terça-feira, 9 de dezembro de 2014

A força de uma ideia - o génio de Guardiola!

Muitos treinadores de futebol vão a Munique fazer estágios com Pep Guardiola e até o seleccionador de râguebi japonês foi à Baviera tentar aprender com Guardiola. Diz que pretende aprimorar conhecimentos que levem o Japão a vencer um jogo no Campeonato do Mundo de râguebi, que se disputa no próximo ano em Inglaterra...
Falta saber se o catalão lhe passou os conhecimentos recentemente adquiridos com as lições de Vítor Pereira, que ao contrario do japonês, aproveitou o estágio em Munique para lhe ensinar uns apontamentos que levava preparados na sebenta, presumo que retirados do livrinho do grande Carlos Daniel e foi assim que ambos deram 'aquela' lição ao catalão.

O génio de Guardiola em todo o seu esplendor!

Guardiola pegou no Barça vindo de três anos de seca e revolucionou o mundo futebolístico pondo Barcelona a jogar o melhor futebol de sempre, elevando a fasquia a um nível tão alto que parecia impossível alguém chegar lá. Guardiola espantava o Mundo com o seu futebol «rolo compresso»r - que marcava golos atrás de golos; esmagando os adversários, mas o que mais me encantava no Barcelona de Guardiloa era a forma absolutamente genial como sabia defender; como jogava em equipa. Um espanto.

Durante 4/5 anos o Barça engoliu todo e qualquer adversário, mas como nada dura para sempre, Guardiola percebendo que era preciso mudar para continuar a ganhar, quis mudar. Quis mandar alguns acomodados embora e trazer outros com fome de vencer. Não quiseram. Convencidos que aquilo andava sozinho os dirigentes catalães não lhe fizeram a vontade. Cansado - saiu e acabou aí a equipa de sonho...Adeus títulos, adeus honrarias...resumidamente é esta a história de Guardiola no Barça...Três Ligas, duas Champions, dois Mundiais de clubes, duas Supercopas de Europa, três Supercopas de Espanha, e duas Copas del Rey - em quatro anos de Barcelona!

A força de uma ideia...
A Espanha pegou no conceito e nos jogadores de Guardiola para vencer dois campeonatos da Europa e um campeonato do Mundo, entre outras honrarias, mas entretanto Guardiola saiu do Barça provocando o inevitável (só os tolos poderiam pensar o contrario) declínio da equipa e dos jogadores...(e é preciso não esquecer que os jogadores são sempre muito mais fortes quanto mais forte for o conceito de equipa....e que por isso, apenas por isso, jogadores absolutamente vulgares pareciam tão especiais integrados naquela máquina de fazer futebol!)

Aos pouco o conceito perdeu-se, os jogadores passaram a ser "normais" e a Espanha que passou a ser uma equipa ainda forte - mas agora ao alcance de qualquer adversário...Adeus títulos, adeus honrarias...

E eis que Guadiola chega ao Bayern. Clube complicado, cheio de vacas sagradas, mas que tinha acabado ganhar uma cataplana de títulos tornando a vida ainda mais difícil para o catalão. Chegou viu e venceu...uma Bundesliga, uma Supercopa de Europa e um Mundial de Clubes...indo a caminho de mais um passeio triunfal no campeonato...e tudo o mais que se verá.

A Alemanha que já não era campeã do Mundo desde 1990 - ganhou com uma perna às costas o Mundial do Brasil, carregada de jogadores do Bayern e sobretudo usando um estilo de jogo que mais pareceu uma cópia do Bayern de Guardiola e que Joachim Löw, tal como fizeram os treinadores da selecção espanhola; inteligentemente soube aproveitar....
A força de uma ideia - o génio de um treinador; o génio de Guardiola!

4 comentários:

  1. Brilhante!

    Guardiola, para o futebol é tudo isso e muito mais. Isto de inventar "um jogo novo", não é para todos.
    Só lerdos ou nacionalistas - escolham a ordem - podem compará-lo ao estremunhado Mourinho, que apesar de tudo anda no nível da excelencia, mas tão distante.....

    ResponderEliminar
  2. Tem carradas de razão - Guardiola foi um enorme jogador e ainda melhor treinador - mas durante esse período de ouro viria a cair perante um enorme vulto do futebol mundial e portuguesíssimo - Olegário Benquerença! Este génio do apito (tantas vezes maltratado injustamente pelos Benfiquistas) conseguiu levar o Inter de Mourinho à vitória em Milão por 3-1 em + um jogo polémico (mas só para os catalães) - é obra!

    ResponderEliminar
  3. Epá Guachos, sim e não!

    Sim, porque muito do que escreveste faz todo o sentido. E, não, porque há coisas que não estão totalmente correctas. Por exemplo, é verdade que o Löw aproveitou alguns mecanismos dos jogadores do Bayern Munique, mas não foi algo como o Scolari fez no Euro 2004 com muitos dos jogadores do Mourinho. Para além disso, o sucesso da Alemanha deve-se muito mais ao sucesso que foi a revolução da formação naquele país após o desastre do Euro 2000 frente a Portugal (3 golos do Sérgio Conceição).

    ResponderEliminar
  4. Do Jornal "A Marca" - "El Benfica murió con las botas puestas"

    ResponderEliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.