quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Sobre o futuro Campeonato Europeu de Clubes.

Por José Albuquerque

Nestes últimos dias, voltaram a proliferar as notícias e comentários sobre aquilo que tudo indica que será o futuro Campeonato Europeu de Clubes (CEC), jogado a duas voltas e todos contra todos.
Os Leitores do GUACHOS sabem bem como eu tenho defendido esta fórmula, desde sempre e cada vez mais, como a única alternativa para os principais clubes do lado de cá da Mancha, conseguirem disputar o mercado mundial à BPL (Primeira Divisão Britânica), impedindo que a velha Albion venha a controlar, a longo prazo, todo o futebol que não envolva as selecções.
De facto e até agora, a FIFA e as estruturas continentais do “desporto rei” só têm equacionado soluções que, por passarem pelo crescente número de países nas fases finais dos campeonatos continentais e no campeonato mundial, nunca poderão ter o apoio dos principais clubes, que são a verdadeira força motriz deste desporto, chegando ao ridículo de surgirem propostas em que esses torneios poderão durar até dois meses e ser disputados, simultaneamente, em todos os países seleccionados.

Não é necessário ser um “Alvin Tofler” para perceber que, no longo prazo, não há nenhum desenho da evolução do futebol ao mais alto nível que passe por nacionalismos (mesmo os que não são bacocos), tal como já todos vimos que o crescimento da BPL é absolutamente imparável, constituindo, já hoje, um factor de distorção do mercado europeu, uma vez que o seu vigésimo clube, em poder económico, já tem orçamentos para competir com todos os clubes da Europa continental, à excepção dos dois maiores de Espanha e dos mais ricos de Alemanha, França e Itália, somando cinco clubes no total.
E esta realidade só pode ser alterada, pontualmente, através da entrada de “bilhardários” (que não se divorciem, como no caso do russo que comprou o Mónaco), que considerem um tipo como o Peter Lim um engraçado proletário.
Estruturalmente e a longo prazo, só há uma solução para reequilibrar o “Mercado Mundial do Futebol” e essa é, indiscutivelmente, a criação de um verdadeiro CEC, que inclua os principais clubes do continente (veremos se os maiores de Inglaterra se quererão juntar, eu creio que sim), disputado de sexta a domingo, com desafios a todas as horas do fim de semana, composto por “duas voltas” e com esses clubes a jogarem com todos os outros.
Na minha humilde opinião, só este tipo de alternativa poderá permitir que todos os clubes participantes recuperem um poder económico que lhes permita competir com o vigésimo clube que participa na BPL de hoje e esse será um factor essencial para que o futebol se mantenha como “Desporto Rei” na Europa.

Não sei se sabem, mas os primeiros projectos que laboraram este conceito datam da década de 90 do século passado (recordam-se da formação dos G14, G18, etc.?) e, lembro-me muito bem, como nesses tempos era o clube andrupto que representava Portugal nesses areópagos, claro que os anti defendiam o conceito com unhas e dentes e nunca, nunca choravam pela “verdade des_portiva”, nem pelo “fim do futeluso”: a essa cáfila já estava de bom tamanho verem o Glorioso arredado do lugar que é seu por direito – o de Maior Clube de Portugal e da Lusofonia.

O que não me entra na caixa craniana é que, agora que esse horizonte se aproxima a passos largos e que o Nosso Clube já não pode ser deixado de fora dessa competição, apareçam Companheiros Nossos a tentar “parar a ventania com as mãos”, prestando-se a fazer o serviço dos anti ao ecoarem todos os argumentos mais parvos com que aqueles tentam, em desespero, parar o caminho inexorável da História.
Há dias, o Companheiro Abidos de OINDEFECTÍVEL, reproduzia um choradinho da autoria do vítor dos croquetes (a borla), que mais não era do que uma repetição de todos os principais males do “futeluso” (excepto o anti Benfiquismo e as grosseiras afrontas à Verdade Desportiva feitas a favor de osgalhada e andruptos), como se os erros nacionais internos pudessem servir de argumentos contra uma realidade que, reconheçamo-lo, é imparável. E que o seria, ainda que o “futeluso” fosse um conjunto de competições perfeitamente organizadas, absolutamente isentas de erros e, naturalmente, livres do anti Benfiquismo que grassa por todas as instituições que o comandam, ou lhe constroem o cenário de fundo.

Claro que o futebol em Portugal definharia se o Glorioso deixasse de participar nas competições internas e é isso que dos deixa, aos anti, na mais profunda depressão.
Tenham calma, cambada!
O Glorioso e os seus milhões de Sócios e Adeptos vão continuar a “alimentar-vos” um pouco, já não será é com a Nossa Equipa de Honra, uma vez que essa irá competir, não tenho a menor dúvida, com os outros clubes que querem defender o Futebol como o verdadeiro “Desporto Rei”, em vez de um mero instrumento para tentar impedir o crescimento e o desenvolvimento do Maior Clube de Portugal e da Lusofonia.

Claro que a Nossa Equipa B irá participar na principal liga portuguesa e, talvez, venhamos a criar a Nossa Equipa C, para abrilhantarmos a liga Ledman Pro.
Claro que o Sport Lisboa e Benfica continuará a participar, com as suas Equipas dos escalões etários mais jovens, em todas as competições oficiais em Portugal.
A diferença estará que e só que, com a sua Equipa de Honra, o Glorioso irá representar o país e toda a lusofonia na maior e mais conceituada competição de clubes à escala planetária e fá-lo-emos com toda a responsabilidade e patriotismo.
Mais do que isso e enquanto um dos melhores e mais credíveis clubes do mundo, o Glorioso continuará a pugnar pela credibilização de todas as competições internas nas quais participem as suas Equipas, seja em que escalão for e seja em que modalidade for, mas sem se inibir de, caso surjam as oportunidades, incentivar à criação de outras competições entre os principais clubes europeus, além de intervir na respectiva exploração dos direitos de transmissão televisiva desses eventos.

E, ainda e sempre com a maior humildade, eu exorto os clubes que vierem a fundar o CEC a equacionarem que papel querem desempenhar na exploração dos direitos de transmissão televisiva dessa prova. Ou de outros campeonatos, de outras modalidades, ou de outros escalões etários, que venham a desenvolver.

A ver se nos entendemos todos …
Quem #mandanistotudo são as audiências e, em função delas, os patrocinadores!
Os clubes, perdão, os principais clubes do continente, enquanto aglutinadores dessas audiências e espoletas de todo o fenómeno desportivo, têm o dever e o direito de comandar a execução de “produtos”/”conteúdos” desportivos à altura das expectativas das audiências, usando a UEFA apenas e só como instrumento de regulação dessa oferta e meio de promover o futebol à escala continental.

Entendemo-nos bem?   

Viva o Benfica!

24 comentários:

  1. Naturalmente, as verbas envolvidas, iriam permitir reforçar o nosso Plantel de forma a podermos lutar pelos 1os lugares.

    Qt a termos jogos de 1ª 2 vezes / Semana seria interessante se fosse possível jogarmos sempre no Sábado no nosso Estádio e fazer os jogos fora todos à 4ª Feira. Certamente q seria difícil de acontecer mas se fosse possível teríamos o Estádio sempre cheio, mesmo q desse o jogo em directo na TV.

    O > elogio q se pode fazer à actual Direcção é q o Clube está preparado para essa competição!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu Caro Francisco B, Companheiro,

      Ainda é cedo para pensar nos detalhes da competição, mas será bom que a idealizemos como uma "substituição" simultânea de 2 provas: os campeonatos nacionais (país por país e para as equipas envolvidas) e a própria antiga Champions.

      Por isso, não custa admitir que possam existir 46, ou mesmo 50, jornadas (24 ou 26 equipas participantes, respetivamente), o que implicará semanas com 2 jornadas.

      O fundamental é que, nas semanas de 1 só jornada, ela se cumpra ao fim de semana, para cortar definitivamente com a antiga rotina de participação nos campeonatos nacionais internos, além da própria antiga CL.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
    2. Uma coisa que ninguém fala o novo ranking.para entrar na nova liga dos campeoes o que vai contar e o ranking de cada clube na competicao taça/liga dos campeões desde o inicio.por exemplo a carneirada mesmo que seja campeao tera de disputar o play of.disto ninguem fala.o glorioso esta descancado tem seis finais estas finais vao dar muitos pontos para o novo ranking.

      Eliminar
  2. Mas há algum novo indício de que uma Superliga possa existir a curto prazo?

    É que isto já foi discutido tantas vezes. São décadas de conversa, mas nunca aconteceu nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Companheiro "Pica-miolos",

      Há indícios e muitos, ou não aconteceria esta sucessão de artigos sobre o assunto, em toda a média europeia e na mérdi@ nacional também.

      Talvez ainda dê tempo para lutarmos pelo penta, mas olha que não me importava nada se o Glorioso perdesse essa possibilidade por este motivo (ir disputar o CEC).

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
  3. Uma correção: A BPL não existe, existe sim, a EPL, ou seja, English Premier League. Não existe Primeira Divisão Britãnica, existe a inglesa, a escocesa, a irlandesa (do norte). Não sei se existe em separado a Galesa, pois os clubes de Gales competem na inglesa.

    Um anónimo ignorante que veio aqui sacudir a pena.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Caro anónimo, umas vezes pavão, outras mais cuco, mas sempre, sempre, sacudindo as penas (que também são lamentos),

      Obrigado pela correção, mas, afinal, em que ficamos?
      Talvez em England and Wales Premier League, ahahah.

      Não importa o que tu escreves, porque uma coisa é garantida: não serve para nada.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
    2. Tambem existe uma premier league galesa que so foi formanda em 1992. ALguns clubes decidiram ficar nas ligas inglesas, enquanto mudaram-se para a liga galesa.

      Eliminar
    3. Albuquerque, é que desta vez nem uma peninha deixaste aqui para o menino. A despachar talibans desta maneira acabavas com a guerra no Afeganistão em 20 minutos. O tempo de sair do avião e passar na alfândega.

      Eliminar
    4. Obrigado pela correcção/acrescento, não tinha a certeza e quando não se tem a certeza não se inventa. Só os "iluminados" o fazem (há actuários que também o fazem).

      Como diria António Aleixo:

      Eu não tenho vistas largas,
      Nem grande sabedoria,
      Mas dão-me as horas amargas
      Lições de filosofia.

      Um Anónimo que vem aqui sacudir a pena, mesmo não servindo para nada.

      Eliminar
  4. Você não é um ignorante. É apenas um viajante no espaço à procura de reconhecimento por tal sabedoria.

    Um anónimo envergonhado que sonha chegar ao seu QI.

    ResponderEliminar
  5. Companheiro, felizmente que o Benfica é tão grande que cabe cá tudo.
    Infelizmente no tudo lá aparecem os Tonys desta vida, que gostam de ser "isentos" e "concensuais".
    Traduzindo para bom Português, ou são demasiado ingénuos para viver nesta sociedade, ou estão agarrados aos tachitos que vão tendo na comunicação social, e sabem bem o que têm que ir dizendo para agradar a quem lhos dá.

    E podemos sempre contar com estes, e com o desmedido tempo de antena que vão ter, quando for preciso tentar boicotar ideias que sendo do mais alto interesse do nosso clube, sejam prejudiciais para o interesse dos dragartos.
    É por isto que eu prefiro 1 Pedro Guerra a 1000 Pedros Ribeiros e restante grupo de "isentos".

    Sobre o assunto que abordas, não é um projecto fácil de lançar.
    E teria que ser um campeonato mais preocupado com o espetáculo e menos com a competição.
    Ou seja, mais com o negócio e menos com o desporto.
    Mais com o modelo Americano, com um quadro fixo de equipas, e menos com o modelo Europeu, em que as equipas aparecem e desaparecem de acorco com o seu mérito desportivo.

    Não sei se estamos preparados para isto, e sei que eu não estou.
    Agora sou um absoluto defensor de uma Liga Ibérica. Seria bom para nós, que manteriamos a rivalidade competitiva com outras equipas portuguesas, sem falar das óbvias questões financeiras, e seria bom para as equipas espanholas, em especial o Barcelona por questões políticas, mas também para todas as outras por questões financeiras, uma vez que estamos a falar de um aumento de 25% na procura doméstica actual, e talvez mais do que isto na procura externa.

    Isto dependeria apenas da vontade das duas Federações de futebol, que só por verdadeira inêrcia ou profunda estupidez não vão ao menos lançando o assunto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caríssimo Manuel Afonso, Companheiro,

      Quanto ao Nosso Tony, não foi a primeira vez, nem vai ser a última: ele tem tanto de Benfiquista (eu sou testemunha) e de Homem Bom, como de ... nem sei como qualificar.

      Quanto ao CEC, o que está em causa à escala continental é se sim, ou não, os clubes deste lado da Mancha vão permitir que a BPL (ou EPL) conquiste o mercado mundial das transmissões televisivas e o CEC é a única alternativa capaz de impedir essa realidade, com ela competir e ... substituir, enquanto conteúdo televisivo do melhor Futebol no planeta.

      A tua sugestão ibérica poderia ter sido, há 20 anos, um conceito vencedor, mas hoje já não acrescentaria valor ao que já existe. Pelo menos é o que dizem os analistas.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
    2. Os "isentos e concensuais"q conheço,são "todos" do Belenenses,mas puxam pelos lagartos,nas horas vagas.

      Eliminar
    3. A isenção desse Pedro Ribeiro é falar mal do SL Benfica e gozar com os seus antigos jogadores. Fica bem ao tipo que tem mais tempo de antena e ainda mete os seus amigos paineleiros em êxtase com o gozo aí produzido.


      Miguel

      Eliminar
    4. Caro Albuquerque, confesso que não estou muito preocupado com a questão do mercado mundial das transmissões televisivas.
      A vantagem da liga Inglesa é o mercado asiático, que souberam trabalhar em tempo útil.
      E até por motivos históricos, duvido que se consiga competir por esse mercado mesmo aplicando o modelo que defendes.
      Mais, estou convencido que com o bum que o futebol Chinês está a ter, e vai continuar a ter, esse será um comboio que já saiu da estação e quem não o apanhou vai mesmo ficar em terra.

      Desconheço esse estudo e agradeço a tua informação. Mas continuo a achar que ao menos para o Benfica, e para a nossa competitividade a nível europeu, seria uma ideia a não descartar.

      Eliminar
  6. E,na eventualidade dessa competição suceder em 2019, como se deveria atuar relativamente aos direitos televisivos, nomeadamente com o acordo com a NOS?

    E pluribus unum!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Superaguia1904, Companheiro,

      Qualquer Jurista te poderá explicar que não há nenhum contrato a longo prazo que não inclua uma cláusula do tipo "force majeure".
      Claro que as partes envolvidas terão de renegociar os termos antes acordados, mas, nota bem, olha que, pelo menos à partida, até se poderia admitir que o atual contrato iria permanecer, uma vez que o seu objeto também permanece (transmissão dos desafios da Liga NOS realizados na Catedral).
      A diferença estará que deixa de ser a Nossa Equipa de Honra a disputar esses desafios.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
  7. Caro José,

    O que tenho ouvido falar, é de uma Champions League só para os mais ricos. Do CEC não vi nada ainda. Pode colocar aqui alguns links para essas notícias?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Companheiro António Viegas,

      São uma e a mesma coisa, o CEC e essa tal "Champions dos ricos".
      Se fores pelo google, encontras dezenas de textos só nas 2 últimas semanas e vais ver que se trata de uma nova competição, juntando os clubes mais representativos da Europa, que será disputada na forma de "liga", ou seja: a duas voltas e todos contra todos.

      Eu não posso dar mais detalhes (até porque não há nada definitivamente aprovado), mas tenho informações (e não serei só eu, dado o enorme número de artigos recentemente publicados sobre o assunto), por via de um enorme Sponsor, que sugerem que o projeto já está muitíssimo adiantado.

      Foi por este mesmo motivo que me pareceu oportuno recordar o tema, mas já percebi que a malta está como S. Tomé, ahahah.

      Viva o Benfica!
      (José Albuquerque)

      Eliminar
  8. Enorme José; mas que enorme texto aqui nos deixas para reflexão. Que bem nos entendemos.

    ResponderEliminar
  9. Caro Guachos,

    Pensando bem até era uma boa ideia, por exemplo substituir as duas competições LC e LE, por duas ou três competições em modo de campeonatos com subidas e descidas. A parte financeira é que tinha que ser muito bem pensada para permitir a clubes como o Benfica ter uma equipa A (europa), B (1ª Liga) e C (2ª Liga). Relembro que nos primordios o Benfica chegou a ter 4 equipas e venciamos nas categorias todas.
    OFF TOPIC: Em vez do video-arbitro podiam era alterar algumas leis do jogo, isso sim melhorava o espetáculo, por exemplo, limitação de faltas por equipa e por jogador, introdução de novos carões, possibilidade de mais substituições mas sem o jogo parar, penalização por jogo passivo do tipo, perdas de tempo, sumulação de lesões, etc. Muito disto já existe noutras modalidades é incompreensivel como não adaptão algumas também ao futebol.

    Saudações Gloriosas,
    Jonas52

    ResponderEliminar
  10. Este é um tema muito importante não só para o Benfica, obviamente, mas para o futuro do futebol tal qual o conhecemos.
    Confesso que sou um romântico do futebol, adoro o jogo e sei que ele está desvirtuado pelo capital, mas a estar no comboio, não há mesmo nada a fazer, pois ele vai a grande velocidade e não há como pará-lo.
    A verdade é que se trata de um futuro inevitável. A pressão do capital é tão grande que o futuro passará mesmo por uma alteração no modelo da CL e, não sei a que prazo, a uma liga nos moldes adiantados pelo caro José.
    Há dois fatores muito importantes para que isto seja praticamente inevitável e que já aqui foram abordados: o valor da Liga Inglesa, sim, mas também as apostas (penso que a maioria das pessoas não faz a mais leve ideia do dinheiro que se transaciona aí em cada minuto) e... a China.
    Estes dois fatores vão delinear os contornos da futura maior competição de futebol à escala planetária.
    O que me deixa orgulhoso, além do facto de a nossa gloriosa história nos permitir estar presentes nessa competição, é, tal como disse o FranciscoB, que o Benfica criou as bases e está em condições de agarrar nesse futuro com unhas e dentes e ocupar o seu lugar de gigante entre gigantes!
    Juntos, lá chegaremos!

    ResponderEliminar
  11. Excelente texto grande José, parabéns. Já ontem o pequenininho rectângulo era pequeno demais para o Benfica.
    Faço votos para que os moldes do futuro sejam mais ou menos estes e sobre os quais estou absolutamente de acordo.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.