domingo, 5 de junho de 2016

Vamos a “contas”? R&C 2015/16, 3º Trimestre.

Por José Albuquerque

A Nossa SAD acaba de comunicar à CMVM o “R&C” para o terceiro trimestre do exercício corrente (julho a março) e, embora esta informação intercalar não forneça o detalhe habitual nos relatórios semestrais e anuais (estes últimos auditados), o actual momento do Grupo Benfica sugere uma análise mais cuidada do que o habitual, por forma a podermos confirmar todas as teses que podem vir a determinar a evolução futura dos resultados económicos.

Considerando que o Companheiro B Cool está impossibilitado (vamos admitir que ele está “fora de jogo”), vou eu tratar de vos dar a minha visão sobre o andamento da Nossa “Batalha Económica”, da sua superestrutura desportiva e, para tanto, vou começar por recordar o essencial dos objectivos traçados no início deste exercício, mesmo para além das “contas e números”.
Assim, nada melhor que citar o que aqui escrevi, há cerca de seis meses ... (algures no início de dezembro)

“Síntese dos “Aspectos Relevantes da Actividade” (páginas 4 e 5 do Relatório Intercalar de 30 de setembro).

O CA reafirma, explicitamente, tudo o que é importante:
1 - os objectivos desportivos conhecidos (TRI, Taças e troféus nacionais e “o mais longe possível na CL”);
2 - oportunidades para os jovens talentos na Equipa de Honra, enquadrados por Atletas com experiência internacional;
3 - continuação da prospecção e investimento em jovens estrangeiros de alto potencial;
4 - o novo Técnico tem por objectivo conciliar Vitórias com o envolvimento na e da Fábrica;
5 - sublinha a importância da participação na International Champions Cup e sugere que ela se vai repetir;
6 - relata que as vendas do Lima e do Ivan ultrapassaram os 22M€;
7 - informa que foram investidos 15,3M€ em 50% do Raúl e 90% do Cervi;
8 - confirma que o Mitro está emprestado e que a SAD tem uma opção de compra;
9 - idem para a renovação do Jonas, com aumento da cláusula para 20M€ e do Ola até junho de 2018;
10 - idem para as renovações do Nélson Semedo, Nuno Santos (até 2021) e Lindelof (2020) do Plantel principal;
11 - idem para o Hildeberto, João Nunes e Ricardo Carvalho, do Plantel B; e
12 - confirma que os 45M€ do EO se destinaram a “consolidação de passivos” (=substituição de empréstimos vencidos);
Ou seja, nenhuma verdadeira surpresa (talvez a ambição?) e podemos concluir que as renovações do Gaitan e do Imperador vão aparecer no 2º trimestre.” (fim de citação)

Impressionante, concordam?

Não recordo e pouco importa, quando é que foi acertada a renovação com o Gaitan. Quanto ao Imperador, todos conhecemos a “manobra” construída sobre o chamado “caso da Montblanc”, mais um exemplo da mestria com que a Nossa Comunicação toureou a mérdi@ e os anti. Questões acessórias para Taliban distrair.
O que importa recordar é que, há um ano atrás, até eu me deixei embalar pelos cânticos do “downsizing” (lembram-se dos textos que escrevi a demonstrar o descabida que uma tal estratégia seria?) e só parei quando, na AG de accionistas da SAD, tive as garantias de que não era de tal que se tratava. Bem ao contrário, a SAD clarificou que a passagem aos “oitavos” da Champions era um objectivo prioritário e eu pude sentir que tudo o que defendera e escrevera estava em perfeita sintonia com a Administração da Nossa SAD.
E no único ponto em que não foi assim (vocês sabem que também eu receei pela troca do Técnico), uma vez mais o Presidente me demonstrou a confiança que me merece, ou melhor, que Nos merece, ao conseguir algo que tem um valor e uma importância quase incomensuráveis: provar que o Glorioso pode vencer, mesmo mudando de Técnico e assumindo na plenitude a valorização da “Fábrica”.

Mas regressemos àquela lista de 12 pontos que eu retirei daquele início de época, para constatarmos o alto grau de controle que caracteriza a Gestão do Clube:

1 – Excelentes resultados desportivos, em que eu troco com agrado a presença nos “quartos” da CL pelo insucesso na Taça de Portugal (e todos sabemos como esse Nos foi imposto por um bandalho de um BOI);
2 – Soberba inclusão de jovens Atletas na Equipa de Honra, apesar da grave lesão do Nuno Santos;
3 – Cervi, os dois sérvios e uma prenda do “babalu”, fazem 4 jovens de altíssimo potencial;
4 – Impressionantes as notícias que me chegam sobre o envolvimento quase constante do Técnico com todas, mas mesmo todas, as Equipas dos escalões jovens e até aos sub14;
5 – Faço votos que aqueles problemas a que o Técnico se referiu recentemente (Honra e Glória por nunca se ter “queixado” antes), porque evitáveis por uma estrutura como a Nossa, não impeçam, nunca, que a Nossa Equipa (ou melhor, os Nossos melhores Atletas) participe activamente no imperioso processo de internacionalização da Marca Benfica; seja participando naquele mesmo torneio, seja organizando verdadeiras “tournée” de pré-época, eu espero que a Equipa faça, todos os anos, algumas semanas em viagem pelas regiões do planeta com maior potencial de penetração;
6 – Lima e Ivan, duas operações valiosas e de quase nulo impacto desportivo;
7 – Raúl, Cervi e todos os que se seguiram (Mitrogolos incluído), ou o meu suspiro de alívio ao constatar que a SAD não iria proceder a nenhuma forma de “downsizing”; a recuperação dos Nossos Capitais Próprios não deve ser conseguida à custa de diminuições do Activo;
8 – E o Mitro já cá canta, ahahah;
9 – Idem, idem, ... aspas, aspas;
10 e 11 – E a lista de jovens “promessas” com contratos renovados já é quase tão longa como a lista das Nossas pérolas que brilham nas seleções jovens de Portugal e que nelas têm tido desempenhos assinaláveis (babo-me todo, carago);
12 – E o processo de consolidação de passivos continua, agora com nova EO com menor taxa de juro (4,5%), levando a uma poupança de um pouco mais de 1M€ na “fatura bancária” deste exercício (como diz o outro, grain à grain, enche la galinhe le pape, ahahah).

Em síntese, Companheiros, nem parece que falamos de um “negócio” tão marcado pelas (im)probabilidades como é o futebol (ainda mais quando se trata do “futeluso”) e já vamos num terceiro exercício económico de resultados amplamente positivos (a saída do Bulo já o garante), concomitantes com resultados desportivos excelentes.

Bem ... imaginando que já estejam com saudades de ver alguns números ...

Síntese da “Análise Económica e Financeira”.

As “Contas” em 31 de março estão marcadas por alguns aspectos fundamentais:
- o prosseguimento da normal e natural política de investimentos (em Activo Corpóreo e Intangível), de controlo dos custos (nomeadamente os salariais), de crescimento sustentado dos proveitos “comerciais e de Match Day”;
- interrupção no crescimento (maturação?) dos proveitos da BTV;
- quase completa substituição das receitas de quotização, integralmente cedidas ao Clube;
- inexistência de “vendas” de Atletas na janela de janeiro; e, principalmente
- do sucesso da Equipa na CL, atingindo os 30M€ em “prémios UEFA” nos “oitavos”.

Ou seja e vale a pena recordar, nem os proveitos decorrentes dos “quartos” com o Bayern (quer na bilhética, quer nos prémios UEFA e respectivo market pool), nem a brutal mais valia realizada com a saída do Renato (menos ainda com a do Gaitan, que nem confirmada está), têm ainda impacto nestas “Contas”.

Tal como podem ver no QUADRO 1, a BTV foi a única linha de proveitos que não cresceu, admitindo-se que o seu valor anual fique pelos 32/33M€.
Não se esqueçam que, no tocante aos valores de “Publicidade e Patrocínios”, é quase certo que os seus valores finais anuais venham a reflectir os excelentes resultados desportivos, pelo que devemos esperar alguma “boa notícia” nas contas de 30 de junho.

E tomem nota de que a melhoria nos Resultados Financeiros (linha 16) não foi (1M€) tão grande como parece, uma vez que o valor de há um ano ainda estava negativamente influenciado pela resolução do Benfica Stars Fundo.

Já olhando para a evolução das principais rubricas do Balanço (vidé Quadro abaixo), verificamos que o ligeiro decréscimo do Activo se deu pelo lado dos créditos a Clientes, o que (é excelente e) significa que se venceram prazos de pagamento envolvidos em “vendas de passes de Atletas”, não compensados face à ausência de novas “vendas” (e já sabemos que o Renato saiu a p.p., na parte dos 35M€).
Tal como se demonstra o crescimento do Activo não corrente, quer pela via de novos investimentos tangíveis (edifícios, equipamentos, etc.), quer em intangíveis (valor do Plantel, Marca, direitos de TV, etc.). Não se esqueçam de que, em cada ano e por via das Amortizações contabilísticas, o Activo não Corrente deveria reduzir-se em cerca de 45M€ e o simples facto de vermos que o seu montante até cresce, é a prova mais clara contra a existência de qualquer forma de “downsizing”.

Do lado das origens de fundos (Passivo e Capitais Próprios), os dados mais importantes são: (i) a consolidação de passivos, que passam de curto prazo (correntes) para prazos mais longos (não correntes) e (ii) a recaída dos Capitais Próprios para um valor negativo, em resultado do “prejuízo” realizado nos primeiros 9 meses do exercício.

Alguma razão para preocupação?
“Falência Técnica”?

Não me façam rir e deixem o Al Calotes e todos os anti, Taliban incluídos, regozijarem-se com esse número: de duas uma, ou se trata de uma demagogia ridícula engalanada por uma má fé miserável, ou de uma “iliteratícia” radical.
BALANÇOS SINTÉTICOS
31-03-2016
30-06-2015

Em junho próximo, vamos concluir o terceiro ano consecutivo de recuperação significativa dos Nossos Capitais Próprios, para mal dos pecados dessa cáfila e o maior “risco” (caso seja contabilizada mais alguma venda importante, como seria o caso do Gaitan) é que essa recuperação pode ser, na minha humilde opinião, demasiado rápida.
Reparem que o simples registo da operação sobre o passe do Renato e dos proveitos decorrentes dos “quartos” da CL num 4º trimestre já habitual (sermos Campeões, vencermos a Taça da Liga e encher a Catedral em abril e maio, ... tem de ser considerado normal) já deve implicar um Resultado final deste exercício da ordem dos 10M€ (anulando este “negativo” de 8,1M€ e transformando-o num “positivo” de mais de 10M€), pelo que eu espero que qualquer outra operação deste género possa ser contabilizada já em julho, sob pena de fazermos em apenas 3 anos a reconstituição de capitais que eu desejava conseguir em 6!
Aliás e como já tive oportunidade de afirmar, também foi por esta razão (e para minimizar a pressão mediática sobre o rapaz) que a venda do Bulo foi registada por 35M€ (em vez dos 60 que estão garantidos), tal como a Nossa SAD vai adiar todas as outras eventuais saídas importantes para depois da Copa América (espero que não me peçam um desenho, ahahah)

E sobre o Futuro, em termos de “Batalha Económica”?

Mantenho tudo o que, há anos, sabem ser a minha humilde opinião, apenas com uma pequena (?) nuance que gira em torno da “Parceria” com a NOS, pelo que ela pode vir a revelar-se determinante no papel que a BTV deveria (tem de) assumir no processo de internacionalização da Nossa Marca.
Sobre este tema, já falta pouco para que eu tenha tempo para escrever profusamente.

De resto, tudo corre como previsto, num binómio dinâmico e autosustentado formado pelos resultados desportivos e a qualidade/quantidade dos “produtos” da Nossa Fábrica.

Como sempre, fico à vossa disposição para responder aos comentários com que quiserem contribuir.

Viva o Benfica!

P.S.: é conhecida a minha aversão a falar das “contas” dos Nossos inimigos, mas eu já confessei que lhes dou umas olhadelas e podem ficar tranquilos que, desta vez, vai ser com um especial prazer que vou escrever sobre esse assunto, ahahah; será já amanhã!  

41 comentários:

  1. Comentários para quê? Está tudo dito!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado caro José Albuquerque por mais uma excelente explicação sobre as contas do nosso Benfica, pois são essas que verdadeiramente me interessam e não as dos nossos adversários.
    Coloco apenas uma questão, o anuncio da NOS da transmissão dos jogos do Benfica em casa continuarem na BTV terão repercussões financeiras?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Companheiro,

      Antes de mais, Obrigado pelo incentivo e pela excelente pergunta.

      Quanto à manutenção dos desafios na Catedral na BTV, eu espero que o Presidente vá ainda mais longe e "ofereça" à NOS 50% (limpos) das receitas de publicidade, se a NOS também aceitar que seja a BTV a transmitir todos os outros desafios que se disputem nos campos de clubes cujos direitos a NOS também tenha adquirido: isso sim, já seria um sintoma de uma parceria muito evoluída, numa situação clara de "win - win", uma vez que a sporcos não poderia competir com essa Nossa proposta.

      Como imagino que tu saibas, eu já afirmei que os Nossos proveitos com esta parceria vão bastante além dos 400M€ anunciados e o facto de a BTV se ir manter como canal premium é bem a prova disso mesmo: não tenho a menor dúvida de que já existe um acordo (entre Nós e a NOS, ahahah) para partilha do valor que, juntos, venha a ser acrescentado.

      Eu espero que a parceria com a NOS venha a ter muitas repercussões e não só financeiras.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
  3. Obrigado pelos esclarecimentos!
    Benfica sempre!

    ResponderEliminar
  4. Obrigado, caro Albuquerque. É um prazer voltar a ler estas suas análises. Gostava de saber a sua opinião sobre o valor recebido através dos patrocínios. Pensei que com a renovação de alguns contratos e com a celebração do contrato com a emirates, os valores sofressem um acréscimo relevante, o que penso não se ter verificado. Depois, gostava que dissertasse sobre o contrato com a nos. Há algum tempo atrás o presidente disse que iria renegociar o contrato. Acha que já aconteceu essa renegociação? Outra questão é sobre as nossas modalidades. Pensa que podemos elevá-las a um nível superior e isso ser importante para internacionalizar a marca ou devemos mantê-las a um nível para consumo interno. Falo do andebol e volei, porque no futsal estivemos perto e no hóquei fomos campeões europeus. O basquete parece-me utópico ao nível europeu. Para finalizar, será possível, como já mencionou noutros posts, que haja alguma empresa que possa fazer parte do núcleo acionista da Sad, como acontece no bayern?
    Obrigado e saudações benfiquistas.

    MCL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Companheiro MCL,

      Obrigado pelo incentivo e pelo soberbo conjunto de temas que levantaste.

      Quanto aos patrocínios, estou exatamente como tu e, por isso, sugeri neste texto que esperemos pelas "Contas" finais deste exercício, para verificarmos se sim, ou não, os "Bónus" pelos resultados desportivos conseguidos vão fazer uma diferença substancial. Eu espero que sim!

      Quanto à parceria com a NOS, prometo voltar ao tema (como prometido), uma vez que eu a considero (ou gostaria de poder considerar) como um elemento estruturante para o Nosso futuro (via BTV, claro).

      Quanto às Nossas modalidades, SIM, sem nenhuma dúvida, eu acredito que elas podem e devem ter um papel determinante na internacionalização da Nossa Marca.
      Basta pensá-las como um "conteúdo BTV", para, imediatamente, as vermos como "moeda de troca" no aprofundamento de relações com (os melhores) clubes em regiões do planeta para as quais o Clube estabeleça objetivos de penetração.

      Quanto à tua questão final e recordando que falamos de um objetivo a longo prazo (que poderia ser encurtado caso fosse criado o tal "Campeonato Europeu de Clubes" do qual sabes que sou um fervoroso adepto), devemos, primeiro, proceder à recuperação dos Nossos Capitais Próprios e, depois, já com um nível razoável de Custos Financeiros (a tal "fatura bancária" que ainda Nos tolhe o caminho), então sim, deve tornar-se oportuna uma reorganização Acionista.

      Em síntese, o que eu quero dizer com tudo isto é que nenhum de Nós se deve contentar com o que já conseguimos neste século, uma vez que temos muitíssimo o que melhorar e muitíssimo mais caminho para percorrer.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
    2. O Benfica já tem 3 empresas como accionistas. E que foram parceiros importantes do Benfica. A Somague, o Novo Banco (ex-BES) e a Olivedesportos. Todas compraram a sua participação na SAD logo no início.
      Quanto aos patrocínios... pelo que sei o contrato da Emirates têm uma parte variável importante que depende dos resultados da época. O Valor fixo é um pouco superior ao que a PT tinha, mas o variável tem prémios que quase o dobram. Acredito que no 4º trimestre o Benfica receberá mais 3 a 4 milhões do que recebeu no 4º trimestre da época passada.

      Eliminar
  5. Caro José Albuquerque,

    Bem hajas pela análise e comentários pessoais, excelente.

    Numa de troca de ideias, se me permites, eu também sou daqueles que acha que este Portugal é demasiado pequeno para o Benfica. E, atenção, não é menosprezar o nosso país, nem sequer o nosso futebol, apesar de todas as trafulhices. Falo mesmo de dimensão de mercado. Penso que o óbvio serão os países de emigração nacional, mesmo esses ainda mal trabalhados, o menos óbvio, e de enorme potencial, são os países europeus sem emigração. A presença constante, de novo, na Europa, seja na Champions, seja na Liga Europa, até às finais, e o aumento brutal de turistas estrangeiros, especialmente europeus, que fogem das zonas instáveis, como o
    Norte de África, Grécia, Turquia, e vêm conhecer esta cidade, é uma mistura explosiva. Somos um clube agregador, universal, somos por nós e não contra alguém (Porto e Sporting estão nesse patamar, não atraindo ninguém, a não ser os que já são seus), as lindas camisolas vermelhas, o fabuloso Estádio da Luz, a nossa história, mesmo as dez ou doze finais perdidas, tornam-nos num clube fácil de amar. Nestes dois últimos anos, sobretudo, tenho assistido a uma presença cada vez maior de adeptos estrangeiros, já equipados à Benfica, e são finlandeses, suecos, ingleses, do Leste, holandeses, franceses. Sei, porque faço questão de sempre falar com eles, conviver, trocar ideias. São um filão enorme, porque vão levar a vontade de estar perto do clube, para os seus países, querem TV, querem merchandising, querem sites, querem estar perto. Não somos o Real Madrid, com uma miscelânea de adeptos orientais, mais interessados em riscar pontos do globo que já visitaram. Estes estrangeiros são-no apenas no BI, porque no coração somos todos benfiquistas: acredito que pode ser um filão muito interessante nessa tarefa de internacionalizar a marca Benfica.
    Claro que, depois, é bom andar pela Ásia e pela América, mas numa vertente de dinheiro em caixa, se me faço explicar. Os europeus, os tais, garantirão dinheiro, também, mas paixão de adepto. Fidelização.
    Fica um contributo para a reflexão, pretendo colocar aqui mais uns quantos, se o caro Guachos assim entender por bem e no permitir.

    Abraço
    Pedro B.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Pedro B., Companheiro,

      Obrigado pelos incentivos e, sobretudo, pelo teu soberbo comentário com o qual me identifico plenamente.

      Ao contrário de ti (pareces viver em Lisboa), eu tenho passado a maior parte da minha vida fora do país, sobretudo nos anos mais recentes, mas posso garantir-te que a capacidade de penetração do Glorioso em toda a gente (das mais diversas culturas) que gosta de Desporto e dos seus valores, é algo que só não é inexplicável para Nós (os que Amamos o Clube). Se tivéssemos tempo, eu tinha dezenas de estórias para contar.
      Mas não é só por isso que eu entendo que está na hora de vivermos uma estratégia coerente de internacionalização: é porque a Nossa penetração em Portugal tem demasiados inimigos.
      Nota que não estou a sugerir que não vamos continuar a ser, cada vez mais, o Maior Clube de Portugal (de muito longe), apenas que é impossível garantir as taxas de crescimento que podemos visar em alguns outros mercados.
      E estou absolutamente de acordo contigo, quando sublinhas a sinergia que se deve aprofundar entre o Clube e a cidade de Lisboa, uma das mais lindas cidades do planeta e que vai ficar "na moda" por muitos anos.

      A Nossa Marca (a História e os Valores), a BTV, as Nossas Equipas (e já temos tantas que são competitivas, no futebol e em várias modalidades) e, não esqueças, o Know-How técnico (desportivo e televisivo) de que dispomos, podem abrir-Nos muitos acordos de colaboração com outros clubes (líderes nos seus países), potenciando situações tipo "win-win", quer no aspeto desportivo, quer nos conteúdos de TV e, decorrentemente, do ponto de vista económico.

      E tudo isto que aqui escrevemos é, tão só, outra forma de afirmarmos que não podemos parar. Enquanto não tocarmos no céu, não podemos parar.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
  6. Grande trabalho Gauchos(mais 1). Já tinha lido R&C do 3º TRImestre e apesar de perceber pouco da matéria acho que é de entendimento fácil, embora, muito melhor quando explicado mais minuciosamente, claro esta.
    Fico ansiosamente esperando a análise do melhor gestor do planeta e arredores que (ainda) preside a agremiação do fosso AKA "sportem Cá-a-Lá".

    ResponderEliminar
  7. Grande zé... excelente análise.
    Eu estou muito contente com estas contas. O Benfica quase não vendeu jogadores. O Lima saiu mas trouxemos 2 excelentes avançados. E o Ivan não iria ter muitas oportunidades. Gastámos mais a comprar do que a vender e aí está a verdadeira razão do prejuízo. Mas que podia ser muito menor se já tivéssemos contabilizado o prémio de acesso aos quartos da champions. Mas o importante é as contas do final da época.

    Há umas semanas eu tinha uma estimativa de receitas operacionais de 120 milhões de euros para toda a época. Mas depois deste R&C trimestral, estou confiante que iremos ultrapassar os 125 milhões de euros de receitas operacionais.

    Na época passada, o 4º trimestre rendeu cerca de 24,2 milhões de euros. Numa conta à merceeiro, se adicionarmos os 6 milhões da Champions e retirarmos 2,2 milhões das quotizações, temos mais 3,8 milhões de euros. Ora, teríamos então 28 milhões de euros no 4ºtrimestre.

    95,388 + 28 = 123,388.

    Mas acredito que iremos receber mais 2 milhões em patrocínios e 1 milhão em bilheteira, bilhetes de época e corporate. Se isso se confirmar, estaremos acima dos 126 milhões de euros. BRUTAL!!!

    Espero também que se continue a baixar o passivo remunerado. Em 18 meses, foram 11 milhões. Além de conseguir taxas de juro mais baixas.

    Gostaria de ver o passivo remunerado do Benfica abaixo dos 250 milhões em 36 meses. E perto dos 200, em 5 anos. Conseguir reduzir os custos financeiros para perto de metade do que é hoje. Que achas?

    ResponderEliminar
  8. Bem haja,caro José Albuquerque,já tinha saudades dos seus post's a esclarecer-Nos,especialmente nas contas do nosso Clube,até um inculto a nivel de economia como eu,percebe o k se passa com as contas do nosso kerido Clube.

    Obrigado por tudo,e,viva o Benfica.

    ResponderEliminar
  9. Caro Guachos,para kuando um post a destacar a inteligencia negocial das pessoas ligadas à SAD,por conseguirem a continuação dos jogos do Glorioso pela BTV?! Ainda não vi nada de especial pela Gloriosesfera, nem redes sociais,e é de todo destacavel,pk não deve ter sido nada facil este desfecho,será k houve mais alguma coisa k nos ultrapassa,fikei completamente alucinado com este feito notavel da nossa SAD.

    Carregaaaaaaa Benfica.

    ResponderEliminar
  10. Obrigado pelo post. Embora não seja um entendido a sua explicação torna as coisas fáceis. Há uma coisa que me tem preocupado e que tem a ver com os juros pagos à Banca. Esta semana, nas mais diversas TVs, foi mencionado o facto de o SLB e o Porto pagarem alguns milhões de euros mensais de juros à Banca enquanto o Desportivo do Lumiar e Caala ficava pelos 350 mil euros. A explicação, dada por todos os canais, prendia-se com o facto de o nosso rival pagar muito menos de juros que o SLB e FCP. Caro Albuquerque, isto é mesmo verdade? Se o for como é que pode ser? Que eu saiba o SLB tem honrado,sempre, os seus compromissos. Como é que o clube dos viscondes, que não paga, pode ter melhores condições bancárias que nós?

    Os meus agradecimentos.
    Alberto Vares

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Alberto Vares bem vindo á realidade...quem paga os juros dos do Recreativo do Lumiar é você. eu e todos os contribuintes portugueses depois do enorme roubo que foi o escândalo do BES/Banco Novo....estamos todos a contribuir com os nosso impostos para subsidiar as Osgas do Lumiar em 15 Milhões/Ano

      Eliminar
    2. Companheiro Alberto Vares,

      Tu deves ser um Leitor recente, ou conhecerias bem a explicação para esse facto, tantos foram os textos em que eu alertei para essa vergonhosa condição de privilégio que os dois Bancos (Novo Banco e Millennium) concederam à osgalhada, na mais grave afronta à Verdade Desportiva.

      E repara que essa injustiça é ainda mais grave do que te parece, uma vez que a osgalhada esconde pelo menos duas centenas de milhão de Passivo bancário no clubeco e na sua sgps, milhões esses sobre os quais creio que eles pagam um juro de ZERO ABSOLUTO.

      Como é que isso pode acontecer?
      É muito simples ...
      Primeiro porque houve "banqueiros" (entre os quais o tio ricciardi, o sobrinho e muitas osgas na administração do Millennium) que foram concedendo crédito até ao impossível e tolerando anos de sucessivos incumprimentos.
      Depois porque, já com o Al Calotes na presidência, eles aceitaram aquela vergonha de transformar dívida nas famigeradas VMOC's (mais um negócio ruinoso para os credores), de tal forma que não vão receber nem juros (só se a osgasad distribuísse dividendos), nem o dinheiro de volta (12 anos) e vão acabar por ficar com a maioria do Capital Social de uma baiúca completamente falida, depois do babalú recuperar em fortuna o que já perdeu em peso.

      Repara que só neste último "R&C" a osgalhada mostra ter um "descoberto bancário" de quase 25M€, sobre o qual deveria pagar "uma taxa média de 3,5%" !!!!!!

      Que os clubes nacionais permitam, através da Liga, que esta pouca vergonha continue a agravar-se já é muito grave, mas ainda pior é que o Comité de Verificação do Fair Play Financeiro pareça continuar a ignorar uma óbvia manipulação dos resultados.
      Recorda-te que esse CV do FPF foi ao ponto, há duas épocas, de "corrigir" as contas do Man. Utd. e do PSG, alegadamente por considerar o valor dos patrocínios (dos árabes proprietários) acima dos valores de mercado e, depois, consequentemente, multar esses dois clubes, para, finalmente e no caso das osgas, ficarem muito quietos perante esta brutal subversão das regras de concorrência através de dois Bancos que, ainda por cima, beneficiaram de "ajudas de Estado" e estão na situação económica miserável que bem conhecemos.

      Olha, eu ainda esperei que alguns Acionistas do Millennium (como o Berardo, por exemplo) tivessem reclamado por toda esta miserável situação, mas nem isso.

      No próximo texto (o que já prometi e para comparar as "contas" da Nossa SAD com as das osgas e andruptos) voltarei a falar deste assunto e ... com números.
      E vou ter muito prazer em o fazer por mais uma razão muito especial que aqui deixo em primeira mão: OU MUITO ME ENGANO, OU OS andruptos ESTÃO A PREPARAR-SE PARA DAR UM "GOLPE" SEMELHANTE!

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
    3. É verdade José Albuquerque. Sou um leitor recente. A sua explicação é elucidativa da forma como toda a gente está a assobiar para o lado e ninguém fala deste verdadeiro escândalo.

      Um abraço e muito obrigado pela resposta.
      (Alberto Vares )

      Eliminar
  11. Obrigado pelos esclarecimentos.
    Grande abraço.

    MCL

    ResponderEliminar
  12. Boa.
    Mais um resumo esclarecedor e tranquilizador para a malta. Gracias.

    Acho que só não percebi bem esta parte: "sob pena de fazermos em apenas 3 anos a reconstituição de capitais que eu desejava conseguir em 6! "

    Ora, no final da época 13/14, se não me engano os capitais próprios passaram de -23,8M€ para -8,4M€. Se no final deste exercício passarem a ser de +10M, isso significa que em 3 anos existiu uma evolução de +/- 30 Milhões (isto é, mais de 10M por ano, em média).
    Se desejava que isso fosse conseguido em 6 anos ao invés de 3, podemos deduzir que o José Albuquerque acha que o razóvael seria o Benfica recuperar somente uma média de 5 Milhões por ano?
    É isto, ou percebi mal?
    E se é isto que acha, porquê?

    Percebo que o investimento deva continuar e que não se possa entrar num downsizing desenfreado que comprometa os resultados desportivos e consequentemente até os financeiros, mas se os patrocínios e outras receitas têm aumentado significativamente, será que não se pode recuperar os capitais próprios a uma média um pouco superior a somente 5 Milhões por ano?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Companheiro "Pica miolos",

      Tu não tens desculpa para essa pergunta, porque já és um Leitor do GUACHOS há tempo suficiente para saberes que, na minha humilde opinião, a recuperação dos Nossos Capitais Próprios se deveria fazer a um ritmo de até 10M€ por ano, que é o que tem acontecido (sensivelmente) até agora, mas ... mas se a "venda" do Gaitan for registada em junho (ou se a saída do Bulo tivesse sido registada por 60M€), aí a Nossa SAD vai apresentar um resultado final (em junho) de mais de 30M€ e isso seria "exagerado".

      A minha "tese", Companheiro, pode sintetizar-se na seguinte frase: sempre que o mercado Nos "obrigar" a ter mais valias exageradas, o CA da SAD deve encarar a possibilidade de aumentar o valor das transferências para o Clube (revendo o contrato de utilização da Marca, por exemplo) e/ou equacionar novos investimentos desportivos (acho que já vai sendo tempo da SAD "oferecer" ao Clube um bom centro de estágio para as (algumas) Modalidades, por exemplo).

      Abraço e Obrigado pelo incentivo e pela questão.

      Viva o Benfica!
      (José Açlbuquerque)

      Eliminar
    2. Um centro de estágio/academia para as modalidades era algo completamente à BENFICA: único!

      Eliminar
  13. Caro Albuquerque em relação às contas do nosso clube agradeço-te a tua paciência para nos elucidar,penso que o r&c anual vai consolidar a tua explicação,espero um resultado positivo e consequentemente um abatimento no passivo.
    Em relação ao Al Calotes eu que lhe atribuo o cognome de o Bazófias,gostaria que fosse desmascarado tanto naquilo que anda a fazer nas sua casa com manobras de estética nos r&cs,com valores de estimativa especulação e mesmo escamoteamento para passar discurso vitorioso a papalvos da sua agremiação e afiliados da comunicação social,apenas se conhece algumas coisas daqueles valores onde dizem ter um lucro de 1 milhão mas não se entende,que valores andam a esconder e de que universos,sad,sgps,estádio? Que tipo de benefícios recebem da banca? Quem e que nomes os andam a proteger para terem estas ajudas? A cmvm é igual para todos?
    Bem, como sempre um prazer Caro Albuquerque.
    Abraço

    ResponderEliminar
  14. Saudações Benfiquistas,o meu mais sincero obrigado pela excelente retórica caro José Albuquerque,só uma pergunta:Se a Nosse SAD está na "falência",como diz o babalu,para quando Nos elucidar sobre a super sad da osgalãndia,que sem vender e sem prémios da CL,sobrevive com o aumento da folha salarial e afins e já agora,do clube da fruta também.

    Carrega Guachos
    Carrega José Albuquerque
    Carrega Benfica!!!

    ResponderEliminar
  15. Mais um agradecimento pela clareza das suas "explicações".

    A pergunta que faço é se a sua leitura sobre o RC do SCP nos mostra um perdão de juros anual á volta de 10M !!??
    Como podemos combater este desvirtuar da concorrência, e como comunicar para os amantes do futebol a importância que tem um beneficio desta ordem a um rival, ao mesmo tempo que este se permite suportar um vencimento de 5M ao seu tecnico!

    VIVA O BENFICA!

    ResponderEliminar
  16. Companheiros Oliveira, chakra indigo, entre os demais.

    Claro que quando o babalú andava a enganar os Bancos com aquela época de verdadeiro "downsizing" (há que fazer-lhe justiça por esse trabalho bem feito), a maioria de Nós não se preocupou com os alertas que eu fui fazendo (todos esperavamos que fossem os clubecos pequenos a fazê-lo, porque era com eles que a osgalhada competia, ahahah), mas agora ... é que a porca torce o rabo!

    E, se eu tiver razão, ainda mais vai ter de torcer o rabo, porque eu creio que os andruptos vão pelo mesmo caminho das osgas: o raciocínio do D. Cor(no)leone é muito simples ... "se aquele pode, eu também quero".

    Que ninguém tenha dúvidas sobre o facto de haver dois Bancos (ambos com ajudas de Estado) que, em conjunto, estão a dar uma benesse anual de mais de 10M€ (eu receio que a coisa já se aproxima dos 15M€, mas só o poderíamos confirmar se tivéssemos acesso às contas do clubeco e da respetiva sgps) à osgalhada.
    Que todos tenham a noção clara que é provável que os andruptos vão tentar ir pelo mesmo caminho e que é com estes "inimigos" que vamos ter de nos bater e ... Vencer!

    Viva o Benfica!
    (José Albuquerque)

    ResponderEliminar
  17. Boa posta josé! uma pergunta: porque é que os gastos operacionais continuam a subir, se na época passada ganhamos mais ainda que esta época! é certo que os ganhos operacionais sobem ainda mais, mas não era possível ter o melhor de dois mundos: menos gastos e mais ganhos...abraço
    sócio slb nº 218219

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Companheiro 218.219,

      De uma forma geral e com um Resultado Operacional positivo em cerca de 4M€ por trimestre, fica difícil fazer uma crítica geral aos Custos Operacionais. Ainda assim, há uma rubrica de cujo crescimento eu me questiono sempre: os Fornecimentos e Serviços de Terceiros (FST's).

      Por experiência profissional, este é um dos grupos dos custos em que é sempre possível fazer cortes significativos (mesmo além de uma mera contenção dos custos) e sem riscos de curto prazo. Por outro lado e a mesma experiência ensinou-me que de um processo de compressão destes tipo de custos a longo prazo, podem resultar ineficiências e, mais grave, um sentimento generalizado de miserabilismo entre as hostes internas.

      Nunca é fácil, mas compete à Gestão encontrar soluções do tipo "mais ganhos e (alguns) menos gastos", soluções essas que, normalmente, passam por investimentos em tecnologia e maior integração com fornecedores.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
  18. Excelente. E deveria ser só isto, caro Albuquerque. Excelente.

    Mas não resisto a lançar-te uma pequena provocação.
    E se a recuperação de capitais próprios for conseguida em 3 anos e não 6, não à custa de um downsizing mas de excelência de gestão desportiva e financeira?

    E ouve uma diminuição até significativa nas remunerações do plantel, que apenas não é visível devido ao aumento brutal dos prémios atribuídos aos jogadores. Estou convencido que era a este "downsizing" a que o presidente se referia, em conjunto com a diminuição dos custos financeiros que também foi conseguida.

    Ainda à um par de semanas ouvimos o Domingos Soares de Oliveira dizer que os fundos obtidos com a venda do Renato poderiam ser usados na aquisição de jogadores para reforço do plantel.
    Quando um CEO diz isto, acho que está tudo dito.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu Caro Companheiro Manuel Afonso,

      Tu tens toda a razão em colocar essa questão que não só é inteiramente legítima, como parece ser a "vontade do mercado" e ... contra isso, batatas.

      Mas eu insisto na minha "tese" e recordo-te que, em Gestão, há sempre menos surpresas do que pareceria (ou duvidas que o Presidente tem informações que lhe permitam antecipar essas "pressões" do mercado), o que deve permitir ao Clube, antecipando esses "bons problemas", preparar as soluções mais adequadas, mormente antecipando projetos de investimento (uma coisa que um Gestor sempre deve ter na gaveta, ahahah).

      E agora, pegando o touro pelos cornos, garanto-te que não estou a pensar que o Presidente tenha alguma pressa na recuperação dos Capitais Próprios para poder recuperar a maior parte do investimento acionista que tem na Nossa SAD. Muito longe disso, dou-te a minha palavra!
      E não te digo mais porque sei que me percebeste perfeitamente, ahahah.

      O que me preocupa é se o Clube "desaproveitar" estes anos de quebra nas taxas de juro (bem sei, bem sei que Nos custam os olhos da cara), numa sangria desatada para reduzir esses Capitais Alheios e, assim, retardar investimentos que me parecem necessários.
      E todos aqui sabem que esses investimentos que eu preconizo são, talvez em 100%, quer em melhores infraestruturas desportivas, quer na internacionalização da Nossa Marca (sempre com a "ferramenta" BTV).

      Por isso, Companheiro, não me fizeste nenhuma provocação e eu até estou disponível para admitir que sou exageradamente ambicioso e que esqueço que "Roma e Pavia não se fizeram num só dia" ... exatamente o que defendo para a recuperação dos Nossos Capitais Próprios, ahahah.

      Se posso garantir-te que tenho razão?
      Não, Não posso!
      Posso garantir-te é que confio nos Nossos Corpos Sociais e na Administração da SAD!
      Confio inteiramente e apoio-os constantemente, mesmo que possa discordar pontualmente.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
    2. Eu já sabia qual ia ser a tua resposta. Vamos conhecendo-nos...

      E eu também sou apologista de uma gestão virada para o investimento reprodutivo quando há capital para o fazer.
      No entanto, nesta conjectura que nem sei muito bem qual é, não acho nada desajustado utilizar excedentes para reduzir a factura bancária, e até poderia ser imprudente não se fazer precisamente isto.

      Mas também já estive mais convencido que a política do nosso CEO seria precisamente esta última. Depois deste exercício e das receitas provenientes da Champions, acho que está mais tentado a "arriscar" para repetir a dose do que a outra coisa qualquer.

      Seja como for é como tu dizes, independentemente do caminho escolhido estou certo que vai ser percorrido com competência. E com a velocidade a que este mundo anda, o que é verdade hoje amanhã é mentira, e sorte a nossa que temos gestores com a capacidade de adaptarem estratégias e ver muito, muito à frente.

      Eliminar
  19. Companheiros,

    Obrigado a todos!
    Obrigado pelos incentivos e pelos comentários que nos permitiram "esmiuçar" os pontos do texto que necessitavam de informação/debate complementar.

    Mas, por favor, agora têm de me dar umas horas para eu cumprir a promessa de um texto sobre as "contas comparadas".
    Combinados?

    Viva o Benfica!
    (José Albuquerque)

    ResponderEliminar
  20. Caro Tri-Campeão José Albuquerque,
    Muito obrigado pela análise apresentada. Ela é clara e objectiva, duas qualidades muito importantes quando se analisam contas. Atenção que se nota igualmente a sua paixão pelo nosso Benfica e os seus desejos enquanto Benfiquista mas é uma análise totalmente imparcial.
    Duas questões deixo no ar:
    Qual a importância do mercado chinês e o que o Benfica tem de fazer no curto prazo para ganhar a corrida, neste mercado, aos restantes grandes RM, MU etc...?
    Não lhe parece que o Benfica deveria ter capacidade de se financiar a um juro muito mais baixo? (as grandes empresas estão a financiar-se no mercado bancário na ordem dos 3%)
    Saudações Benfiquistas
    Paulo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Paulo, Companheiro Tri-Campeão,

      Obrigado pelo incentivo e por estas questões pertinentes.

      Começo pela última e concordo contigo: já deveríamos estar a pagar uma "fatura bancária" bem menor e eu até sei (e já aqui escrevi) que a Nossa SAD recebeu proposta(s) que poderia (m) ter alavancado um tal processo de reestruturação financeira.
      Acontece que o CA da SAD entendeu, pelo menos até esta data, manter e cumprir todos os Nossos compromissos com os atuais parceiros financeiros (um deles também Acionista), confiando nas Nossas capacidades para, com recursos próprios, superar essa condicionante.

      Pessoalmente, eu teria escolhido outro caminho, mas compreendo que há fortes argumentos a favor da opção atual. Por outro lado, quer através de EO's, quer por recurso a "facturing" externo, a SAD está a conseguir baixar a taxa de juro média dos capitais alheios captados, o que, concomitantemente com o reforço dos Capitais Próprios, vai "obrigar" todos os parceiros a melhorar as suas condições de financiamento.

      Quanto ao processo de internacionalização da Nossa Marca em geral e do imenso mercado chinês (e de toda aquela subregião) em particular, eu acredito que existe um potencial tremendo (não para competir com esses clubes que referiste como exemplos) para explorarmos parcerias e propostas de elevadíssimo valor.

      Mantém-te assíduo aqui no GUACHOS e vais ver que eu vou abordar este assunto específico em breve.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
    2. Caro Tri Campeão José Albuquerque,
      Muito obrigado pelos esclarecimentos. Apesar de comentar poucas vezes sou assíduo no Guachos, o melhor blog Benfiquista.
      Um abraço também para o Tri Campeão Guachos
      Paulo

      Eliminar
  21. Caríssimo Senhor,
    Permita-me felicitá-lo e, sobretudo, agradecer-lhe o extraordinário trabalho que tem feito neste espaço em prol do NOSSO QUERIDO e INFINITAMENTE GLORIOSO SPORT LISBOA E BENFICA!
    Análises lúcidas, mensagens claras e, muitas vezes, um brilhante sentido de humor, o resultado final só poderia ser este: um "blog" que dignifica o CLUBE DO NOSSO CORAÇÃO e do qual, estou certo, todos os BENFIQUISTAS se orgulham!
    Queira receber, estimadíssimo Senhor e meu prezado Companheiro, as minhas melhores saudações BENFIQUISTAS!
    J.C.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prezado Companheiro J.C.,

      Elogios exagerados, meu Caro, esses que gastas comigo e que te Agradeço em Benfiquismo.
      Já quanto ao blogue, aí dou-te toda a razão: não conheço melhor que este.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
  22. Meus caros, no Football-leaks podem encontrar o acordo entre o SAPORTING e os bancos. Há 2 pontos importantes.
    1) dos 12 milhões da Champions, 5 vão para os bancos. A partir da próxima época serão 7 sempre que se apurarem.
    2) 30% do valor das transferências de qualquer jogador terá que ser dado aos bancos.
    Não pagam juros, mas pagam isto. São juros disfarçados tal como as VMOCs são passivo disfarçado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Companheiro Anónimo,

      Antes de mais, peço-te que consideres a hipótese de te identificares de uma qualquer forma que te torne inconfundível aqui entre nós, até porque tenho outro pedido a fazer-te: por favor, coloca aqui (no post mais recente, se possível) o link desse post do Football-leaks, para que todos os interessados possam consultar.

      Quanto aos dois pontos específicos que assinalaste e como prova da incompetência de quem representou esses Bancos nas negociações com o Al Calotes, nota bem que:
      1) queres dizer que, sejam 5 ou 7M€, essa parte dos prémios da UEFA "irá" (um dia, se nossa senhora de fátima quiser) para os bancos ... depois de serem pagos todos os credores legítimos que, como a Doyen, a tal se candidatem junto da UEFA (um dia destes vai começar a haver rateio, ahahah); e
      2) seja lá qual for essa percentagem que tenha de ser entregue aos bancos credores (e ela é mais um incentivo para o babalú não vender e preferir trocar, por exemplo), não concordo com essa tua designação de "juros disfarçados", porque esses serão (se e quando acontecerem) pagamentos de capital e não de juros.

      Já quanto aos VMOC, é verdade que eles são uma forma de capital alheio e nisso parecidos com outros passivos, mas acontece que não são "exigível" e, neste caso concreto, com o babalú, nunca serão pagos.

      Obrigado pelo teu comentário e pelo tal link que te pedi.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
    2. https://mega.nz/#!bkAWhYxK
      Chave decodificação - 4y7O3IfWT4xwmYoQJrmVeT8QQ2LoQpLFEWITCXtUqws

      Eliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.