domingo, 22 de dezembro de 2013

Os passeios do clube da fruta e as "sobras" do Benfica - uma fraude absoluta

O nosso companheiro Manuel, visitante assíduo do GV, levanta um assunto importante, visando a forma canhestra como são ganhos grande parte dos títulos do clube da fruta. 
Alicerçados nos desbloqueadores de resultados (penaltis forçados, expulsões e foras-de-jogo não assinalados) não é menos verdade que os verdadeiros passeios que fazem quando defrontam determinados clubes, lhes dão o necessário descanso/balanço para fazerem, com perfeito à vontade, a gestão do plantel. 

Aliados às fracas prestações do Benfica (os bloqueadores de resultados em acção mas agora ao contrario) sempre lhes deu para que, com grande tranquilidade, pudessem chegar fresquíssimos às competições da UEFA...
No últimos anos - com o apertar do Benfica, sempre em cima, os resultados na UEFA nada têm a ver com épocas anteriores.
A excepção terá sido o ano de Vilas Boas, dos roubos incríveis que o Benfica foi alvo nas primeiras jornadas, deixando-o desde logo afastado do titulo. Tudo muito bem debitado na conta de Roberto, que assim validou uma liga Europa (campeonato e taça) na conta dos corruptos...

Vejamos; o Olhanense fez apenas 7 faltas durante o jogo com o clube condenado por corrupção - uma falta a cada 13 minutos. Se isto não é abrir as pernas...
Na semana anterior, o Olhanense tinha feito no jogo com o Benfica… 24 faltas! Uma falta em menos de 4 em 4 minutos minutos. Tudo com a complacência dos árbitros.

Na sexta-feira o Setúbal fez, contra o Benfica… 26 faltas! Tudo com a complacência do árbitro.
Para não falarmos nos descontos de tempo concedidos no fim do jogo. Se o Benfica está atrás do resultado, é seguro; são muito severos na contagem do tempo perdido - máximo 3/4 minutos.
Se pelo contrário, é o Benfica que procura segurar um resultado - transformam-se nuns mãos largas os homens do apito e é vê-los chegar aos 10 minutos (jogo como Olhanense) enquanto que as faltas marcadas contra o Benfica, perto das linhas laterais, nascem como que por milagre, à razão de uma por cada "respiro" mais forte em cima dos adversários...

Pergunta o nosso companheiro Manuel e pergunto eu também;

A diferença de motivação/agressividade nos jogos com o Benfica é devido a quê, exactamente? 
1) Pagamento aos adversários do Benfica? Seja através de dinheiro ou outro tipo de promessas. 
2) Árbitros avisados de modo a permitirem essa agressividade sem fazer grandes danos.
3) Trabalho de bastidores a nível de dirigentes/treinadores de modo a eliminar a agressividade normal quando se faz um jogo de futebol?
4) Ingestão de substâncias excitantes do sistema nervoso de modo a aumentar a agressividade normal? 
5) Outra não mencionada.

Outra que muito gostaria de ver dissecada - dará muito trabalho mas estou certo traria à luz do dia muito do sujo trabalho que é feito nos bastidores, seria comparar os resultados dos clubes que defrontam quer o Benfica quer o clube da fruta, nos jogos imediatamente a seguir.

Tenho sempre a impressão, que, após a um jogo com o Benfica, os nossos adversários no jogo seguinte se apresentam cansados, desmotivados, resultando normalmente para si, uma derrota, muitas vezes por números expressivos...
Já quanto ao clube do putedo, tenho sempre a sensação que os seus adversários após terem-nos defrontado, se apresentam no jogo a seguir, pujantes e prontos a discutir o resultado com qualquer equipa. Será apenas porque levam com a famosa amarelinha num caso enquanto que no outro caso se poupam para os jogos seguintes, ou acumulam outras motivações/promessas/favores?

Outra excelente pesquisa seria observar os resultados nos anos em que os "sorteios" teimosamente insistem em que os corruptos de Contumil fiquem com as "sobras" do Benfica e compará-los com épocas em que isso não aconteceu.
Eu explico - a equipa que defronta o Benfica no jogo a seguir defronta o clube do peidoso senil.

Para se perceber melhor a importância do assunto, lembro que o Guimarães, em 2006)/7, numa época em que regressava da segunda liga, beneficiando desse calendário fantástico, acabou por ficar à frente do Benfica na classificação, num espantoso 3º lugar.
Agora já disfarçam melhor a coisa mas ainda se vêm muitas (o Olhanense foi um deles) vezes os corruptos com as "sobras" do Benfica.
Fica a pergunta: porque razão é que os desígnios do "sorteio" nunca brindaram o Benfica com as "sobras" dos corruptos?

30 comentários:

  1. Isto dos sorteios é uma coisa que vai acontecendo à cerca de 5 épocas o Porto beneficia sempre pois o adversário que jogou na jogada anterior com o Benfica está sempre mais debilitado pois esfarrapou-se todo,sofre possíveis lesões,está sujeito a castigos por amarelos e vermelhos logo está cansado e desmotivado,tudo porque ninguém investiga isto,este ano está mais subtil mas existe também este tipo de sorteio este ano porto e Estoril entram no lote agora vejam a classificação.
    Já não falo dos sorteio da taça de Portugal onde como de costume a sorte pende entre bolas duvidosas e sorteios da taça da liga onde as gajas que ditam os clubes vem de algum clube de sado masoquismo com sotaque do bolhao.

    ResponderEliminar
  2. Caríssimo Guachos, poderia resumir o teu excelente post... numa « peça do puzzle » que penso faltar há muito no leque de prioridades do Benfica...
    A demanda de uma análise estatística e comparativa de um diversidade de variáveis presentes no futebol corrupto português, que poderiam convergir num processo com forte impacto mediático e persuasor dos prevaricadores porcinos!
    Desde, o minucioso estudo comparativo dos: penaltys, expulsões e número de faltas... a favor e contra, em cada jogo de Benfica, porto e sporting e dos seus adversários... ao longo de 5/10/20 campeonatos.
    Passando pelo estudo da distância total percorrida durante cada jogo... por cada adversário contra Benfica, porto e sporting ( podendo - se avaliar também e como sugere o caríssimo Guachos a mesma variável nos jogos imediatamente a seguir ).
    Continuando, por um análise comparativa dos sortilégios dos sorteios e das suas tendências a convergirem para padrões sempre iguais ao longo dos mencionados 5/10/20 anos... tanto na vertente de início dificultado para o Benfica ( jogando fora com os melhores classificados do campeonato anterior), no final fora com os suínos e na vertente das « sobras » para os ditos porcos.
    As possibilidades são muitas e os benefícios de um estudo estatístico implementado por uma universidade de nomeada e bem cotada, seriam ainda maiores...
    porque sendo a realidade dos números difícil de contrariar... a imprensa avençada e os rivais ficariam como que « amordaçados », mais limitados na sua acção e... claro a arbitragem corrupta ficaria sob muito maior exposição e pressão!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como digo mais abaixo ao Manuel - o que faz falta ao Benfica, através do poder mediático que indiscutivelmente tem, é denunciar publicamente essas situações. Não é pôr os seus dirigentes a falar do assunto, como o burro de carvalho anda a fazer. Isso só descredibiliza o clube e a figura presidencial. É arranjar segundas figuras que o façam - que obriguem os media a falar no assunto. Muito trabalho de sapa falta a este Benfica!
      Não fossem alguns blogs e nem o mais simples trabalho de casa saberiam (como o) fazer...

      Eliminar
  3. E não dão luta ao fabuloso fócuporco, tri-campeão nacional (só não é penta por causa dos túneis), super equipa, competentíssima em 5% dos jogos na época passada, e exemplo de gestão aquém e além fronteiras? Não estão motivados??

    Acontecesse o inverso em nº de faltas e não se falaria de outra coisa nos mérdia portugueses... mas aí já não eram calimeros - tratava-se de mais um exemplo de boa gestão desportiva... de uma direcção atenta a tudo o que possa prejudicar o clube...

    ResponderEliminar
  4. Apaguei o post dos 'calimeros' sem querer...
    podem postar de novo que não apago

    ResponderEliminar
  5. 5) Outra não mencionada. - Os clubes que ousam tirar pontos ao fócuporco vêm-se frequentemente prejudicados e relegados para a 2ª divisão... dar luta ao fócuporco não compensa de maneira nenhuma...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pois é caro anónimo... temos tanto medo, que fomos ao caixa ladrão, ups, caixa dragão ser campeões europeus de Hóquei!

      Temos tanto medo, que já fomos ao caixa ladrão, ups, caixa dragão sermos campeão de basquete e encerrar a modalidade de basquete, porque os portistas ficaram com medo de continuar a serem humilhados pelo Benfica nessa modalidade!

      Temos tanto medo, que sem querer, conquistamos cinco pontos de desvantagem face a esse futebol corrupto do porto, ups, fcp e estamos na luta!

      Temos tanto medo, que é o super futebol corrupto do porto que anda a pedir a nomeação do super reforço Pedro Proença, para assim terem a esperança de sair da luz com um ponto, no mínimo!

      E se o nosso medo é tanto, não entendo porque estão voces assim com tanto medo que precisam de vir a blogues do Benfica provocar e tentar mostrar a vossa inferioridade falando dos vossos títulos! Será complexo de regionalidade????

      Eliminar
    2. Viu-se ontem no Guimaraes- academica onde houve uma dualidade de critérios tremenda.
      Conceição sabe bem o que se passou mas não quis dizer...mas devia.

      Eliminar
  6. Bom posto, caro Guachos.
    Agora mais uma coisa que completa o que foi dito, as coincidências que vamos vendo por aí. Inspirada num comentário de alguém atento no AntiTripa.

    Será coincidência o clube da fruta não precisar da ajuda descarada dos árbitros em jogos que não tenham competições europeias pelo meio, devido ao facto da UEFA fazer um controlo antidoping mais rigoroso.

    Sendo eles o clube da vitamina Casagrande do doutor povix, não lhes daria mais jeito que os jogos com o Benfica se realizassem em alturas fora desses mesmos jogos europeus? Nesse caso, Janeiro e Maio parecem ser as alturas ideais!!!! Daí a coincidência do calendário do ano passado e o deste ano, os jogos caem exactamente nessa altura. O Benfica tem de estar atento e alertar a UEFA!.

    Sendo os jogos com o Benfica fora da época das competições europeias permite-lhes usar a vitamina com toda a potência sem qualquer preocupação com a dose utilizada pois sabem que em Portugal o risco de controlo está controlado e o risco é menor.

    Além disso, há drogas que saem do corpo em 3 ou 4 dias e que não acusam num controlo de dopagem, mas os seus efeitos mantém-se por mais tempo.
    Algo para matutar.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Manuel, falta ao Benfica, através do poder mediático que indiscutivelmente tem denunciar publicamente essas situações. Não é pôr os seus dirigentes a falar do assunto como o burro de carvalho anda a fazer. Isso só descredibiliza o clube e a figura presidencial. É arranjar segundas figuras que o façam - que obriguem os media a falar no assunto. Muito trabalho de sapa falta a este Benfica!
      Não fossem alguns blogs e nem o mais simples trabalho de casa saberiam (como o) fazer...

      Eliminar
  7. Perante a infestação do Blog por uma horda de suínos azuis, com a patente de soldados rasos... a primeira e premente questão, é como diferenciar o 17:22, do 16:30, do 19:12, do 20:45, etc?...
    Se todos eles, parecem gêmeos siameses, dizem as mesmas « petas » e imbecilidades e ainda usam as fardas numeradas dos estabelecimentos prisionais de que fugiram?
    O problema parece ser de difícil resolução, mas podemos... optar por uma investigação ao melhor estilo C.S.I!
    Indagar se: são provenientes da pocilga clube... ou da pocilga sad, a que horas estiveram com a última porca, fazer testes de despistagem da ração que recebem para estar no Blog, cruzar os dados de telemóvel para aferir se todos os leitões não são afinal e apenas um só leitão, exigir que coloquem os chispes em cima da mesa e analisar o ADN ( não se vai longe... na melhor das hipótese sabemos que vieram da Mealhada ) ou optar pela versão Benfiquista bom/ Benfiquista mau... em que um liga o grelhador e o outro fala da miss piggy dos marretas!
    Outra hipótese é contratarmos o «flautista de Hamelin dos contos dos irmão Grimm » e esperar que eles sigam encantados em fila indiana até ao rio Douro... ou dizer – lhes apenas... se já repararam que até na banda desenhada... o grande Smurf de roupas vermelhas é que manda no resto dos anões azuis!
    Finalmente e se nada tiver resultado... resta – nos lançar um alerta nacional aqui no Blog... e personalizarmos a investigação.
    Vamos todos procurar o 17:22, o 16:30 e todos os outros nos balcões frigoríficos dos hiper – mercados... sempre que virem uma embalagem de bacon, chouriço, chispe, etc... « toca » a procurar o B.I dos anónimos ( região de origem, certificado sanitário e nome )!!!

    ResponderEliminar
  8. Para todos os que aqui participam(eu pouco)mas passo sempre mais de uma vez por dia,desejo a todos um feliz natal e um ano com muitas vitórias.

    Cumprimentos para todos!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mesmo para ti, caro REUS.

      Cumprimentos.

      Eliminar
  9. Para o Guachos, José Albuquerque, Mathayus, Reus, Manuel e restantes companheiros Benfiquistas que não mencionei, um Feliz Natal.
    Para os restantes: "já vamos em Janeiro e o Benfica continua em primeiro". Mamem. Carrega Jesus e Força Benfica.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  10. Enormerrimo Guachos, Amigo e Companheiro,

    Antes de tudo o mais, quero expressar-te a minha total solidariedade relativamente a esta tua decisao de voltar a acionar a moderacao dos comentarios, ate' porque me sinto parcialmente responsavel, ao ter-te sugerido, antes, que a desativasses.

    Ha' uns anos, um Amigo que e' Biologo e que me mostrava o elevadissimo grau da civilizacao entre a maioria das especies de formigas, cujas "sociedades" comprovam uma complexidade e perfeicao que so' podem ser reflexo de um certo tipo de "cultura", corrigiu-me muito veementemente quando eu, incorretamente, utilizei a palavra "inteligencia" para as descrever.

    Explicou-me ele que as formigas fazem, exatamente, o mesmo ha' dezenas ou mesmo centenas de milhar de anos, sem evolucao registavel e sem demonstracao de alguma forma de capacidade critica.
    Explicou-me, tambem, que ha' muitas outras especies animais (e algumas vegetais) com esse tipo de capacidade gregaria ou social, beneficiando do coletivo para melhorar as hipoteses individuais de sobrevivencia.

    Mas "inteligencia", explicou-me ele, e' uma coisa bem diferente disso e pressupoe as sementes da capacidade de evolucao, quer individual, quer coletiva. Por isso, podemos dizer que a inteligencia, do ponto de vista social, e' um privilegio das subespecies humanoides, particularmente a partir daquele momento em que os cientistas o passaram a designar por Homo Sapiens, os nossos "avos" mais proximos.

    O comportamento patenteado por alguns Leitores (?) do GUACHOS, especialmente desse que se apresenta como "Rui", sugere-me que nem o "globatinol" desta alegada "sociedade do conhecimento" conseguiu impedir que o Homo Sapiens Sapiens demonstre ser real o risco de degeneracao e regressao da especie.

    Infeliz e surpreendentemente, ficou provado que ha' supostos elementos da nossa especie que degeneraram ao ponto de podermos dizer que sao, socialmente, ainda menos complexos e elaborados do que ... formigas.
    Imaginar que e' possivel estabelecer com esses "regredidos" uma qualquer especie de dialogo inteligente, constitui uma impossibilidade, por definicao dessa subespecie.

    Sinceramente, espero que nao tenha que passar muito tempo ate' que tu possas voltar a tartar todos os Leitores do Guachos como Companheiros inteligentes e culturalmente civilizados.

    Viva o GUACHOSVERMELHOS!

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar
  11. Caros amigos e seguidores deste blog,
    lamentavelmente os porcos não sabem ler o que tenho bem claro, aqui, mais abaixo da caixa de comentários ( Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.) e insistem em me sujar de trampa este espaço que quero limpo e livre de adoradores de corruptos.

    O filho da puta que assina Rui, ao ser desmascarado, insiste em me dar trabalho, enchendo-me a caixa de comentários com comentários ( "anónimos") porcos que apenas visam criar confusão.
    Ainda agora me vi forçado a apagar vários. Como não passo a minha vida aqui e não faço disto modo de vida, era o que mais me faltava perder horas a apagar aquela merda.
    Assim, lamentavelmente ficam os comentários sujeitos a moderação, antes que isto fique fora de controle.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazes bem. Um blog como este não merece ser conspurcado com porkos e seus comparsas.

      Um Feliz Natal ao amigo Guachos e Família.

      Miguel

      Eliminar
    2. boa decisão. um natal glorioso a todos.

      Eliminar
  12. Um feliz natal para todos os ilustres companheiros do Blog... Guachos, Aguia Imperial, José Albuquerque, Reus, Liverpool, Manuel e restantes companheiros...

    P.S: O Aguia Imperial que me perdoe ter plagiado a ideia dele... mas quando uma ideia é boa, copia - se e refere - se o autor original!

    ResponderEliminar
  13. Obrigado Mathayus, um feliz natal para ti também e para todos os que mencionaste. Fico contente com as últimas coisas que vocês têm escrito, porque constato que a podridão está mais que desmascarada, apenas falta a estocada final. Este blog e o seu autor estão de parabéns e talvez se devesse por os dirigentes do Benfica a estudar por esta cartilha. Abraço a todos.

    ResponderEliminar
  14. Companheiros,

    Recebam, por favor, os meus sinceros Votos de um Feliz Natal, extensivo 'as vossas Familias.

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar
  15. Com votos de Bom Natal para todos os benquistas, fui desenterrar um livro com revelações muito importantes que deviam estar sempre presentes na memória de que luta por um futebol sem batota.

    I - “Jogo Sujo”, por Fernando Mendes

    Fernando Mendes, nascido a 6 novembro de 1966, foi o único jogador que até agora teve a coragem para denunciar o uso do doping e a “estrutura” por detrás que permitia isso no seu livro “Jogo Sujo”. Foi o único jogador que jogou em todos os clubes que foram campeões nacionais.
    Jogou no Sporting, Benfica (1989-91), Boavista (91-93), Estrela (93-94), Boavista (94-95), Belenenses (95-96), Porto (96-99).

    A Minha História com o Doping
    Infelizmente o doping é uma consequência natural da competição. É fundamental atingir grandes resultados,
    ganhar, voltar a ganhar e ganhar cada vez mais. Isto faz com que muitos clubes resolvam encurtar caminho através dos caminhos da ilegalidade.
    “Ou tomas ou não jogas”. Se um jogador não quisesse tomar perderia o lugar para outro que aceitasse. Sem jogar via o seu valor futebolísitco diminuir algo que é muito grave numa carreira que é muito curta. Feita esta reflexão demoramos muito pouco tempo a aceitar.
    No meu tempo o doping era tomado de duas formas, injecção ou comprimido. Podia ser antes do jogo, durante o intervalo ou com a partida a decorrer. A injecção tinha efeito imediato enquanto o comprimido tinha de ser tomado uma hora antes do jogo.

    Existiam diferentes métodos e cada jogador tomava uma dose personalizada, mediante o seu peso, condição física do momento ou última vez que tinha ingerido a substância. Havia necessidade de gerir os ciclos de cada atleta para diminuir o risco de ataque cardíaco provocado pelo excesso de droga. Porém, partidas contra adversários directos, eliminatóiras da Taça de Portugal ou jogos das competições europeias era sempre certo. Quando se sabia que não iria haver controle antidoping, nunca falhava.
    Uma injecção demorava cinco minutos a fazer efeito. Com aquilo no corpo, corria mais rápido, saltava mais alto e parecia que nunca me cansava.
    Mas como qualquer droga que se usa para aperfeiçoamento de determinada função, alguns jogadores chegavam a certa altura em que já não conseguiam jogar sem estar dopados.

    A influência do doping no desempenho atlético era de tal forma poderosa que dei por mim a conseguir “performances” quase inacreditáveis. Lembro-me de um jogo das competições europeias (com o Boavista) contra uma equipa que tinha 3 campeões do mundo no seu plantel. Um deles era um poderoso avançado no jogo aéreo (Jorgen Klinsman). Sempre joguei a defesa esquerdo mas apanhei-o várias vezes no meu terreno de acção. Ele era um armário com um tremendo poder de impulsão. Mas eu nesse dia saltei que nem um louco e ganhei-lhe quase todas as bolas de cabeça. PARECIA QUE TINHA MOLAS NOS PÉS. A esta hora esse antigo atleta ainda se deve estar a perguntar como é que foi possível perder tantas bolas para um meia-leca naquele jogo. O segredo era uma pequena vacina, do tamanho de meia unha, chamada “PERVITIN”. Espetavam-nos aquilo no braço e dava para correr e saltar durante 4 jogos seguidos. (Uma pergunta que eu fazia a mim próprio muitas vezes, porque razão tantos jogadores têm os braços todos cheios de tatuagens? Para muitos deles é para esconder as “picas”). Eu é que estava alterado. Mas ainda assim fico contente por ter ganho porque esse momento foi histórico.

    (continua)

    ResponderEliminar
  16. (continuação)

    II - "Jogo Sujo"

    O doping tem duas faces. Por um lado dá força, dá para aguentar mais, ajuda a ganhar. Provocava uma RAIVA ENORME que acompanhada pelas palestras dava-nos vontade de entrar em campo e corrermos loucamente.
    No final de um jogo em que nos tínhamos dopado pedíamos um “anti-raiva” de modo a baixar a dose que tínhamos tomado. Mas mesmo assim com o anti-raiva ainda dava para correr até à meia noite. Ou então dava para o inverso, depressão, falta de paciência, isolamento.
    O mais triste de tudo isto é a naturalidade com que um futebolista aprende a viver nesta situação miserável. Quando o massagista que nos dava a droga dizia-nos que era ilegal mas não nos avisava de eventuais perigos.

    A “ORGANIZAÇÃO” NO NORTE DE PORTUGAL

    Os jogadores eram peões neste enorme esquema chamado doping desportivo. Segundo constava as dosagens eram feitas em laboratórios no norte do país. Dizia-se também que esses laboratórios até tinham fachadas legais, mas dedicavam uma parte das instalações e dos seus rucursos humanos à investigação de novas dosagens que pudessem passar incólumes nos controlos antidoping. As pessoas desses laboratórios trabalhavam directamente com alguém do corpo clínico dos clubes. O estimulantes acabavam sempre nos balneários para serem testados.

    OS JUNIORES COMO COBAIAS

    O sistema de doping num dos clubes onde joguei era de tal forma elaborado que estendia as redes da sua perversidade para além do plantel senior. Em certos treinos aparecia um ou dois juniores para treinar connosco, mas não estavam ali porque eram bons, estavam ali para servirem de cobais a novas dosagens. Um elemento do corpo clínico dava cápsulas ou injecções com composições ilegais a miúdos dos juniores. Essas experiências não podiam ser feitas com jogadores seniores que jogam todos os domingos e que são os principais activos do clube. Se alguma coisa saisse mal saia caro. Além disso no futebol senior há controlos antidoping. Nos juniores os controlos acontecem uma vez na vida por isso era o ideal para fazer experiências.

    Os juniores urinavam para dentro de um copo e essa urina iria servir para fazer os testes antidoping internos. Quando saiam os resultados alguém telefonava para os laboratórios dos subúrdios a dar as novidades, “Olha, isto acusou tanto, por isso temos de baixar a dose”. Ou então, “Não está a acusar nada, por isso podemos aumentar um bocadinho”.

    Quando a dosagem era acertada, iniciava-se a produção em massa para o plantel sénior. Os júniores nem faziam ideia do que lhes davam pois diziam que era vitaminas e que a urina era para controlo interno e análises. Os júniores eram utilizados para melhorar o desempenho do plantel principal.

    Durante os anos que andei no futebol profissional percebi da forma mais cruel que para ganhar vale quase tudo. “Não olhar a meios…”

    O efeito de determinados estimulantes é que incutem uma RAIVA ENORME que pode ser uma grande ajuda quando andamos a correr e a despender um grande esforço durante o jogo.
    Os clubes que usam estimulantes apenas se preocupam em escapar aos controlos antidoping. Mas os riscos são evitados através de várias artimanhas. Por vezes os departamentos médicos que utilizam estimulantes probidos controlam os jogadores para perceberem se o fármaco injectado noutro jogo já saiu do organismo.

    Sempre ouvi dizer que em determinados clubes davam urina de terceiros a atletas dopados para que estes não acusassem nenhuma substância ilícita nos jogos em que havia controlo antidoping. Também achava estranho ver massagistas guardarem algálias (sondas ocas que se introduzem pela uretra até à bexiga) dentro das sua malinhas.
    Outro desses truques eram as bolinhas frias utilizadas pelos médicos, muito em voga na primeira metade da minha carreira, através das quais se escolhia quais os jogadores que podiam ir ao controlo.


    ResponderEliminar
  17. (continuação)

    III - "Jogo Sujo"

    Os esquemas ardilosos podem mudar com a passagem dos anos, mas nunca deixam de existir. Eu não ficaria surpreendido se viessem a público situações semelhantes.
    (Por acaso vieram, Casagrande, Deco, Carlo Alberto, Semedo, Emerson, tudo ex-jogadores do Porto).

    O doping trouxe grandes benefícios a quase todos os envolvidos. Claro que a boa forma não se fica a dever apenas à utilização de estimulantes, não existe nenhuma fármaco que ensine a jogar futebol.

    O PROGRAMA DA SIC, 30 de Maio de 1997.

    O programa “Donos da Bola” da SIC exibe uma reportagem em que com recurso a uma câmara oculta um jornalista faz-se passar por um dirigente interessado em comprar alguns estupefacientes para que os seus jogadores possam correr mais. Estão a 2 jornadas do fim e precisam de ganhar esses jogos para garantir a manutenção. O jornalista consegue o contacto de um médico do Porto (Matosinbos) que tem fama de facilitar esse tipo de situações a clubes interessados (o famoso Póboas que foi agraciado com um lugar na Administração da SAD do FCP).
    Esse médico recebe o pretenso dirigente na sua clínica privada em Matosinhos e é filmado em flagrante a vender-lhe uma caixa de comprimidos de Centramina por 40 contos (€200). Durante a conversa, o médico sem saber que está a ser filmado dá uma verdadeira lição sobre productos dopantes. Questionado pelo jornalista começa a falar em Pervitin. Usei várias vezes, era fortíssimo.
    Para além dos ensinamentos técnicos o clínico recorda a sua experiência num clube onde tinha trabalhado dois anos anteriores e revela contactos que lhe permite saber quando havia controlos antidoping. “Como sabia sempre dos controlos aquilo era na boa. Andei a época toda a saber”.
    O clínico salienta a importância de haver poucas pessoas com acesso ao balneário (o Porto desde sempre tem tido um controlo muito apertado. A tal “estrutra” e “organização” com gostam de lhe chamar serve para alguma coisa).
    “Normalmente as coisas passam pelo massagista”. Os jogadores devem estar sozinhos no balneário com o massagista. Não devem lá estar nem treinadores nem dirigentes”.
    “Numa situação dessas (urgência de resultados) convinha que uma grande parte do plantel tomasse”, continua.
    Para convencer os atletas o clínico aconselhava que se mentisse, “pode meter o produto dentro de uma cápsula e dizer que é cafeína. A cafeína admite-se na boa”.
    O médico fala também da cafeína que se vende em Espanha e que se chama “Durvitan” mas diz que este producto não serve para esta sutuação pois tem “um efeito retardado de oito horas”. A Centramina é o fármaco indicado, “os comprimidos tomam-se umahora e um quarto antes do jogo. Pode darlhes com café ou com água. Como são dois jogos quem tomar deve tomar dois de uma só vez”.
    (Portanto, tudo numa boa)

    Este aumento de quantidade é um lema desportivo que eu tive de viver, quanto maior o desafio maior a dose.

    “Agora já não uso muito a cafeína. Quando há controlo uso uma coisa que os ciclistas me arranjaram. É o Ozotine, um imunomodulador. Melhora a parte respiratória. São umas ampolas com vários productos e mete-se cafeína também injectada, faz-se uma seringa com 10-15cc e depois cada jogador toma 1,5cc”.
    Finalmente o médico deixa um conselho final, “É muito importante que os atletas sintam que está tudo controlado, que não há perigo dos atletas serem apanhados no controlo antidoping”.
    E um remate final, “A base disto e também dos árbitros, porque isto não chega para meter golos, os árbitros também são importantes”.
    (Claro, os árbitros, sempre)

    (continua)

    ResponderEliminar
  18. (continuação)

    IV - "Jogo Sujo"

    Outro Clube

    Noutro clube havia uma maior cuidado na administração de substâncias ilícitas e no receio de eventuais controlos antidoping. Essa postura mais cautelosa resultava de uma maior capacidade de acesso a informação confidencial, como vim a saber durante a época. O médico também se gabava de ter alguém que o informava com antecedência dos jogos em que iria haver controlo antidoping. Assim, se um jogo fosse ao domingo o médico sabia na 6ª ou no sábado quais as partidas que iriam estar sob a tutela do controlo antidoping.
    Se não havia controlo havia estimulantes. Quando havia controlo, não havia.
    O contacto dele devia ser muito eficaz porque das poucas vezes que fui controlado nunca acusou nada!!! Nem eu nem os meus colegas.

    No stempos em que jogava ouvi muitas vezes falar que muito jogadores levavam urina de outras pessoas para o controlo demodo a não serem apanhados. Urinavam e no fim trocavam os frascos. Dizia-se que era habitual em aguns clubes.
    Neste clube os jogadores tinham caminho livre para tomar as substâncias propostas pelo médico.

    Os produtos ajudaram-me a fazer um das melhores épocas da minha carreira. (n.r. Fernando Mendes foi para o Belenenses com 28 anos e para o Porto com 29 anos). Nessa época já não era muito jovem e sabia que aquela seria uma grande oportunidade e poder vir a melhorar a minha situação desportiva. Para além do doping nessa época tinha um grande treinador e colegas com muita qualidade.
    Em alguns clubes tomei Pervitin,Centramina, Ozotine, cafeína, entr emutias outras coisas de que nunca soube o nome. Também tive um médico que nos dizia quando ia haver controlos.

    E termina,

    “Sim caros leitores, há doping no futebol português. Há muitos anos. Em vários clubes. Chega lá de diferentes formas, é testado de várisa maneiras e é consumida apenas pelos atletas. Dá força, dá ressaca, dá alegria, dá angústia. É bom e é uma merda. Mas eramlehor que não houvesse. Como era melhor que não houvesse árbitros comprados, dirigentes corruptos, jogadores violentos e adeptos doentes.

    Nada se prova, ninugém pe preso, a impunidade é total. N\ão háhomem justo ou bem ointencionado que resista às redes do poer magalómano e criminoso que se va instalando no futbeol português através das mais variadas ramificações. O DOPING É APENAS UM DESSES TENTÀCULOS DO MAL QUE POLUEM A VERDADEIRA ESSÊNCIA DO JOGO.

    Um jogaor que consome estimulantes durante uma época inteira irá ter um momento de forte quebra física. O doping surge como uma forma de enganar o cansaço do corpo. Tem um efeito imadiato mas mais tarde o atleta irá ressentir-se da violência muscular. Várias vezes observei equipas que estão comuita força na 1ª volta mas que na 2ª andam de rastos.

    NOTA FINAL
    Este livro é uma segunda versão da obra incialmente escrita. A primeira versão apontava nomes, locais e datas dos momentos mais sórdidos que aqui são relatados. Infelizmente, o climea de medo e de censura instalado no futebol português tornou impossível juridicamente que essas mesmas pessoas fossem expostas, deixando esse primeito livro condenado a viver numa gaveta.
    As páginas que acabaram de ler, e das quais me orgulho, são frontais, verdadeiras, mas tiveram de ser generalizadas por causa de um SISTEMA PERVERSO em que todos têm MEDO e vergonha de dar a cara e apontar o dedo aos responsáveis por situações ilegais e violadoras da ética desportiva. Espero, no entanto, que depois destas páginas algumas pessoas que viveram situações semelhantes possam vir a público contar a sua história. Aqueles que o fizerem estarão a prestar um serviço inesmitimável ao futebol português. Pode ser que, nessa altura, a gaveta do primeiro livro se abra. E, acreditem, há muito mais para contar.

    ResponderEliminar
  19. Só um acrescento. Os comentários entre parênteses foram feitos por mim e não vêem no livro, só que na transmissão para o blogue a letra, que estava diferente, não ficou.

    Os benfiquistas e todos aqueles que lêem isto devem ter em atenção que nada, absolutamente nada aconteceu, isto é, o livro saiu mas foi como se não tivesse saído. Ninguém se interessou, o MP que é quem deve tomar conta destas ocorrências (desculpem!) "cagou" para o assunto. Como muito bem diz o Fernando Mendes, impunidade total!

    O MP, assim como as polícias de investigação, são pagas pelos contribuintes para zelar pela observância das leis no país, isto é, pela observância das regras da democracia.
    Significa isto que o MP e restante cáfila para além de incompetentes são corruptos e têm uma acção que está ao nível de qualquer Zimbabwe ou Coreia do Norte, países nos quais o MP e a polícia funcionam apenas por ordens ou sob os interesses dos ditadores locais.
    Podia continuar mas dado a quadra que atravessamos fico, desta vez, por aqui. Mas vai ter continuação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente trabalho caro Manuel e infelizmente... tens toda a razão nas tuas considerações finais!

      Eliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.