quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Valorizar Atletas e crescer em competitividade

Por José Albuquerque

A partir do momento em que o CA da Nossa SAD reconhece a sua incapacidade, estrutural e a longo prazo, para competir salarialmente com os mais fortes clubes europeus, só tem dois caminhos a seguir: (1) continuar a lutar por uma crescente competitividade económica e (2) construir uma politica desportiva capaz de minimizar os impactos de uma sangria regular dos Atletas mais valorizados. Caso fosse possível (e é, de facto), essa politica desportiva deve promover uma maximização dos proveitos ‘extraordinários’ da rubrica de “Operações com passes de Atletas”.   

Todos somos testemunhas daquilo que a SAD tem feito com este exacto objectivo, quer concordemos ou não, mas existem Companheiros que entendem que o caminho deveria ser outro: a uma politica que passa por aumentar a ‘base de selecção’ dos Atletas, eles preferiam uma concentração dos recursos em valores mais confirmados e/ou seguros.

Partindo do principio que, uns e outros, visam o mesmo objectivo, um objectivo que eu vou definir como “aumentar-lhes o número de alvos possíveis”, teríamos, assim, dois caminhos alternativos:

1 Ou apostar maioritariamente em jovens Atletas, alguns mesmo ainda em idade júnior, consequentemente mais baratos e aumentando a quantidade de Atletas sob contrato;
2 Ou apostar maioritariamente em Atletas ainda suficientemente jovens para preservarem potencial de valorização, mas de valor já confirmado, diminuindo a quantidade de Atletas sob contrato.  

Num e noutro dos casos, admito que possam ser idênticas quer a determinação em não desperdiçar eventuais oportunidades de mercado, relativas a Atletas completamente confirmados (os Nolito, Sulejmani, Enzo, Matic, Mora etc.), quer o investimento decisivo na “Fábrica”, garantindo que as aquisições externas, por maior que seja o seu número, não inibam a SAD de manter contrato com todos os seus “produtos” aos quais os Técnicos reconheçam um significativo potencial, pelo menos até aos 23 anos de idade.

Se já se torna difícil definir estas duas alternativas, menos fácil se tornará executar uma em detrimento da outra, excepto numa consequência bem especifica: aceitar como quase ilimitado o número de Atletas sob contrato, o que implica a consolidação de uma estrutura mais pesada de “gestão destes activos’, ou, em alternativa, tem inerente o risco de algum ‘mau acompanhamento’ de Atletas que, sendo muito jovens, talvez necessitassem de se manter menos longe da Catedral.

Sem cair no logro de me perder na análise de casos particulares (não deixemos que “a árvore esconda a floresta”), eu considero que as opções estratégicas da Nossa SAD têm sido corretas e bem adaptadas ao período que vimos vivendo desde que, há meia dúzia de anos, ficaram completados os mais importantes investimentos estruturais, resultando num processo que, na minha humilde opinião, confirma um progressivo aumento do nível médio dos Atletas no Plantel e, também, o tal “aumento do número de alvos possíveis” para os chamados “tubarões do mercado”.
Concomitantemente, vemos crescer o número de atletas que, mesmo sem conseguirem cumprir as melhores promessas de evolução, já atingem níveis de competência que os tornam atractivos para clubes importantes (Rosa, Vítor, Yartey, David Simão, etc.) e, consequentemente, contribuem para o crescimento da Nossa “marca”.

Internamente no Plantel, há mais um factor que pode contribuir de forma determinante para a redução dos “riscos desportivos” decorrentes da valorização e saída dos Atletas mais cobiçados: a existência do maior número possível de “polivalentes”.
Eu pertenço ao grupo dos que acreditam que os melhores futebolistas têm de ter, por ordem de prioridade, “técnica” (quanto mais melhor, se possível com os 2 pés), inteligência e capacidade atlética (velocidade e resistência): um Atleta que seja excelente nestes 3 itens, com a adequada integração tácita, é capaz de fazer qualquer posição de campo, depois de devidamente rotinado e integrado na Equipa.
Isto é outra forma de explicar porque me faz tanta ‘espécie’ quando leio pedidos de “um trinco de raiz”, por exemplo (ou qualquer outro “de raiz”), porque tenho uma particular preferência por Atletas que sabem “ler o jogo” e que são ‘polivalentes’, mesmo ocupando a mesma posição de campo.
Uma Equipa com muitos elementos capazes de se integrarem em diferentes posições, fica muito menos exposta a eventuais ‘baixas’ sejam elas pontuais (em caso de lesões) ou definitivas (em caso de “saídas”).
Uma mais perfeita integração técnica entre as diversas Equipas do Clube (A, B, e escalões jovens), promove a polivalência dos Atletas mais jovens e, assim, defende e prepara a Equipa principal para melhor resistir, com menor oscilação de rendimento, ás naturais saídas de alguns Atletas. 

Eu sou um grande adepto da célebre frase “o Benfica tem tudo, só não tem comparação”. Ainda assim e num esforço pedagógico, vou permitir-me a liberdade de usar, como exemplo, uma imagem um pouco disparatada: vejam a Equipa como se fosse uma “galeria de arte” que, em cada momento, pode e deve apresentar exposições (conjuntos específicos de peças) diferentes e que, de quando em vez, sabe que vai vender partes do seu espólio, como forma de manter o crescimento do valor das obras que mantem e ainda poder adquirir mais algumas. 
Se vos não agradar esta imagem, vejam o Plantel como se fosse o “Cirque du Solei”, mantendo em permanência “artistas” que não cabem nas suas actuações, que continuam a treinar e/ou inventar novas “performances” que possam vir, eventualmente, a integrar futuros espectáculos. Pontualmente, uma e outra das principais “estrelas da companhia” abandonam o conjunto em busca de outros desafios, competindo ao conjunto dos que continuam a tarefa de refazer o guião dos novos espectáculos, de forma a manter (e melhorar, se possível) o nível qualitativo dos mesmos.

Este processo não tem nada nem de simples nem de fácil, mas constitui um desafio que temos conseguido vencer e, até pela experiência já adquirida, temos todas as condições para continuar a superar, sem comprometer a desejada evolução geral da qualidade da Equipa e dos seus resultados desportivos (e económicos claro).

Viva o Benfica!         

17 comentários:

  1. Hoje estou demasiado preguiçoso para grandes tiradas.
    Vou aproveitar esta frase e aproveitá-la inteiramente para mim. É que está aí tudo o que penso sobre os jogadores e das suas capacidades...
    depois, é só ter um treinador que pense da mesma maneira. O problema é que são poucos a pensar assim e basta ver os (pobres) comentários que fazem quando em actividade ou como comentadores (uma miséria franciscana)

    citando...
    «Eu pertenço ao grupo dos que acreditam que os melhores futebolistas têm de ter, por ordem de prioridade, “técnica” (quanto mais melhor, se possível com os 2 pés), inteligência e capacidade atlética (velocidade e resistência): um Atleta que seja excelente nestes 3 itens, com a adequada integração tácita, é capaz de fazer qualquer posição de campo, depois de devidamente rotinado e integrado na Equipa.
    Isto é outra forma de explicar porque me faz tanta ‘espécie’ quando leio pedidos de “um trinco de raiz”, por exemplo (ou qualquer outro “de raiz”), porque tenho uma particular preferência por Atletas que sabem “ler o jogo” e que são ‘polivalentes’, mesmo ocupando a mesma posição de campo.
    Uma Equipa com muitos elementos capazes de se integrarem em diferentes posições, fica muito menos exposta a eventuais ‘baixas’ sejam elas pontuais (em caso de lesões) ou definitivas (em caso de “saídas”)» fim de citação

    Exactamente o que eu penso sobre o assunto...
    Andas-me a 'ouvir' os pensamentos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...não sei se não ponho a inteligência acima da técnica, mas dou-lhes igual importância...

      Eliminar
    2. Enormerrimo Guachos, Companheiro e Amigo,

      Compreendo a tua hesitacao, mas eu ainda consigo colocar a tecnica como prioritaria, porque ... sem ela (quanto mais melhor, seja para um PL, um DC ou, ate', um GR), nada feito!

      Claro que um excelente Atleta que seja incapaz de entender o futebol (os posicionamentos, ele e dos colegas), tambem serve de muito pouco (passé o exagero, poderiam ser os casos do Nolito e do Rosa).

      Viva o Benfica!

      Eliminar
    3. Excelente comparação; Nolito, que o Miguel conheço quase zero...
      Nunca fui fã do Nolito e levei muitas vezes na cabeça por causa disso.
      Felizmente que o treinador do Benfica, também 'ouve' os meus pensamentos...Heheheeh!

      Eliminar
  2. Guachos é só para informar que o atrasado mental do poeta ricardette fez um post sobre si no seu curral (Ontem...). Zurra sobre o Roberto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço o aviso mas há muito que passei a usar a sanita sempre que tenho necessidades fisiológicas...não visito o local.

      Um local desses só se visita por duas razões; por puro masoquismo ou porque não se consegue chegar à sanita mais próxima.

      Naquela cabeça só entra pó - nas suas mais variadas formas.
      Quando ligada ao intestino, o que acontece frequentemente - sai merda.

      Eliminar
    2. Guachos,

      Chanaste "cool" ao B Cool, agora levaste com a ciumeira, lol

      Eliminar
  3. Boas,

    li a noticia e tinha que comentar: http://www.slbenfica.pt/noticias/detalhedenoticia/tabid/2788/ArticleId/30878/language/pt-PT/Helder-Conduto-Luis-Costa-Branco-e-Joao-Martins-integram-redaccao-da-Benfica-TV.aspx

    finalmente iremos deixar de ouvir aquelas 2 criaturas comentar os nossos jogos :)))
    que sao benfiquistas nao se duvida, mas são mauzinhos são

    ResponderEliminar
  4. Caro José Albuquerque,
    Em teoria poderia até defender essa opção. A prática leva-me à conclusão que está a ser mal implementada. As mais-valias das valorizações têm sido consumidas em muitas contratações sem sentido. Sim, o plantel hoje tem um valor muito superior ao que tinha há uns anos e claramente superior ao valor contabilístico.

    Porém casos como os do Bruno César (menos-valia na venda) ou do Nolito (reduzida mais-valia de um dos jogadores mais eficazes do Benfica, por muito potencial que tenha Ola John, o rendimento é muito inferior) e espero que não mas o Pizzi tem tudo para ser igual (6M por 50% de um jogador que não tem lugar no plantel parece-me uma extravagância pouco aceitável, ainda para mais incluída no "negócio" Roberto), mostram que há um ânsia de contratar novos valores todos os anos para certas posições que estão bastante bem servidas.

    Depois há que contar com os jogadores que são adquiridos mas que só darão retorno desportivo (Rui Costa, Aimar, Saviola) ou dos que pura e simplesmente são barretes caros (Balboa, Sidnei, Jara, Kardec), não contando com a grande multidão de barretes mais ou menos baratos.

    Deixo-te o desafio para procurares os valores da vendas e das aquisições e verás que não temos gerado assim tanto valor como seria de esperar. Assim sendo, acho que deveria de haver uma reflexão sobre o modelo de gestão de recursos humanos em vez de continuarmos nesta para mim absurda gestão de compras e vendas infindáveis.

    Será que faz sentido que a generalidade dos nossos melhores valores da formação sejam dispensados a custo zero ? Será que ali não há um pingo de talento que possa ser potenciado pelo Jesus ? Ou será que o talento é um exclusivo dos jogadores estrangeiros ? Se assim o é, porque investimos no CFC ?

    Será que faz sentido condenar um jogador saído dos juniores a jogar 5 épocas na segunda divisão ? Ou emprestar jogadores jovens para clubes onde a concorrência é enorme e não podendo eles desempenhar logo a top são condenados eternamente ao banco ?

    Acho que se têm perdido alguns valores da nossa formação nos últimos anos, pelo deficiente acompanhamento da transição de juniores para o futebol profissional e ao contrário do que possam pensar não foi só com jesus, porque simplesmente não se aposta nos jogadores portugueses formados na casa, sendo que as excepções apenas ocorrem por lesões/falta de outros jogadores para as posições.

    Eu sou mais favorável a um modelo diferente, menos apostas externas para valorização e mais aposta na qualidade da detecção e formação de jovens no CFC. E esta aposta tem que ter continuidade e não só na equipa B, é fundamental dar estímulos crescentes aos jogadores e o plano de formação deverá apontar para empréstimos dos jovens a equipas da primeira liga após a passagem pela equipa B.

    É óbvio que só os melhores poderão ascender à equipa principal, mas alguém tem que ascender, porque só assim é que se motivarão os jovens bons valores a vir jogar para o Benfica. Se isso não acontecer, mesmo que o Sporting tenha piores resultados, qualquer bom jogador entre Benfica e Sporting escolherá sempre eles pois sabe que depois da formação terá sempre oportunidade de jogar na equipa principal ao contrário do que acontece connosco.

    Esta redução de aquisições permitiria libertar recursos para centrar os investimentos em jogadores tipo Salvio ou Markovic em vez de Mitrovic, Deyverson, Correa e outros que tais.

    ResponderEliminar
  5. B Cool, acho terrível ver alguém do teu calibre comparar Nolito a Ola Jonh.
    Nolito é um jogador aguerido, porém básico, sem classe, sem rigor táctico, pouco inteligente e que nunca passará da cepa torta. Precisamente o contrario de Ola Jonh.
    «jogadores que são adquiridos mas que só darão retorno desportivo» serão sempre necessários numa equipa competitiva a nível internacional e barretes não equipa no Mundo que não os enfie...

    O problema de os nossos melhores valores da formação serem dispensados a custo zero é que os nosso melhores valores são simplesmente muito fracos. Infelizmente na maioria dos casos são tão fracos que dá pena.

    5 anos na segunda divisão passa um tipo que por variadíssimas razões tem pouco valor futebolístico. A menos que ande toda a gente a dormir. Não há um único jogador saído das camadas jovens que tenha sido dispensado que se tenha revelado noutro clube. Por falta de qualidade.

    No Sporting saíram ainda jovens, para não falarmos em Futre, Figo, Simão, Ronaldo, Nani...Bruma...
    Também saíram outros que nada deram, tais como, Peixe, Porfirio, Poejo, André Santos, Carriço que até Bento levou à selecção, etc...etc...
    A razão? falta de qualidade. No Sporting como no Benfica, em Portugal ou na China, a qualidade fará sempre a diferença. Ou há ou não há. E no Benfica não tem havido.

    O Benfica que contrate Bruma (ainda um jovenzinho) a ver se o moço não se revela um craque...

    ResponderEliminar
  6. guachos... só achei mal estares a dizer que o porfirio nao tem qualidade... nao percebo, era 1 jogador tao bom, ao nivel tambem do peixe que era tambem muuuuuuuito bom hahaha :D terriveis esses senhores hahah

    ResponderEliminar
  7. Companheiros B Cool e Guachos,

    Antes de mais, o meu Obrigado a ambos, por demonstrarem interesse pelo tema e pelo que sobre ele escrevi.

    Saibam que eu nao sinto ter 'verdades definitivas' sobre tudo isto e foi com muita humildade que, uma vez mais, abordei os assuntos. Concordo aom algumas das vossas posicoes e discordo de outras, pelo que, com o desejavel acordo de ambos, prometo regressar ao tema, servindo-me dastes vossos comentarios.

    Em termos telegraficos, deixo aqui algumas ideias:

    1 Quando tu, B Cool, referes a grande melhoria do nivel global do Plantel (entendido como o conjunto de todos os Atletas sob contrato), estas a reconhecer a validade da Gestao Desportiva, Formacao incluida; claro que podemos (e devemos) ambicionar ainda melhor, quer do ponto de vista desportivo, quer do economico;

    2 Mesmo sem querer olhar para exemplos individuais, discord que o "barril" tenha gerado uma imparidade (e nao haveria problema nenhum, caso assim fosse), porque nao podemos esquecer nem o period de amortizacao contabilistica ja decorrido, nem o contributo desportivo do Atleta;

    3 Sobre o Pizzi (e o Roberto), pelos motivos que ja conhecem, eu nao escrevo uma palavra;

    4 Reafirmo que a avaliacao deste (ou de qualquer outro) modelo, so' se pode fazer na globalidade, admitindo que o elemento "risco" implicara', sempre, a existencia de exemplos individuais de todo o tipo, dos melhores aos piores e esperando que a Nossa "Estrutura" tambem vai ser capaz de evoluir e melhorar a eficiencia;

    5 Reafirmo a opiniao de que o investimento na "Fabrica" (desde as Escolas e o "Geracao Benfica", ate' a Equipa B) nao pode depender de resultados 'anuais' e so' podera' ser medido por ... decadas (estando a primeira ainda a decorrer e com sinais crescentemente promissores);

    6 Nao estou de acordo que a principal motivacao de um jovem Atleta seja o sonho de poder "entrar" na primeira Equipa do Clube ... (infelizmente ?);

    7 Alerto para o facto de uma "Politica Desportiva" (ou de Aquisicoes, se preferirem), nao se extinguir em aspetos individuais, por que 11 (ou 18, ou 25) Atletas excecionais nao grantem uma boa Equipa; nao esquecam nunca que quem pode valorizar os Atletas, individualmente considerados, e', exatamente, a Equipa;

    8 Quando o Guachos referiu as "6 perolas" da osgalhada, englobou cerca de 3 decadas de 'producao da academia de alcoshit', mas so se conseguiu lembrar de meia duzia de nomes entre os quase mil (25 a 30 por epoca) que de la' sairam ao longo de todos esses anos;

    Companheiros,

    Ha umas poucas semanas, fonte segura confirmou-me que o projeto Escolas + Geracao Benfica ja ultrapassou as 3 mil criancas a aprenderem a pratica do futebol, com todas as melhores condicoes desportivas, mas, a uma escala global, este impressionante numero nao passa de um grao de areia, comparado com as dezenas de milhao que o fazem (a maioria sem condicoes, bem sei) em todo o mundo.

    Estamos a falar de um tema verdadeiramente inesgotavel.

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar
  8. Breves notas:

    Guachos, quando referes que o Nolito é pouco inteligente, está aí a grande diferença entre a forma como vemos o futebol. Quanto ao Bruma acreditas mesmo que é um jovenzinho ?

    José Albuquerque, se reconheço a melhoria da equipa principal, não reconheço melhorias na nossa formação, pois mesmo nos anos "maus" formámos jogadores como maniche, manuel fernandes ou joão pereira. Hoje em dia quem se aproxima do nível desses 3 ? Eu conheço vários, mas o péssimo, vou repetir, péssimo acompanhamento da transição de juniores para seniores faz com que certos jogadores tenham perdido vários anos e por isso vês jogadores como sílvio ou miguel lopes que são apenas razoáveis, mas fora do Benfica conseguiram chegar longe, que poderiam ser muito melhores do que o são, mas perderam anos em clubes de 2.ª e 3.ª divisão. O mesmo se passa com o andré carvalhas, um dos melhores da geração dele e noutra escala com o miguel rosa. Espero que quer o Bernardo Silva, quer o Gonçalo Guedes não tenham esse acompanhamento, pois a acontecer isso, perder-se-ão dois dos potenciais jogadores de to da selecção nacional daqui a 8 ou 10 anos.

    Quanto ao Barril, veio num dos últimos relatórios a admissão da menos-valia, se quiseres posso procurar e especificar. Quanto à nota 6 de acordo, mas sem ser o objectivo último é um objectivo intermédio determinante para atingirem o objectivo último e portanto se isso lhes estiver vedado, facilmente irão para outra freguesia.

    Tiras o Futre e o Figo, juntas os João Moutinho, o Miguel Veloso, o Rui Patrício, o Carlos Martins e o Varela e já tens não sei quantos mais que são internacionais e o prazo em vez de 30 passas a falar de 15 anos. Mas mais, o Sporting tem mais 5 ou 6 jogadores que num prazo de 5 ou 6 nos vão firmar-se como titulares da selecção e que se o Bruno de Carvalho souber gerir bem permitir ao Sporting voltar ao modelo de vender a formação, enquanto se for parvo e forçar a mão como tem feito com o Bruma e com o Illori perderá vendas interessantes.

    Não questiono o projecto Escolas + Geração, obviamente desde que exista capacidade de selecção, quanto maior for a quantidade, maior será a probabilidade de se detectarem futuros craques. A questão passará sempre por saber se esse talento é aproveitado e potenciado ou se a equipa B é o fim de linha ?

    Podem sempre falar que os titulares estão a um nível muito superior, mas a questão é saber se esses miúdos podem ou não complementar o plantel e serem potenciados como são os jovens estrangeiros. Teve o Nélson Oliveira as mesmas oportunidades que o Rodrigo ? No campeonato do mundo de sub-20 que ambos disputaram o Nelson foi considerado o segundo melhor jogador do torneio atrás, salvo erro, do Philipe Coutinho. E o Miguel Rosa que na sua formação era 8 ou 10 e nem foi promovido como foram o André Almeida ou o André Gomes, apesar de estar a um nível superior ?

    Concedo que ainda falta mais algum tempo para avaliar a formação na sua plenitude, mas ver apostas em jogadores como o Roderick ou até o cepo do Luciano Teixeira que foi levado ao Qatar com a equipa principal e ver alguns dos mais talentosos e inteligentes jogadores do Benfica saírem sem qualquer compensação pela sua formação (alguns até pertenciam ao BSF) deixa-me muitas reservas sobre o que se entende sobre o aproveitamento da formação.

    Espero muito sinceramente que esta integração da equipa B com a principal sirva para potenciar esse mesmo aproveitamento da formação, em vez de servir para promover jogos como o da Taça de Honra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enorme B Cool, Companheiro,

      Obrigado, de novo, por continuares a alimentar este debate e com bons argumentos.

      Correndo o risco de algum simplismo e usando de uma liberdade que (provavelmente, ahahah) me nao darias, vou tentar sintetizar o teu "modelo ideal":
      1 Existe um numero limite de Atletas sob contrato (um qualquer, nao discuto qual);
      2 O percurso de "formacao" deve levar os melhores "produtos" ate a Equipa B e esta so admite 'externos' para suprir as falhas graves; e
      3 As segundas opcoes na Equipa A devem ser supridas por Atletas vindos da "Formacao".

      Estou proximo do teu modelo (passé o exagero da necessaria simplificacao)?

      Entao aqui vai o meu "modelo ideal", por comparacao:
      4 Nao deve existir limite para o numero de Atletas sob contrato;
      5 Uma vez que a condicao essencial para uma boa transicao de Junior para Senior passa por "competicao" (competir em campo, ou, no minimo, para as convocatorias), oa SAD deve tentar colocar todos os Sub-20 (recem Seniores aos quais seja reconhecida qualidade potencial) em equipas que lhes possam proporcionar essa condicao (se for a Nossa Equipa B, tanto melhor);
      6 Admissoes na Equipa A de "produtos da formacao", antes dos 23 anos, submetidas aquela condicao competitive;
      7 Admissoes na Equipa A de "produtos da formacao", a partir dos 24 anos, em pe de igualdade com todos os outros atletas existentes no Mercado (com a natural preferencia de ja ca estarem e de conhecerem o Clube e o pais).

      Nao sei se reparaste que o teu modelo se 'esgota' em poucos anos, sendo as 'vagas' limitadas, quer na Equipa B (umas 30, no maximo) e sobretudo na Equipa A (talvez umas 10). Ou seja, tarde ou cedo vais ter de os deixar "sair" e faze-lo nas condicoes que eles conseguirem merecer no Mercado.

      Eu insisto em 'fugir' dos exemplos individuais e tambem nao quero ir pelo caminho das comparacoes, seja com que outro clube for, mas, juntando todos os nomes citados de atletas ainda em atividade, so existem 2 que eu gostava de ver na Nossa Equipa A (ou, melhor dizendo, nem sequer gostava de la os ver, embora reconheca que possuem a qualidade mais que suficiente); obviamente, penso no CR7 e no "mortinho".

      Reconheco que a situacao economica do Grupo, sobretudo no atual quadro macroeconomico, recomenda todas as cautelas e sugere a reavaliacao de todos os riscos, mas tambem sublinho o facto de, pela experiencia das epocas mais recentes, a SAD ter conseguido 'rentabilizar' grande parte dos Atletas sob contrato, conseguindo um volume de Proveitos absolutamente surpreendente (esta de 400 milE pelo emprestimo de 1 ano do Michel, ahahah).

      Antes de terminar e mantendo a promessa de revisitar esta tematica no future proximo, permite-me uma so nota adicional (nao me leves a mal, Companheiro, por favor): as tuas avaliacoes comparativas de Atletas ... 'arrepiam-me', ahahah.

      Comparares Nolito e Ola John ja' tinha sido 'violento' (ate te esqueceste dos 5 anos de idade que os separam), mas comparares o Nelson Oliveira com o Rodrigo (pelo qual, de fonte segurissima, a SAD ja recusou uma oferta de 16M de libras esterlinas) ... nem sei o que te diga.

      Olha, com toda a simpatia, sugiro-te que consultes alguns blogues especializados (nao Benfiquistas) e, depois, pensa melhor.
      Acredita que eu fui um incondicional do Nelson durante todo o seu percurso nos Juvenis e Juniores, assim como espero, ardentemente, por uma confirmacao definitiva de todo aquele talent potencial que eu lhe reconhecia, mas ...

      Viva o Benfica!

      Eliminar
    2. Que imagines o Nolito um tipo inteligente a jogar futebol já acho estranhissimo numa pessoa do teu calibre, mas achares que pode ser comparado em classe a Ola Jonh decepciona-me totalmente.
      Nolito tem escola e boa, por isso é que por vezes toma algumas boas decisões - força do hábito. De resto é uma confusão táctica e técnica que até faz aflição.

      Bruma não sei!!!Agora deixaste-me a pensar do caso! Mas, se tiver apenas 18 anos é um craque acima da média. Nem hesitava um segundo em contratá-lo.

      Rodrigo é tão superior a Nelson Oliveira que até doí. Tomara que fosse ao contrario. Nelson, e repara que desde sempre o digo, não me parece ser jogador para o Benfica. Mas tomara que me engane e que ele venha a ser tudo o que dizem que é.

      O Miguel Rosa não sei. Tenho conhecimento do moço porque ao navegar pela internet, sei que existe uma espécie de Messi, perdido pelas divisões inferiores, um injustiçado que infelizmente, até agora, nenhum dos tubarões europeus conseguiu descortinar.

      A sério; tenho de o ver jogar a ...sério, para poder dizer algo de concreto.

      As comparações do europeu (Nelson/Rodrigo) sugiro-te que consultes o historial dos considerados melhores nesse tipo de torneios e vais ver a quantidade de rapaziada que não cumpriu as 'promessas' feitas...

      Eliminar
  9. A minha pergunta é, ser trabalhado 3 anos por Jorge Jesus assegura o mesmo nível de evolução que apenas ser trabalhado um ano ?

    Não digo que Rodrigo e Nelson estejam no mesmo patamar, digo que nos 3 últimos anos a diferença se acentuou exactamente porque tiveram níveis de trabalho, exigência e competição diametralmente diferentes. Não se pode comparar uma equipa que luta para descer na Liga Espanhola com uma equipa que joga na Champiosn (Depor-Benfica) ou ainda menos comparar o Paços que lutava para não descer com o Benfica. Quer os adversários, quer os treinadores, quer os colegas, quer a exigência dos jogos levaram a que o Rodrigo tivesse um nível de evolução, que não pode em momento algum ser comparado com o do Nelson, até porque as exigências e desafios que lhe foram colocados exigiram muito menos dele. Também Rodrigo não foi titular absoluto no Bolton e também o técnico do Bolton o queria manter como o do Depor queria manter o Nelson.

    Quanto ao Nolito é um dos jogadores mais inteligentes que jogou no Benfica e gostava que revissem os golos e assistências dele, mas mais que isso, as combinações com o Aimar para perceber que se entendiam na perfeição. Ora isso não acontecia com o Zanaki, esse sim um jogador muito menos inteligente embora compensasse com um melhor remate.

    A pergunta que fica e que fiz, foi se o Ola John teve melhor ou pior rendimento que o Nolito ? Não perguntei qual é melhor jogador, ou qual tem mais potencial, não era essa a questão, a questão era tão só de rendimento, comparem-no ...

    Eu olho para um modelo tipo Barcelona com as devidas adaptações. O modelo actual também tem originado o desperdício dos jogadores da formação, ou o seu não aproveitamento económico.

    Quanto ao Miguel, sinceramente, gostava de saber qual é o jogador que evolui jogando sempre na segunda liga. Se acham que ao fim de duas épocas o potencial de desenvolvimento do jogador não parou por falta de estímulos competitivos superiores, então é natural que olhem só para o que ele é neste momento e não o que poderia ter sido se tivesse tido outras oportunidades.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 3 anos com Jesus é o mesmo que um curso superior. Aí estamos de acordo.
      Também concordo genericamente com a ideia que tentas passar.
      O pior é quando vamos aos promaiores...

      Nelson Oliveira não tem (isto é apenas a minha opinião, que vale o mesmo que a tua ou de qualquer outro treinador de bancada) capacidade para jogar num grande clube como o Benfica. Acho-o pouco inteligente como jogador e não me parece (não tenho bases que mo garantam) que como pessoa o seja mais.

      Nolito (tal como carlos Martins) é daqueles jogadores que mais me irritam de ver jogar. Faz quase sempre o contrario do que o jogo pede. Passam quando dever prosseguir a jogada, rematam quando devem passar, defendem mal, perdem bolas em sítios proibidos quando a equipa está completamente descompensada, fazem faltas estúpidas que provocam golos e cartões, e expulsões...
      Um caos tacticamente. Não gosto e se fosse treinador nem perto de mim os queria.

      Nos intervalos, fazem coisas fantásticas, marcam golos que ninguém esperaria deles e o catano e o camandro. Repito; se fosse treinador não os queria ver perto de mim.

      Miguel Rosa já o disse milhentas vezes; nunca vi jogar e não percebo essa fixação no rapaz! Vai ser o jogador que mais vou estar atento sempre que vir jogar o Belenenses - basicamente sempre que defrontar o Benfica...se ainda me lembrar do rapaz.

      Eliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.