fruteiro a Roma para ver o Papa e levar com ele a amante ex-puta, quem foi que enganou o Papa e demais cardeais dizendo que quem ele levava era a sua sobrinha? Um tal de bispo Januário.
      O que lhe aconteceu? Foi PREMIADO com um posto de Bispo das Forças Armadas portuguesas. Quem o colocou lá? Outro andrade corrupto de seu nome General Eanes. Conhecem?

      Querem outro exemplo? Os jogadores de futebol Jorge Costa e Vitor Baia foram, de repente, premiados com uma medalha de honra pelo então presidente da República, o banana Sampaio.

      Porquê? Porque aquando do Apito Dourado, houve um julgamento em que o Fruteiro era acusado pela sua antiga concubina de ter estado em determinado dia e hora, QUATRO ANOS ANTES, em determinado sítio. Tinham de arranjar um ALIBI desse por onde desse.
      Foram escolhidos Jorge Costa e Vitor Baia para cometer perjúrio em pleno tribunal jurando que, QUATRO ANOS DEPOIS, em determinado dia e a determinada hora o Fruteiro afinal não estava com a sua concubina, como esta afirmava, mas em estágio com o clube.
      Jogadores fantásticos estes com verdadeiras memórias de elefante. Com tantos estágios e com tantas concentrações logo tinham de se lembrar de tais pormenores. E logo os dois ao mesmo tempo.

      Tinham de ser premiados pelo seu crime, naturalmente. Quem tratou disso? A mulher do banana Sampaio, partilhando a alcova comum, uma adepta andrade que era costumeira do então estádio das Antas. Estava lá em quase todos os jogos. Mas depois deixou de ir. Nem sei bem porquê.

      Eu pergunto, o que raio é que o Jorge Costa e o Vitor Baia tinham feito há 8 anos para serem agraciados pelo presidente? Pela mesma ordem de ideias há outros jogadores que tinham ainda mais razão para tal. O Rui Costa, por exemplo. Mas há outros.

      Os benfiquistas não são assim, são totalmente diferentes.
      São é, em geral, mais estúpidos. De outro modo não disparavam tanto para dentro do clube. Confundem independência de ideias, democracia e espírito crítico com maledicência, algazarra e ausência de focus ("lack of purpose").



      Eliminar
  6. Subscrevo inteiramente, mas apesar de tudo, a nossa manifesta falta de sorte nos primeiros 20 minutos desse jogo com o Estoril(ou cansaço psicologico, semelhante aquela que nos fez perder a taça de portugal, e que nos tirou discernimento naqueles primeiros minutos com o Chelsea), com diversos falhanços, um logo aos 20 segundos pelo Lima, tambem contribuiram. Assim como a falta de alternativas para colocar jogadores mais frescos, que aliado á tradicional descontração dos arbitros na Luz, e a falta de lucidez do Carlos Martins, e a não preparação psicologica dos jogadores para o que os esperava, conduziram ao desfecho.Já agora, tambem a grande qualidade do Estoril e do seu treinador "desajudaram", bem como a malinha do costume.
    Quanto ao resto, continuamos a não compreender que estamos em guerra, uma guerra travada com armas desiguais, e que tem de ser compreendida- como se pode lutar com o sistema?-com armas semelhantes, o tal olho por olho de que se ouve agora falar, por um personagem com quem nem simpatizo particularmente, mas que pelo menos cumpre o seu papel de desmascarar e dismistificar o constante ataque ao nosso Clube.
    As capas dos jornais já começaram o seu trabalhinho para espetar mais uns pregos-é o Vitor Pereira a atacar o JJ, é o nojo a falar das lesoes do Markovic, é o Matic com o vermelho na Servia(tanta ejaculação precoce que deve ter provocado em alguns jornaleiros), é o Sancidino que vai para o FCP, é o Eusébio que afinal até nem é assim tão bom, é o Cortez e o Siqueira, é o Melgarejo que foi mau negocio, porque vender por mais 10 vezes o que se comprou é a especialidade desses jornaleiros,é a PQP que já nao há pachorra.
    Depois, temos nonosso grande aliado, que é a bola(risos), sempre ao ataque ao JJ-o Fernando Guerra, não tem outro assunto, cronica sim, cronica sim-já é desonestidade intelectual esta tentativa de homicidio do caracter e da competencia do treinador do Benfica, e parece que está a resvalar para um plano pessoal.Posso ate concordar em muito do que diz, mas o que esse individuo esta a fazer não é jornalismo, é bullyng e perseguição.Alias, esse jornal conseguiu correr de lá com o nosso melhor defensor de sempre, o RAP, mas continua a dar guarida aos textos anti Benfica do MST e do cirurgiao pateta.Já enjoa, e não fosse a grande Leonor, estariamos entregues a um pusilanime Seara e um inconsequente Bagao Felix.
    Vamos continuar a dormir na forma ou alguem vai assumir que a posição do RGS é coincidente com a do Benfica?
    Urge a mudança de estratégia!
    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.