quinta-feira, 2 de julho de 2015

Por ti, Bernardo (II).

Por José Albuquerque

Apresentados que foram os principais argumentos pelos quais podem ser considerados erros, ou não, eventuais (des)aproveitamentos desportivos de jovens Atletas saídos da Nossa “Fábrica” e, paralelamente, bons negócios, ou não, vendas como as do André Gomes, Bernardo Silva, João Cancelo, Ivan Cavaleiro, ou outros que se lhes venham a seguir, importa voltar a clarificar qual é a razão essencial pela qual o Nosso Clube vai ter de continuar a vender alguns dos seus melhores Atletas, ou alguns dos mais promissores: os salários (líquidos de impostos e contribuições) que lhes podemos pagar, muito inferiores aos que eles podem vencer noutras paragens.

Vejo muita gente a fazer enormes confusões com este tema dos contratos com futebolistas profissionais, quer por desconhecimento do Regulamento (por exemplo, estou farto de ouvir dizer que este garoto holandês assinou por 6 épocas, quando, por ainda não ter 18 anos completos, ele só pode ter assinado por um máximo de 3), quer por exigirem a profissionais que coloquem os interesses do Clube acima dos seus próprios.
Para clarificar a questão e de forma desapaixonada, vou tomar um exemplo que acabei de ver sobre o alegado interesse do Mónaco em relação a um jovem atleta da osgalhada, em que os dados do problema serão estes:
1 o salário anual actual do garoto é de 70K€ brutos;
2 a cláusula de rescisão (desconheço a duração e data de início do contrato) deve ser daquelas “à la brunalgas”;
3 o Mónaco oferece 9M€ pelo “passe” do atleta;
4 mas oferece ao atleta um salário anual líquido de 1M€.

Não vamos perder tempo a discutir a fiabilidade destes valores, uma vez que sabemos bem que a osgalhada paga miserávelmente aos miúdos de alcoshit e eu acho preferível respondermos a duas perguntas: (a) e se fosse convosco, ou (b) com um vosso familiar?
E, recordando o famigerado “caso Bruma”, com que vontade é que vos parece que um atleta destes pode continuar no clube que lhe paga tão menos do que outros lhe oferecem?
É que nem interessa assim tanto falar da pressão que um “empresário” pode fazer junto do jovem atleta cujos interesses deve defender...

Tanto quanto sei e em valores de há 3 anos, os salários mínimos (base, fora casos excepcionais) praticados pelo Glorioso são da seguinte ordem:
5 juniores com contrato profissional (sub18) à 60K€ brutos anuais;
6 seniores (1º contrato de longa duração) à entre 120 e 180K€ brutos anuais; e
7 idem, caso sejam chamados a treinar/jogar com a Equipa de Honra à 240K€ brutos anuais.

Perante valores desta ordem, claro que o Clésio até vinha a nado desde Moçambique, se tivesse sido necessário, tal como o tal “mané” nem vai conseguir dormir até que o deixem ir para o principado.
É irresistível! É imparável! Tal como foi para o Fábio, para o Ramires, para o Luiz, para o Matic e todos os outros.
Eu li que o Marcovic, um miúdo de 20 anos, foi para o Liverpool ganhar 2M€ líquidos por ano e, assim, eu compreendo perfeitamente a gratidão que ele sente pelo Glorioso!

Mas, então, para que é que servem as “cláusulas de rescisão”?
Perguntem ao Rojo, ao Slimani ou ao Jeferson, que quase iam à tromba do brunalgas ...
São valores indicativos e que muitos Atletas, como o Gaitan, se esforçam por reduzir quando renovam os seus contratos.
E é esta uma das especificidades da Gestão de uma SAD de futebol que leva tantos “especialistas” a não perceberem um boi das respectivas “Contas”, tal como é por isto que são ignorantes os que perguntam ao Presidente “se o Benfica tem de vender”: e que não quisesse, como poderia evitá-lo?

Tal como são ignorantes os que defendem que a Gestão da SAD deveria ter por objectivo o equilíbrio das “Contas” sem contar com as vendas de Atletas (que eles designam como “proveitos extraordinários”), porque os lucros dessas vendas (inevitáveis) levariam a Nossa SAD a ser objecto de OPA’s consecutivas.

E tal como são ignorantes os que defendem que “em vez de contratar uma dúzia de Atletas desconhecidos, deviam-se contratar só dois ou três, que fossem mais valias desportivas”.
Claro, ahahah. E, já agora, onde é que eles estão, disponíveis para aceitar o Nosso teto salarial?

Isto é uma beleza e só mesmo uma “besta como o orelhas” é que não percebe como se deve gerir a Nossa SAD!
É facílimo ... para quem nada mais faz do que sentar-se ao teclado para escrever ... “críticas”, ahahah.

Regressemos ao exemplo do Nosso Bernardo Silva ... e imaginemos que o contrato de empréstimo não tinha aquela cláusula de “opção de compra” a favor do Mónaco: acham que esse clube o tinha deixado jogar tantos minutos sem o negociar antes?
Claro que não!
Tratavam de lhe fazer uma oferta salarial de revirar os olhos e faziam uma oferta semelhante para a respectiva aquisição.
E o que poderia fazer a Nossa SAD?
Na minha humilde opinião, podia fazer pouco mais do que o que fez: negociava o Atleta!
Não o fazer seria, isso sim, um erro crasso: seria assumir um risco não calculado (trocando o certo pelo incerto) e ficar com um Atleta contrariado!

É um bocado “injusto” verificar que o Maior Clube do Mundo não tem argumentos económicos para ombrear nem com um tal de Mónaco?
Mesmo que seja difícil chamar “injusto” a um lucro limpo de 15M€ (os 750K€ foram para a Gestifute) e que não se considere a tremenda vantagem fiscal desse clube (recordem-se que essa vantagem é tão gritante que eles têm de pagar 200M€/ano para poderem participar na Ligue1, mas já não têm de pagar nada para participar nas provas da UEFA) ... é! De facto é um pouco absurdo!

Mas é a realidade e convém que aqueles nos quais delegamos a responsabilidade de Nos liderar no caminho do futuro, tenham uma noção muito clara de toda a realidade.
E, felizmente, a FIFA estabeleceu um “Mecanismo de Solidariedade” que fará com que a Nossa SAD venha a beneficiar de 5% de todas as transferências do Bernardo, do João, do Ivan e de todos os outros que venham a fazer esse caminho.

É a “isto” que estamos condenados?

Enquanto não criarmos as condições para poder aumentar o teto salarial, estamos muito sujeitos a “isto”.
Para o poder aumentar (o teto salarial), teremos de reduzir a tal “factura bancária” de quase 20M€ anuais, alargar a implantação da Nossa BTV e ... chegar sistematicamente aos oitavos da Champions.
Ou isso, ou conseguirmos convencer os outros maiores clubes europeus a forçar a criação do tal verdadeiro Campeonato Europeu de Clubes, que permitiria um enorme salto na competitividade dos clubes que nele participassem.

Mas eu espero que nenhum Companheiro (nem os mais jovens) se esqueçam de onde viemos, onde estávamos há apenas uma década e onde sabemos poder vir a estar no final desta década (definitivamente entre os 20 clubes mais poderosos da Europa), desde que saibamos manter o rumo.

Sempre com o contributo, desportivo e/ou económico, dos Nossos jovens “bernardos”.

Viva o Benfica!   

(Podem ler também o «Por ti, Bernardo (I)» do Companheiro Albuquerque (AQUI).)

10 comentários:

  1. Primeiro quero dizer que acho fantástica esta tua (excelente) explanação do universo SAD e da complexidade dos negócios com que os nosso gestores se vêm confrontados (recomendo vivamente a reportagem da SIC que começou ontem a ser transmitida e que se prolongará entre hoje e amanhã) diariamente. Depois e porque fazendo-o aqui (no seguimento do que já fiz no teu primeiro post) evita que eu tenha de publicar outro post a falar do mesmo assunto. No meu estilo de sempre (meio abrutalhado mas sempre de coração) em contrate com a tua escrita calma e sabedora...cá vai...de novo...

    Não sei se o Bernardo vai ser vendido futuramente acima dos 16 milhões (um argumento dos críticos) que custou ou se vai estagnar e dar prejuízo a quem arriscou pagar tanto pelo seu passe, numa altura em que nem metade valia. Estou-me nas tintas. Para mim foi um excelente negócio que o Benfica fez e nem acho nada feliz que o presidente (ou o Rui Costa ou o Nuno Gomes) ande por aí a choramingar a sua saída para agradar aos mais críticos e, já agora, para dar uma facadinha no anterior treinador. Se eu me fosse chatear por causa disso (se um dia Bernardo for vendido por uma verba maior) então estaria a pontos de cortar os pulsos por causa de Di Maria - vendido pelo Real Madrid ao Manchester por 70 milhões de euros ou de David Luiz transaccionado por 50 milhões do Chelsea para o PSG.

    E ninguém anda por aí a chorar a sua saída. Di Maria foi um excelente negócio; continua a fazer entrar dinheiro no Benfica, assim como Davi Luiz trambém foi um extraordinário negócio. E o Bernardo, se conseguir afirmar-se na Europa, continuará a fazer entrar dinheiro no Benfica, que tem sobre ele direitos por formação, e, sobretudo 20% (acho eu) numa futura venda...
    Se queres que te diga, acredito mais em Nelson Oliveira do que no Bernardo. Acho que se este largar a braguilha do pai ainda pode ir a tempo de se afirmar. Isto se não for ainda mais burro que progenitor. Essa é a minha duvida.

    E para que não restem duvidas; tirando essa bizarria de meter o Bernardo a defesa esquerdo, não culpo nada o treinador antigo de não o meter a jogar na primeira equipa. E mais; acho que Talisca já é bastante melhor que o Bernardo e no futuro será ainda melhor. Assim sendo, no seu lugar eu daria de caras o lugar a Talisca.

    Abraços e...
    Viva o Benfica o único a quem defenderei sempre sem desfalecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando digo a braguilha do pai, quero dizer, como é óbvio, "as calças do pai" .

      Eliminar
    2. Enormerrimo Guachos, Companheiro e Bom Amigo,

      Tu nem me fales do teu "estilo abrutalhado", pelo qual eu so' nao morro de inveja porque, de facto e felizmente, nao sou invejoso, ahahah.

      E deixa que eu esclareca dois pontinhos:
      1 eu tambem nao "culpo" o Nosso ex-tecnico por nao ter colocado o Bernardo a titular, apenas considero que ele errou ao nao lhe identificar o potencial que identificou a outros (aos Andre's, e ao Cavaleiro) e que teria sido suficiente para que o Bernardo pudesse ter querido (?) ficar no Clube; e
      2 tambem eu considero que o Talisca tem um potencial muito superior ao Bernardo, ate' porque considero que o Talisca sera' sempre um jogador "do meio" (6, 8, 10 ou o tal "nove e meio"), enquanto o Bernardo vai fazer carreira nas alas.

      Sinceramente, acho inconcebivel que o JJ tenha dito o que disse do Bernardo, alias tal como do Oblak, mas, como escrevi antes, tivemos de lhe aturar os pontos menos fortes (e valeu bem a pena, ahahah) para podermos aproveitar as soberbas capacidades que lhe reconhecemos.

      De resto, a intencao deste texto (as duas partes) foi recordar a complexidade que envolve a tomada de decisoes quando estao em causa os Atletas, especialmente os jovens e isso, aparentemente, foi conseguido ... com a ajuda de todos os comentarios dos Leitores.

      Viva o Benfica!

      Eliminar
    3. Ponto prévio: Também considero que o Bernardo foi bem vendido, pois saiu muito acima do seu valor de mercado. E os jogadores desta idade são como os melões: só depois de jogarem um ou dois anos nos seniores é que sabemos o que valem realmente. A história está cheia de grandes promessas que nunca chegaram a lado nenhum (Lembram-se do Dominguez? Cheguei a ir vê-lo de propósito nos iniciados do Benfica. Jogador fabuloso, que nunca se afirmou nos séniores).
      Já quanto à atitude do JJ, não concordo que esteja isenta de culpas; porquê? Porque o Bernardo não lhe foi pedir a titularidade, mas sim uma oportunidade de fazer a época seguinte integrado no plantel principal, e o Jesus desfiou cinco ou seis nomes que estariam à frente dele. Basicamente, disse-lhe que iria passar mais um época na equipa B, com chamadas esporádicas ao plantel principal. Foi por isso que o BS saiu. Pessoalmente, espero que o Bernardo seja muito feliz e se torne uma referência da selecção.
      Aliás, já repararam que, para todos os comentadores, assim que saiu do Benfica o homem passou de um jogador banal, que nunca iria a lado nenhum, a ser o melhor do mundo e arredores, autêntico mini Messi, que tira bolas do cu com um gancho, entre outros malabarismos?

      Eliminar
    4. Caro amigo, nem era preciso esclarecer esses pontos. Eu percebi perfeitamente onde querias chegar. E o que eu não acredito é que o anterior treinador não reconheça talento a Bernardo. O que eu penso é que ele não gosta de ser apertado pelos papás, pelos empresários (deixo à imaginação de cada um explicar o porquê) e neste caso (Bernardo) como noutros, tem dificuldade em aceitar...sugestões, digamos assim. Olhando para bem dentro de mim, não sou capaz de o criticar.

      Eliminar
  2. Quem ler este tópico até pode ser levado a pensar que é fácil perceber estas complexidades da gestão de uma SAD num contexto espacial e económico como é o Português.
    E é, para quem souber ler, e acima de tudo, não tiver a cabecinha cheia de detritos nos quais assenta todos os seus "raciocínios".

    O que não é fácil, mesmo nada fácil, é explicar as referidas complexidades com esta clareza. Parabéns e obrigado, Albuquerque.
    E desta vez estou de acordo em 200%.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enorme Manuel Afonso, Companheiro,

      Eu e' que te agradeco por este teu comentario: em poucas linhas tu "leste" na perfeicao o objetivo que eu visava quando escrevi sobre este assunto.

      Viva o Benfica!

      Eliminar
  3. Benfiquistas,

    Para completar este texto e que vai ao encontro da minha opinião, penso que LFV assumiu, este ano, que a juventude do seixal pode valer mais que 15M€, mas que precisam de montra, isto é jogar na equipa principal (mas, mais do que 1 ou 2 minutos!!!). Não jogando na equipa principal, com 1 treinador que não via qualquer futuro no jogador, sair para o Mónaco por 15M€ e 20% numa futura venda, é um bom negocio!

    Pinto

    ResponderEliminar
  4. Caro José Albuquerque ,

    Obrigado pelo post. Está excelente.
    Aguardemos pelo próximo Bernardo.

    CARREGA BENFICA !

    ResponderEliminar
  5. Amigo GuachosVermelhos, quero desde já agradecer-te por este artigo que pode originar um debate agradável sobre a gestão desportiva encarnada, relativamente aos seus jovens formandos e não só. Concordo com o que escreveste. Contudo, acho demasiado incidente sobre o Bernardo Silva e não reflecte de todo a política desportiva com os nossos jovens.

    Começo por referir que existem jovens e jovens. A geração de 94, na qual faz parte o Bernardo Silva, é uma geração de grande valor. Quem está por dentro do futebol, e normalmente empresários como o Jorge Mendes não andam a dormir, sabe que há muito valor naquela geração. Por outras palavras, Jorge Mendes sabe que existe ali jogadores de 20, 30 e 50M€ se não for mais. No entanto, nem todos os formados pelo Benfica são jogadores dessa estirpe. Estes dificilmente serão aliciados com contratos de 2M€ anuais sem sequer fazerem uma época numa principal liga profissional europeia. E, já agora, dificilmente Bernardo Silva entre outros agenciados pelo Jorge Mendes dificilmente arranjariam contratos vantajosos dos que mencionaste no texto. O elemento chave aqui está no "intermediário" Jorge Mendes que está bem conectado no mundo do futebol e tem a confiança de muitos dirigentes futebolísticos. Um pequeno parêntesis, para o Benfica é bom ter uma boa relação com Jorge Mendes pois permite que este encontre sempre compradores ano após ano para que o Benfica atinja as tais receitas com vendas de jogadores. Por outro lado, para o Jorge Mendes, convém que o Benfica continue a fornecer material de 1ª categoria...

    Assim sendo, quando referes: "em vez de contratar uma dúzia de Atletas desconhecidos, deviam-se contratar só dois ou três, que fossem mais valias desportivas. Claro, ahahah. E, já agora, onde é que eles estão, disponíveis para aceitar o Nosso teto salarial?" penso que não está totalmente correcto. Por exemplo, no ano que Jesus chega à Luz, havia um jovem capitão dos júniores do Benfica e que tinha um dos melhores potenciais futebolísticos para incorporar a equipa principal (não digo ser titular mas ser um jogador de plantel). O que faz o Benfica? Contrata um total desconhecido Felipe Menezes. David Simão era o tal jovem e é hoje em dia um dos melhores jogadores portugueses a jogar no nosso campeonato nacional. Estou convicto que num Benfica e no tipo de experiências competitivas que o nosso clube providencia aos seus jogadores, a carreira do David teria tomado outra evolução. E, não estou a ver o jovem logo no primeiro ano a exigir 2M€ anuais, pura e simplesmente porque era desconhecido de toda a gente.

    Acredito que se tivesse ficado e evoluído, um pouco à imagem de André Gomes, conseguiria em um ou dois anos sair por uma boa quantia.

    Em suma, gastámos dinheiro num Felipe Menezes, este não rendeu e nem soube aproveitar a chance única de jogar na Luz, e acabámos por queimar o início de carreira do David Simão, que possivelmente teria aproveitado mais que o brasileiro Menezes, uma vez que o Português conseguiu firmar-se na 1ª Liga e o outro está numa série B ou C brasileira...

    É deste tipo de políticas desportivas que não dá para entender. Mesmo que o Felipe Menezes foi um "favor" a um empresário brasileiro por ter trazido um David Luiz ou ter convencido o Luisão a renovar contrato, ou o quer que seja, o Benfica poderia tê-lo colocado a rodar noutra equipa. É que o Felipe Menezes veio praticamente com a mesma idade do David Simão, com pouca ou nenhuma experiência de futebol sénior e num país onde a formação táctica ainda é um pouco arcaica. Qualquer que seja o prisma não há lógica na decisão tomada.

    Falo deste caso em particular, como poderia falar de muitos outros que temos assistido ano após ano, e que nada tem a ver com "tectos salariais".

    ResponderEliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.