quinta-feira, 24 de março de 2016

Johan Cruijff

Morreu Johan Cruijff. A glória do Barcelona e do futebol mundial tinha 68 anos. O cancro venceu desta vez.
Seguramente um dos melhores jogadores de todos os tempos, Johan Cruijff foi sem duvida o mais elegante e excitante futebolista que vi jogar! Fez parte do meu imaginário de criança e é talvez o futebolista/treinador/comentador/ que mais influenciou a minha forma de observar e entender o futebol.

O "magrinho" não corria; levitava. O magrinho não saltava; parecia ter asas! E que bela era a estética que ele casava com essa maravilhosa elegância que ninguém mais conseguiu expressar num campo de futebol! A inteligência em movimento e a eficácia letal do seu futebol, esguio e fluido, formataram esse monstro do futebol Mundial! Dentro, mas também fora do campo, Johan Cruijff nunca foi igual a ninguém. Nascido para liderar, viveu um passo à frente dos demais, pondo sempre acima das loucas correrias do atleta-robot - tão apreciado pelos demais treinadores - a qualidade e a inteligência dos seus jogadores. Nunca olhou para a sua altura e a idade passava-lhe ao lado. O futebol holandês deve-lhe tudo. O Mundo agradece. E muito do que é hoje o Barcelona, Guardiola e comp. tem na sua génesis o génio de Cruijff. Nem que fosse somente por isso, já chegaria para que eu lhe preste esta homenagem. Obrigado Jonhan. Tu foste uma das mais fortes razões das muitas que me fizeram adorar o futebol espectáculo.

"Si tienes la pelota, no es preciso que defiendas, porque sólo hay una pelota.”


As frases emblemáticas do mago holandês...

1. Técnica não é poder fazer 100 toques sem deixar cair. Qualquer um pode fazer isso se treinar e até pode trabalhar no circo. Técnica é passar a bola com um toque, à velocidade correta, no pé certo do colega.

2. Alguém que faz malabarismos com a bola no ar durante um jogo, a dar tempo para os quatro defesas adversários voltarem, é o jogador que as pessoas pensam ser ótimo. Eu digo que deve ir para o circo.

3. Escolhe o melhor jogador para cada posição e não terás a melhor equipa, apenas 11 bons jogadores de cada uma.

4. Na minha equipa, o guarda-redes é o primeiro avançado e o avançado, o primeiro defesa.

5. Por que não se pode ganhar a um clube rico? Nunca vi um saco de dinheiro marcar golos.

6. Eu jogava sempre a bola para frente porque se a recebesse de volta, seria o único jogador desmarcado.

7. Sou um ex-jogador, ex-dirigente, ex-treinador, ex-presidente honorário. Uma lista porreira que, mais uma vez, mostra que tudo chega a um fim.

8. Jogadores que não são verdadeiros líderes mas tentam ser discutem sempre com os outros depois de um erro. Os verdadeiros líderes dentro de campo já sabem que os outros vão errar.

9. O que é velocidade? A crítica desportiva confunde velocidade com visão. Se eu começar a correr antes dos outros vou sempre parecer mais rápido.

10. Há apenas um momento em que podes chegar a tempo. Se não estiveres lá, estarás sempre adiantado ou atrasado.

11. Antes de cometer um erro, eu não cometo esse erro.

12. Numa partida de futebol, está estatisticamente provado que os jogadores têm a posse de bola por 3 minutos, em média. Então o mais importante é: o que fazer nos 87 minutos em que não tens a bola. Isso é o que determina se és um bom jogador ou não.

13. Depois de ganhar alguma coisa, deixas de estar a 100% e ficas a 90%. É como uma garrafa de água com gás quando fica sem tampa. Pouco tempo depois fica com menos gás.

14. Há apenas uma bola, precisas de a ter.

15. Não sou religioso. Em Espanha, os 22 jogadores faziam o sinal da cruz antes de entrar em campo. Se isso funcionasse, todas as partidas terminariam empatadas.

16. Precisamos fazer que o pior jogador deles tenha a bola. Vamos recuperá-la em pouco tempo.

17. Se tens a posse da bola, precisas fazer com que o campo seja o maior possível. Se não a tens, precisas de fazer com que fique o mais pequeno possível.

18. Todos os profissionais de golfe têm um treinador para suas tacadas, outro para o posicionamento. No futebol temos um treinador para 15 jogadores. Isso é absurdo.

19. Sobreviver à primeira fase nunca é o meu objetivo. O ideal seria estar com Brasil, Argentina e Alemanha no mesmo grupo. Assim eu elimino dois rivais na primeira fase. É como eu penso. Sou idealista.

20. Os jogadores hoje em dia só sabem chutar com o peito do pé. Eu podia chutar com o peito, com a parte de dentro e com a parte de fora de ambos os pés. Por outras outras palavras, eu era seis vezes melhor do que os jogadores de hoje.

21. Qualidade sem resultados é inútil. Resultados sem qualidade é entediante.

22. Existem poucos jogadores que sabem o que fazer quando não estão marcados. Às vezes digo a um jogador: aquele avançado é muito bom, mas não o marques.

23. Acho ridículo quando um talento é rejeitado com base em estatísticas de computador. Com base nos critérios do Ajax de hoje eu teria sido rejeitado. Quando tinha 15 anos não conseguia chutar uma bola a mais de 15 metros com o pé esquerdo e talvez uns 20 com o direito. A minha qualidade, técnica e visão não podem ser detectadas por um computador.

24. Jogar futebol é muito simples, difícil é jogar um futebol simples.

25. Se eu quisesse que entendesses, teria explicado melhor.
"ETERNO 14"

11 comentários:

  1. Saudações Benfiquistas,dia triste para o futebol,mais um "monstro" que vemos partir.
    R I P Johan Cruyff

    ResponderEliminar
  2. Mais um que partio,que deixa muitas saudades foi um dos que mais deliciou um jogador de enorme classe paz a sua alma.

    ResponderEliminar
  3. Talvez o único extraordinário jogador que também foi enorme treinador. Grande!

    ResponderEliminar
  4. tudo facilmente explicado . ou seja o e algo futebol simples e não uma ciência exacta !

    ResponderEliminar
  5. Bem, não sei se interessa, mas para mim o Cruyfft foi o grande jogador do Ajax do Rinus Michel e depois do Stefan Kovacs, em que a par de Mhuren, Neeskens, Ahan, Hulshoff, etc, praticavam o futebol total.
    Ainda me lembro como se fosse hoje, da eliminatória contra o Ajax, tinha o Cruyft 19 anos e o treinador deles o Rinus Michel disse que ele seria mais fantástico que o Eusébio. Eu nunca tinha ouvido falar nele.
    O certo é que fomos lá jogar a 1ª mão da TCE, em cima da neve (o nosso defesa Raul Machado que tinha vindo do Leixões, teve de sair, porque enregelou) e ganhámos por 3 a 1, e eu nem vi o tal de Cruyft.
    Na 2ª mão na Luz, os gajos “abriram o livro” e espetaram-nos 3 a 1. Que lição. Aí se viu o futebol total e se viu o… Cruyft de encantar.
    Para desempate, foi em Paris, levámos 3 secos e fomos de vela da TCE.
    Quanto ao Homem que Cruyft era, basta lembrar a sua recusa em jogar na Argentina do assassino Videla e ponto final.
    Paz à sua alma!

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar
  6. Como falar de génios? Não sei, o que sei é que Cruyff foi um ser superior, que marcou gerações, como a minha.
    Eu era um jovem em início de liceu que faltou às aulas para ir à Luz ver treinar o Ajax no início da década de 70, numas meias finais que então disputou com o Benfica, e cujo treino foi o único que vi até hoje de uma equipa de futebol, para além de alguns do Glorioso. Mas fui sobretudo para ver um génio.
    Sem desprimor para o Barça de Guardiola, aquele Ajax foi a melhor equipa de clube que vi até hoje, nunca mais esqueci, um por um, os nomes de quem compunha o onze. Mas Cruyff, bem, Cruyff destacava-se naquela maravilhosa equipa que jogava à bola como nós respiramos.
    Mas Cruyff foi mais do que um dos melhores da história do jogo. Foi um homem da carácter, chegando a recusar participar em 78 no mundial da Argentina, pelos princípios que o regiam.
    Nunca fui de ter ídolos, mas tudo tem excepções e Cruyff sempre foi meu idolo. Até na forma como caminhava.

    ResponderEliminar
  7. Guachos, meu Bom Amigo,
    Companheiros,

    Lembro-me perfeitamente de ver (pela TV, a preto e branco) a primeira mão dessa "batalha" com o Ajax de Cruijff , e outros, que começava a surpreender a Europa do futebol.
    Lembro o campo com muita neve e, à volta das 4 linhas, montes e montes de neve que dele tinha sido retirada. Lembro-me que o meu Querido Papá, poucos minutos depois do início do desafio, me disse que o Glorioso ia vencer, baseado na evidência da incapacidade técnica dos holandeses para dominar a bola, resumindo-se a afastá-la para longe e, se possível, para o Nosso meio campo.

    Todos eles, excepto um ... o Cruijff (não me recordo bem, mas quase juro que ainda era o 9).

    Vencemos por 3 a 1 e eu, miúdo, dei por garantida a passagem da eliminatória.

    Lembro-me bem da fabulosa exibição dele e de toda a equipa do Ajax na Nossa (velha) Catedral e da forma como conseguimos, a segundos dos 90', empatar a eliminatória (pelo Imenso Simões, de cabeça e ao segundo poste, se a memória não me falha).

    Depois ... bem, depois lembro-me de ver, uma vez mais a preto e branco, mais uma super exibição do Cruijff na "negra" de Paris (um empate por 3 a zero) e, finalmente, livre da surpresa, ter percebido que estava em presença de uma das melhores Equipas de futebol de todos os tempos, de uma outra que lhe tinha vindo tomar o lugar, liderada por um Atleta de eleição, um génio cuja capacidade inata para perceber o jogo amplificava as virtualidades técnicas imensas.

    Foi o meu primeiro prototipo do futebolista que jogava sem olhar para a bola, sempre a interpretar os movimentos dos companheiros e adversários.
    O Cruijff está no aerópago dos meus ídolos no futebol e em todo o Desporto.

    Confesso que não acompanhei bem a sua carreira como Técnico, mas este conjunto de citações do seu pensamento, é perfeitamente eloquente.

    Como materialista não acredito que ele "tenha ido" para algum sítio, mas se eu estiver enganado garanto-vos que "esse sítio" vai ficar muito mais e melhor organizado: é só darem-lhe tempo.

    Obrigado, Johan Cruijff, pelo imenso prazer que me deste sempre que te vi jogar.
    Estás perdoado pelo que me fizeste chorar.

    Viva o Benfica!
    (José Albuquerque)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bela lembrança meu Amigo.
      Eu, desse tempo, só os relatos de quem viveu esses momentos e o mais até onde a minha curiosidade me leva nas pesquisas. Mas lembro-me que na escola eu queria ser sempre o croif nas peladinhas. Apesar de já adorar o Glorioso...
      Abraços

      Eliminar
    2. Boas
      Amigo Pedro faço minhas as palavras do Gaucho, eu, desse tempo só os relatos e o que a curiosidade me permitiu ir descobrindo sobre a história do Futebol e dos seus maiores intervenientes, Johan Cruijff está, sem duvida, entre eles.
      Quanto às frases emblemáticas faz lembrar SUN TZU em alguns dos seus ensinamentos.
      Dá graça quando ouvimos alguns dos actuais "opina-dores(cotovelo)/expert`s/entendidos futebolísticos" a salientarem k alguns destes génios da bola provavelmente não jogariam no futebol moderno e coiso e tal são outros tempos, outras tácticas/exigências...é de rir e, depois, quando ouvimos opiniões como algumas tecidas por Johan Cruijff em algumas das suas frases ficamos esclarecidos quanto ao nível destes supra-sumos elaboradores de opiniões em massa.
      Saudações

      Eliminar
  8. Um dos enormes da história do futebol.
    Que descanse em paz!

    ResponderEliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.