sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Os mitos de 2014 (IV)

Por José Albuquerque

O mito “made in Benfica”.

Sem nenhuma dúvida, o mais belo de todos os mitos, aquele que mais mexe com todos Nós e que mais tempo Nos deu (e ainda vai dar) para darmos largas aos nossos altos conhecimentos técnicos e de gestão desportiva (assim mesmo, tudo em minúsculas, porque nenhum de nós percebe um boi destes assuntos).
Mesmo quando não temos nenhum Filho, ou Neto, a fazer formação desportiva no Clube (um péssimo sinal, excepto para os que vivem longe de Lisboa, ou não têm filhos), há sempre os filhos de alguns Companheiros, miudagem que vimos crescer nas bancadas da Catedral e/ou dos pavilhões e cujo Amor ao Clube conhecemos muito bem. Miudagem em quem depositamos a esperança de um Benfiquismo maior e melhor que o nosso próprio e que, por isso, acreditamos que honrarão sempre o Manto Sagrado. Miudagem que simboliza o futuro do Glorioso para além de Nós.

Como eu considero o Universalismo um dos Nossos Valores fundamentais, nem vou perder tempo com patrioteirismos bacocos: o que está em causa é responder a uma pergunta simples … pode ou não, deve ou não, o Benfica assentar o seu crescimento desportivo sobre um edifício que se alicerce na promoção do desporto e, depois, na formação de Atletas filiados no e pelo Clube, até que eles cheguem ao mais alto nível e incorporem as Nossas Equipas de Honra em todas as modalidades?

Trata-se de uma pergunta de fácil resposta em todas as modalidades verdadeiramente amadoras (um redondo SIM!), mas que, nas modalidades apenas aparentemente amadoras, tem uma resposta quase impossível, ou seja: o Clube deve continuar a reforçar os seus investimentos na formação dessas modalidades, mas a oportunidade de vestir o Manto Sagrado e defender o Nosso Emblema tem de continuar a ser dada aos melhores Atletas, nacionais ou não, que o queiram fazer e que os Nossos Técnicos considerem como verdadeiras mais valias nas Nossas Equipas, esperando Nós que os jovens formados no Clube possam preencher um número crescente dessas necessidades e, se possível, aumentar o nível de exigência para com esses reforços recrutados fora.

No caso especifico do futebol profissional, o caso torna-se ainda mais complexo e por mais que o voluntarista do Nosso Presidente entenda (a meu ver muito mal) lançar e insistir em bandeiras do tipo “made in Benfica”, por mais que alguns de Nós (sobretudo os mais velhos) reafirmemos que “antigamente, todos os anos tínhamos novos ex-juniores a integrar o Plantel de Honra”, o que nem sequer corresponde aos factos históricos, dado que muitos desses jovens provinham de outros clubes.
A este propósito e apenas de memória (desculpem, mas não tenho pachorra para fazer pesquisas na internet), se retirarmos futebolistas como o Eusébio, o Coluna e outros que chegaram ao Benfica quando já eram estrelas dos campeonatos de Angola e Moçambique, se retirarmos o Rui “Maestro” Costa, o Paulo “bandalho” Sousa e o estupor do “Maniche”, eu apenas me consigo recordar de alguns antigos Atletas que jogaram pelos Nossos Juniores: o Chalana, que já alinhava pelos seniores do Barreirense, o Simões, o Humberto Coelho e o Nené. Ou seja: ou eu estou ridiculamente desmemoriado, ou fica provado que o Glorioso nunca assentou o seu futebol na formação, nem naqueles tempos em que os futebolistas eram quase “escravos” do seu clube e em que o mercado internacional de futebolistas se contava pelos dedos das mãos.
Mas, mesmo que não fossem estes os factos, há que reconhecer que a actual indústria do futebol e os seus regulamentos de transferências, nada têm a ver com os de há 60, 50, 40, 30 e 20 anos, antes do chamado Acórdão Bosman: antes, o Benfica vendia Atletas quando precisava de dinheiro (embora não tivesse Passivo), enquanto hoje temos de os vender mesmo quando não queríamos, ou nem necessitávamos.

Depois vieram os anos de que nos devemos envergonhar (já depois do Acórdão Bosman) e que terminaram com a verdadeira aniquilação de toda a formação no Nosso futebol.

Hoje, finalmente, todos os imensos investimentos realizados pela Nossa SAD, quer em infraestruturas desportivas, quer em recursos humanos dedicados, quer pelos projectos Geração Benfica e Escolas, começam a frutificar numa hegemonia cada vez mais expressiva do Clube no futebol jovem, expresso no acumular de títulos internos e na frequência com que essas Nossas Equipas participam, vitoriosamente, em torneios internacionais, defrontando as suas congéneres dos melhores clubes do mundo. Por isso, agora sim, o Glorioso pode e deve considerar a sua “Fábrica” como um pilar do seu crescimento desportivo e económico, tal como eu venho defendendo num plano teórico.

Quer isto dizer que podemos esperar ter a Nossa Equipa de Honra composta essencialmente por Atletas “made in Benfica”?
Não creio! Ou melhor … só se tivermos muita sorte, ou, se preferirem, por felizes coincidências.
Sempre que do Seixal saírem Atletas de topo, vai acontecer-lhes o mesmo que aconteceu aos “manueis” tipo Di, Luiz, Fábio, ou Rodrigo, que vimos chegar de outras paragens ainda garotos, que vimos crescer e … acabaram por partir em troca de muitos milhões. Sempre que do Seixal saírem Atletas de “quase topo” como um Luisão, Maxi ou André Almeida, talvez os consigamos manter na Equipa por muitos anos. E sempre que do Seixal saírem Atletas como os Miguel Vítor e Rosa, eles vão ter espaço na Equipa B ou através de empréstimos, para demonstrar que, pelo menos, chegam ao nível de “quase topo” que lhes pode abrir as portas do Nosso Plantel principal, a menos que algum tubarão acredite mais no seu potencial (como no exemplo do André Gomes) e arrisque um valor irrecusável, ou, caso não tenham sucesso, acabem por fazer carreiras profissionalmente honestas e suficientemente rentáveis, mas fora do Benfica.
E, notem bem, apesar de todo o investimento de que o Seixal e a Equipa B são as bandeiras, eu considero que o Nosso “scouting” deve continuar a perseguir e recrutar outros potenciais “manueis”, nacionais e estrangeiros, de todas as idades abaixo dos 22 anos e que não impliquem investimentos exagerados, como fonte alternativa de alargamento da Nossa base de selecção de futebolistas seniores.

Tudo o que implique estabelecer quotas reservadas num Plantel para Atletas promovidos dos juniores, parece-me um absurdo, nem que fosse apenas por mero objectivo de Gestão, quanto mais como uma real restrição aos que tiverem a responsabilidade de assumir os resultados desportivos.
Companheiro Presidente, por favor … deixe-se disso.
E outra coisa de capital importância passa pelas idades dos Atletas que formam o Nosso Plantel principal e que não podem ser jovens em número exagerado, sob pena de verificarmos uma significativa perda de maturidade competitiva, mesmo quando se trate de jovens cujo percurso de formação foi o melhor possível, como é o caso dos Nossos juniores.
A idade, tal como a compleição atlética, não deve estar sujeita a limites, mas há que reconhecer que nenhuma Equipa pode ter muitos “teenagers” e/ou “meia lecas”: dois ou, no máximo, três de cada e … chega!

Conclusão.

O futebol ainda é um jogo, mas é muito mais um Desporto e do mais alto rendimento que há, além de ter um impacto económico transcendental, pelo que não me parece ser compatível com voluntarismos, ou demagogia.
O Benfica, pelo menos aos olhos ignorantes deste apaixonado que eu sou, tem feito quase tudo muito bem no que toca ao conceito da formação de futebolistas e tem, hoje, um edifício formidável (ao qual só falta uma Equipa de sub21, talvez a disputar o campeonato de Chipre, ou a Liga Adelante) que pode e vai potenciar muito bons profissionais até aos 23 anos.
Essa “Fábrica de manueis” pode e deve vir a alimentar a Nossa Equipa de Honra com muitos e bons Atletas … a longo prazo. Tal como pode e deve ser uma fonte de Proveitos suficientemente significativa a ponto de reduzir o número de titulares que saem todos os anos, por via de um acréscimo salarial sustentado e sustentável.

Tal como a Nossa BTV, a Nossa “Fábrica” também é demasiado estruturalmente importante para o Benfica, para que seja objecto de mitos e/ou discursos demagógicos.       

Bom Ano Novo Benfiquista!


Viva o Benfica!

Leia também a parte I , parte II e parte III deste magnifico trabalho de reflexão!

6 comentários:

  1. Obrigado meu amigo. Obrigado pela pela partilha e pelo tempo que dedicas à causa benfiquista.
    Nem imaginas o prazer que é poder contar com a tua prestimosa colaboração aqui no GV. É um privilégio ter-te por aqui tão disponível, ainda por cima, tão mal compreendido por uns quantos do "estou sempre do contra"...
    Grande ano para ti também!

    ResponderEliminar
  2. Companheiro Ze mas que grande postadela adorei pois se adorei e porque concordei bravo bravo clap clap clap que grande bofetada de luva branca a todos aqueles que se incomodam muito com os jogadores da formaçao. Bom Ano.

    ResponderEliminar
  3. "o Glorioso pode e deve considerar a sua “Fábrica” como um pilar do seu crescimento desportivo e económico, tal como eu venho defendendo num plano teórico" - Totalmente de acordo, no entanto:

    - Tb não me recordo de mais jogadores formados no Benfica e foram titulares indiscutíveis e de relevo

    - Há q combater esta ilusão demagógica de os atletas formados no clube terem lugar no plantel principal - vemos c/ frequência jovens formados no Benfica convecidíssimos de deviam ser titulares e q depois de saírem nem em clubes secundários jogam...

    - Salvo excepções fenomenais, devem provar q merecem vestir a camisola principal noutros clubes

    - Seria um pesadelo se, por exemplo, os nossos 3 Guara-Redes principais se lesionassem e tivéssemos de pôr na baliza o jovem Bruno Varela...

    - Basta a negociação de um atleta como o André Gomes para garantir 3 anos de custos c/ o Seixal - não vejo por isso necessidade de em todas as épocas haver jogadores da formação na equipa A para a formação ser rentável

    - A negociação dos atletas da formação c/ outros clubes, nacionais ou estrangeiros, poderá trazer mais-valias importantes para o Benfica.

    ResponderEliminar
  4. Só um pormenor: se quiserem ter sempre o estádio cheio o BENFICA tem de ter jogadores de classe mundial, como tem tido, apesar de esta época ter sido uma ra+ia.

    ResponderEliminar
  5. Companheiros,

    Muito Obrigado pelos incentivos e comentarios.

    Olhem, lembrei-me de mais um ... o Joao Alves (o "luvas pretas"), herdeiro de uma vasta linhagem de Benfiquistas, com pelo menos 3 geracoes de praticantes de diversas modalidades no Clube.
    Se bem me lembro, o Joao Alves foi Campeao Nacional de Juniores pelo Glorioso e, depois, foi completer a sua formacao por outros clubes, ate' se fazer notar no Boavista, de onde regressou ao Benfica ja' um jogador maduro.

    Viva o Benfica!
    (Jose' Albuquerque)

    ResponderEliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.