sábado, 23 de julho de 2016

O taliban da internet.

Luís Filipe Vieira promete candidatar-se a mais um mandato. Os talibans da internet espumam de raiva, outra vez. É a sina do taliban que se diz benfiquista. Espumar cada vez mais enraivecido.
O taliban não gosta de nenhum jogador que é contratado. Diz que os da formação são todos melhores. Se não chegar ninguém de fora o taliban rosna ainda mais porque não chegaram reforços. Os que vêm são sempre caros e/ou maus jogadores, porque velhos e carregadinhos de espondilose, ou porque são demasiado novos e sem experiência. Os que saem, mesmo que um ou dois meses antes até os levassem ''de borla ao aeroporto, com lacinho e tudo'', (palavra de taliban) são sempre muito mal vendidos e sempre ao desbarato. 
Renato Sanches era um tipo cheio de defeitos que ia dando para o campeonato português (o mesmo para Jardel) mas rapidamente se transformou num mau negócio (palavra de taliban) vendido por 60 milhões (sim, 60 milhões) garantidos, mais 20 por objectivos. E ai do Vieira se vender o Jardel...

O taliban da internet é um emérito especialista em contas, contratações, vendas, medicina desportiva, passivo, e não há filho da puta que não fale em lavar dinheiro ou gestão danosa mesmo que a esmagadora maioria nunca tenha visto uma puta de uma nota de 500 euros. Sabem tudo de offshores e transacções milionárias. Tratam por tu os milhões e dão aulas de gestão, economia e finanças. No futebol dão lições de táctica. Dominam as transições ofensivas e o jogo interior, o basculamento do meio campo e as entrelinhas, atacando com tudo nos posicionamentos ofensivos, as variáveis e a profundidade defensiva, à zona, que umas vezes é mista, e nas outras, assim assim.

Não há filho da puta que não exploda de contentamento quando o Benfica não ganha e basta-lhes um empate para me encherem a caixa de sapm com insultos e arruaças várias. Adoram o firme posicionamento do brunalgas (aquilo sim é um presidente com tomates) mas atiram-se às canelas do Presidente Vieira sempre que ousa falar à CS sem antes lhes pedir permissão. Exigem saber ao pormenor todo e qualquer negócio da SAD mas cagam nos relatório e contas porque não são lhes credíveis. Os últimos três anos têm sido extremamente dolorosos e suspiram tanto pelo fim do campeonato como o João Mário por uma transferência que o leve dali para fora.

Os seus meses de gloria são os em que a bola não rola, onde podem malhar no Vieira por causa dos jogadores que saem, dos que deviam sair, dos que não chegam a entrar e dos que deviam chegar. Marram sempre com um jogador titular. Este ano já escolheram Luisão. Talisca, na eminência de sair, está a pontos de se tornar um herói. Se não era com Taliscas que lá íamos - sem Talisca é que não vamos lá, seguramente. Os cumentadeiros televisivos adoram beber nos sítios taliban. É, aliás, onde vão buscar a maior parte da inspiração. Alguns dão-se ao luxo de citar um certo blog onde o ''descontentamento benfiquista'' mais se faz sentir. Basta um empate.

As vendas sucessivas por muitos milhões de euros são sempre da treta. Que não, que os jogadores não valem tanto dinheiro e que há ali uma marosca qualquer. O Presidente anda a desgraçar o clube. Nas compras, quando os milhões estão para sair, já os milhões são verdadeiros. Se o André Gomes sai por 15 milhões para o Valência, são os milhões da treta. Quem é que ia pagar 15 milhões por um suplente (lá está, o famoso suplente) que ainda nada provou. Se o Jimenez vem por uma pipa de massa - aí os milhões voltam a ser verdadeiros e o malandro do Presidente anda outra vez a desgraçar o Clube.

22 milhões (em cinco anos) por um suplente (o suplente é para mostrar bem a ignomínia do negócio) que marcou golos importantíssimos na Champions League e na conquista do tricampeonato - é um crime de lesa taliban. E de cumentadeiro encartado.
O Bayern de Munique largou 35+15 garantidos e mais 20 por objectivos pelo suplente Renato Sanches e, entretanto, o Borussia Dortmund soltou 26 milhões de euros por Götze, suplente no Bayern, e o Barcelona largou 55 milhões (que facilmente chegarão aos 70) pelo suplente André Gomes. Um André Gomes, que "não tem" intensidade e que os especialistas (e os taliban) puseram sempre abaixo dos craques do alvalixo. Um moço, recorde-se, que a famosa estrutura do foculporto não quis no seu plantel...

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Os miseráveis.

Por José Albuquerque

Quem gosta de estórias sobre miseráveis ... vai adorar este texto: há, por aqui, miseráveis em barda, de muitos tipos e cores. Infelizmente, também há muitos da Nossa cor!

Como já perceberam, este texto vem a propósito da recém comunicada aquisição dos 50% do passe do Raúl Jiménez (RJ) que ainda estavam na posse do Atlético de Madrid (AM) e das vergonhosas e cobardes e inadmissíveis reacções que a operação espoletou em alguns Companheiros Nossos.
Não, não está em causa nem o direito (que eu considero um dever) à crítica, muito menos à opinião, porque a Paixão que temos pelo Nosso Clube não Nos permite qualquer demissão sobre os aspectos mais relevantes da vida do Benfica, entendido como o Nosso Maior Bem colectivo.

Acontece é que o dever de ter opinião, para ser Benfiquista, implica o mesmo conjunto de Valores que fazem parte da Nossa Gloriosa História, que me vou escusar de vos repetir, sob pena de não poder ser qualificada como “Opinião Benfiquista”. Pior ainda quando quem formou opinião, entende transformá-la em crítica e publicá-la, porque a responsabilidade de fundamentação e estruturação no quadro dos Nossos Valores, tem, forçosamente, de crescer exponencialmente.

Eu não tenho “conta” em nenhuma rede social e, desta vez, nem sequer foi um dos meus Filhos a alertar-me para a lista de miseráveis que se andavam a pavonear a propósito do RJ. Foi o meu Bom Amigo Guachos, que me escreveu a perguntar o que é que eu sabia sobre o assunto, uma vez que estava inundado por perguntas de Companheiros (e Leitores, imagino) e foi assim que abri as páginas de alguns dos Nossos blogues ...

São demasiados os miseráveis que mais parecem competir por um eventual título de “miserável, entre os miseráveis”. Miseráveis que pretendem glorificar a sua miséria, mesmo entre miseráveis campeões de anti Benfiquismo. Miseráveis ainda mais asquerosos que miseráveis osgas e andruptos do mais miserável. Caramba ...

Não gostam do RJ?
Não acham que o passe dele possa valer 21,8M€?
Gostam dele e até acreditam que ele vale mais que isso, mas, assim mesmo, não teriam feito a operação?
Estão no vosso direito e podem/devem partilhar essas opiniões, fundamentadamente e sem ser de forma miserável. E, já agora, não se esqueçam que o RJ é um dos Nossos, que já Nos deu lágrimas e risos de completa Alegria.

Não gostam do Presidente?
Acham que o Companheiro Luís Filipe Vieira esteve mal ao tomar este par de decisões (a de agora e a de há um ano)?
Estão no vosso direito e podem/devem partilhar essas opiniões, fundamentadamente e sem ser de forma miserável. E, já agora, não se esqueçam que o Presidente é um dos Nossos, que já Nos deu lágrimas e risos de completa Alegria, que há anos oferece o melhor do seu tempo ao Nosso Clube e que, gostem mais ou menos dele, andam a desfrutar dos resultados obtidos por ele e pelos que ele tem o trabalho de liderar, além de desfrutarem das condições e do Parque Desportivo que eles criaram.
Isto já para não me referir aos Nossos Estatutos, onde estão bem definidos, até para miseráveis do vosso calibre, os deveres que temos para com aqueles que foram eleitos pela Vontade Benfiquista claramente expressa em AG Eleitoral.

Os miseráveis foram tantos e de tal jaez que me sinto obrigado a destacar dois Companheiros que podemos tomar como exemplos de Benfiquismo: o Abidos de O INDEFECTÍVEL e o PP de O GUERREIRO DA LUZ.
Terão havido mais Companheiros a publicar opinião fundamentada sobre este assunto, mas eu não tive oportunidade de anotar mais nomes do que aqueles e o do nosso habitual Leitor MANUEL, que encontrei no lamaçal do “visão de mercado” (um blogue onde me não é permitido comentar), um pardieiro onde fazem gala de não publicar ofensas pessoais (ou LOL’s, ahahah), mas onde uma cáfila de miseráveis se permite de tudo, mas de tudo mesmo, desde que seja contra o Presidente eleito pelos Benfiquistas.

Miseráveis!

Miseráveis do pior calibre, porque soberbos na miséria mais miserável: a miséria intelectual.
Miseráveis quase tão mentirosos como miseráveis. Miseráveis ainda mais cobardes que miseráveis, capazes das maiores ignomínias (porque lhes “parece”, aos abestalhados) sobre quem os destrói pela inveja mais miserável e eu só fico sem saber a quem mais invejam, se ao Presidente, se ao empresário Jorge Mendes. Miseráveis na mesma proporção da irresponsabilidade com que alardeiam uma ignorância pinacular que os coloca, burros miseráveis, de frente a palácios de “comissões”, “negociatas”, “lavagem de dinheiro” (como é possível ser-se tão ígnaro?), “saque”, “falta de transparência” e tantos outros. Miseráveis em tudo menos na imaginação com que especulam sobre as “contrapartidas” de um negócio que desconhecem, feito em condições que ignoram.

Miseráveis e ainda mais carneiros que os ditos, ecoando os balidos uns dos outros, infectados pelo veneno de muitas variedades de anti, Taliban incluídos, sacudindo alegremente a piolhagem como quem caça “likes” entre homúnculos.
Carneiros miseráveis ressuscitados de muitas matanças anteriores, todos enfileirados para o mesmo matadouro onde já engoliram sapos por dezenas de outras “críticas” que vomitaram a propósito de tantos outros Atletas que nem eu, que tenho excelente memória, conseguiria aqui listar.

Perdoem-me, Companheiros, mas eu sou incapaz de reproduzir algumas coisas que li em cerca de meia hora de um passeio virtual em que fui ao ponto de fazer o impossível, visitando o NGB (que nojo, phod@-se!).
Caso se sintam capazes, vão lá vocês. E se me quiserem trazer alguns “argumentos” que vos pareçam interessantes, venham solicitar que eu os comente, mas não contem com meiguices..

Guachos, meu Bom Amigo, faz-me o favor de os deixar passar a todos, que eu faço questão de os desmascarar.

Companheiros,

Uma vez que estamos perante um assunto quase sem igual na história do Nosso Clube (eu ainda acho que a compra do Simão foi, em termos relativos e deslocados no tempo, um negócio mais extraordinário) e considerando que o Autor deste blogue me pediu opinião ... pois bem, com a reserva humilde de quem pouco sabe de futebol, por respeito ao Guachos e aos Leitores que o questionaram, aqui a podem ler.

Por favor, não comparem este negócio com o do “ferrari” andrupto que ficava na garagem.

Humildemente, considero haver neste caso dois erros, um grave sem importância e outro de menor gravidade e maior relevância: o primeiro passou pelo facto de não terem conseguido calar o “empresário” que terá tentado vender o passe do RJ por 24M€ e, frustrado, tratou de informar a mérdi@ de que o Tricampeão já era dono dos 100%; o segundo decorre da concentração num só Atleta de mais de 10% do valor contabilístico do Nosso Plantel, o que é incorrecto em termos técnicos específicos de Gestão.

O primeiro permitiu o exagero de miserabilidade nos miseráveis, ao acumularem uma espécie miserável de pressão, desde que leram a primeira notícia, até que puderam ler o comunicado oficial à CMVM.
O segundo sugere que a Nossa SAD trate de alargar ao máximo o prazo do contrato que temos com o RJ. Explico-me ...
Neste momento e considerando que esse prazo já é só de 4 anos, o atual valor contabilístico do contrato passa a ser de quase 20M€ (9,8 – 1,96 + 12), o que implica um custo anual de quase 5M€, só pela amortização contabilística (recordem que este custo anual para todo o Plantel foi, até 30 de junho passado, de pouco mais de 30M€). Além disso, O CA da Nossa SAD terá de tratar este caso de forma muito especial em tudo o que concerne à análise de riscos e consequente celebração de seguros especiais.

Ao longo das três partes que compuseram o meu texto anterior, creio ter demonstrado que não há comparação possível entre a rentabilidade da Nossa exploração e a dos andruptos (ou da osgalhada, igualmente), razão pela qual é absurdo tentar comparar este e o caso do “ferrari” Imbula.

Há anos que vos escrevo defendendo que a redução do Passivo do Grupo Benfica não deve ser conseguida à custa de uma diminuição do Ativo.
Ora o Ativo (líquido) da Nossa SAD reduz-se automática e anualmente em cerca de 45M€, por via das amortizações contabilísticas (um pouco mais de 30 pelo Plantel, um pouco menos de 15 por outros tangíveis e intangíveis), o que implica que só uma política agressiva de investimentos pode contrariar essa tendência de decrescimento.
É por isso que não é só do ponto de vista desportivo que são interessantes todos os bons investimentos que possam ser feitos no Nosso Plantel ... e o RJ é, claramente, um bom investimento. Pode não ser “o melhor” (não sei avaliar), mas é inquestionavelmente muito bom.

Não comparem o Tricampeão (o Glorioso, o Nosso Clube) com aqueles clubecos que sobrevivem de benesses injustificadas e imerecidas!
O Grupo Benfica gerou, neste último exercício, um EBITDA (um “cash flow” de exploração) de mais de 70M€, enquanto os outros o tiveram negativo e, também por isso, andam a pagar as contas com descoberto.
Por tudo isto, basta que a operação faça sentido desportivo (e faz), para que seja uma boa compra do Tricampeão quando, se transportada para os outros, só não seria uma compra de alto risco se o passe fosse imediatamente vendido.

Vocês não gostam destas aquisições “pela metade”?
Eu também não (basta lembrar-me do Garay, que fico, logo, de cabelos em pé), mas tenho de reconhecer que me tenho lambuzado a ver o Jardel, este RJ, o Ederson e o próprio Garay, todos de Manto Sagrado vestido e se foi esta a única forma de os ter na Equipa, então venham de lá mais outras tantas compras a “50%”!

Tal como no caso do Pizzi (de cujo passe ficámos com metade na operação de saída do Roberto) bastou aparecer uma oferta de 16M€ (em novembro passado, eu vi o documento e a evidência de fundos) para que a Nossa SAD tivesse de comprar a metade do AM, também agora, neste caso do RJ, poderá ter bastado aparecer uma oferta de 24M€ (não sei se é verdade, mas todos lemos essa notícia), para que o AM Nos exigisse que lhes comprássemos a metade que ainda tinham.
Ou seja, para estarmos contra esta última parte do negócio, ou também discordamos da primeira (foi o meu caso), ou andamos a defender “sol na eira e chuva no nabal”.

Há umas semanas atrás, eu tinha aqui escrito que a Nossa SAD tinha de estar a preparar um Plantel capaz de, na Equipa de Honra, poder ser competitiva em quase 60 jogos de todas as competições.
Felizmente, há uns poucos dias apenas, a decisão final da LPFP de não incluir o Gil Vicente na Liga NOS, aliviou esse calendário em 4 encontros.
Entretanto e mesmo considerando que é real a probabilidade de ainda vermos sair mais algum(ns) Atleta(s) de entre os de maior valor, parece-me inegável que é isso mesmo que a SAD está a tentar fazer: formar um soberbo Plantel!

Tal como eu não queria ouvir os balidos da carneirada, se a SAD tem vendido, por 8M€ e em janeiro, a parte que tínhamos do passe do Pizzi, também os não queria ouvir a vomitar contra a saída do RJ agora, mesmo que a troco de 12M€.

Companheiros,

Por sorte minha, dei uma olhada na capa de “a bolha” ainda antes de enviar este texto ao Guachos ...
A ser verdade que o Presidente Tricampeão recusou uma oferta de 30+5M€ pelo RJ, lá estará toda a carneirada de miseráveis, em fila atrás dos miseráveis de todas as subespécies, miseráveis Taliban incluídos, a caminho do “matadouro” onde vão engolir mais este belo sapo, ahahah.   
  
Viva o Benfica!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

O pior é não terem noção!

António Simões deu uma opinião. Perguntaram-lhe e ele respondeu. Como homem de bem que não deve nada a ninguém. Sem ofender quem quer que fosse, num estilo de independência e frontalidade que choca 'de caras' com as mentes ocas que por aí pululam...

Os carneiros, melhor, a carneirada ululante, que se limita a pastar, usando o cérebro somente para seguir o carneiro na sua frente, não gostou. A carneirada não suporta gente que pense pela própria cabeça. E os seus pastores também não. De súbito, uma turba de policias do livre pensamento, atirou-se às canelas de Simões, que passou a ser tratado como um espécime raro, em vias de extinção.

Atirar um microfone - protegido pelos capangas ao seu serviço - ao lago mais próximo, ou andar aos saltinhos - como um macaquinho - na linha lateral, a empurrar o treinador pelas costas, é visto por essa espécie de invertebrados como um acto de extrema bravura, e de grande exaltação patriótica. Isso sim, é uma liderança que lhes (pre)enche os sonhos húmidos.

Obrigado Senhor António Simões. Por ser quem é, mas sobretudo, por ter um cérebro e não se recusar a usá-lo.
Pelo que tenho lido, nem todos se podem gabar do mesmo.

Anedotas da semana...
Guardiola quer Patrício no Manchester City. Conhecido pelos seus dotes de jogar bem com os pés, para a imprensa portuguesa, Rui Patrício tornou-se na ultima coca-cola do deserto exigida por Guardiola. Faz lembrar as "exigências" do mesmo Guardiola que só assinava pelo Bayern de Munique se compassem o Hulk ao foculporto. É com cada cromo!

«Águia recusam proposta da Fiorentina por Fejsa» - italianos queriam o médio por empréstimo.
Pois queriam. Queriam o Fejsa por empréstimo, o cuzinho lavado com agua de malvas, e ainda davam 80 milhões pelo William Carvalho para suprir as ausências do sérvio. Lamentavelmente apenas se falou de Fejsa escondendo a imprensa mais esse enorme negócio, recusado de pronto por brunalgas.

O lagartedo passou toda a semana por terras suíças a esbanjar classe e competência.
Competência nos resultados (jogaram como nunca perdendo como sempre) e classe nos comportamentos. Brunalgas e jorge lagarto nem na Suiça deixam os seus créditos de grandes senhores da bola. Ao pé desses sapos o Slimani não passa de um fedelho de coro. Só é pena não podermos ouvir da boca do treinador (apenas por gestos) o seu descontentamento para com as arbitragens que, mesmo em jogos a brincar, não param de perseguir os pobres batráquios. Com o cotovelo do Slimani a ser castigado já depois do campeonato acabar e com o jorge lagarto a cumprir o castigo nas férias, percebe-se bem a forma como o Benfica continua a mandar nesta merda toda.

Raul José - que quando não serve de saco de pancada de jorge lagarto serve apenas para carregar os sacos das bolas - apareceu a falar na vez do dono para dizer (com evidentes dificuldades) que, «O ÁRBITRO PODIA TER COMUNICADO E NÓS TÍNHAMOS TIRADO O AQUILANI», referindo-se à expulsão do gordo italiano. Pois podia. E o PSV também podia ter avisado que ia meter cinco batatas na baliza dos sapos e assim escusavam entrar em campo, evitando as ameaças de fugir para casa ao intervalo. Poupava-se o relvado e guardavam as palhaçadas apenas para o alvalixo.

Messi, Pelé e Maradona - são estes os melhores de sempre para José Mourinho.
Não serei eu a desmenti-lo. Por coincidência são esses também os meus melhores de sempre.
Fica fodido para os muitos ronaldetes que também idolatram sem reservas o José Mourinho. Está a ser difícil descalçar essa bota. Se ao António Simões largaram os cachorros, e os sapos, e os invertebrados, e uma chusma de cavalgaduras armados em intelectuais de pacotilha, ao José Mourinho meteram todos o rabinho entre as pernas...tanto que quase ninguém deu conta da notícia.

Os ronaldetes não são apenas carneiros. São sobretudo ridículos. Mas o pior é não terem noção!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Previsão (Vamos a “Contas”?) – 3ª parte: andruptos.

Por José Albuquerque

Na sequência das 1ª (AQUI) e 2ª (AQUI) partes deste texto, cuja leitura recomendo aos que não as leram, por lá encontrarem informação que me vou eximir de repetir, nomeadamente no que toca às legendas ao quadro abaixo reproduzido, vou agora, nesta 3ª parte, reflectir e comentar sobre a síntese dos “R&C” da andruptosad nos 3 primeiros trimestres (julho de 2015 a março de 2016) do exercício terminado em 30 de junho passado, por forma a sustentar uma espécie de previsão para os resultados que o crac vai obter no 4º e último trimestre (abril a junho) e, consequentemente, os seus resultados finais anuais.

Ao contrário do que acontece com a osgalhada, parece-me que já está instalada na opinião pública uma noção da gravidade da situação económica e financeira daquela que era, há bem poucos anos, a SAD mais forte de Portugal e o facto de ser noticiada a situação crítica em sede de FPF é disso mesmo um bom exemplo.

Apesar disso, o cadastro do D. Cor(no)leone continua a ser bastante para que os adeptos engulam toda a gestão ruinosa que há de conduzi-los a uma crise de proporções difíceis de prever, na cegueira da esperança que mantêm numa espécie de “ó tempo, volta para trás” em que mais ninguém ainda acredita.
De facto, os números apresentados neste quadro são eloquentes e incontestáveis, vindo somar-se a outros dois exercícios anteriores altamente deficitários, concomitantes com um triénio de desastre ao nível dos resultados desportivos.

Impressiona como foi possível que o D. Cor(no)leone se permitisse deixar que os Custos com Pessoal (os salários e tudo indica que não estejam lá todos, ficando boa parte na rubrica de FST’s) quase igualem o total de Proveitos Operacionais, num pináculo de incompetência sem precedentes, que resulta de uma clara promiscuidade com interesses materiais pessoais e familiares: a andruptosad é o exemplo típico da empresa que definha, enquanto alguns dos seus gestores (e respectivos familiares) acumulam riqueza descontroladamente.
Em poucas palavras, a andruptosad está a saque e não é de agora!

Particularmente, chamo a vossa atenção para o impacto da venda do “ferrari” em janeiro passado (3º trimestre), com os números a provarem o que (não) valeu o “soberbo negócio” da saída do dito cujo para Inglaterra.
É, de facto, impressionante que, mesmo com vendas de passes acima de 61M€, ainda assim se possam prever ROPA negativos no final do exercício.

A confirmar-se esta minha previsão – um colossal prejuízo de mais de 60M€, a andruptosad vai voltar a ter Capitais Próprios negativos (com um crescimento descontrolado do Passivo), absorvendo em apenas dois exercícios o balão de oxigénio constituído pela absorção do estádio do ladrão e ficando nas mãos do FPF, a menos que os accionistas avancem para um enorme aumento de capital, ou, como eu já aqui admiti, apareça algum banco credor a trocar créditos por VMOC’s.

Mais do que os números que aqui apresento como estimativa, creio que ou vamos assistir a algum passe de mágica (com alteração no controle do capital da sociedade, ou alguma operação copiada da osgalhada), ou é uma questão de tempo até assistirmos a um violento “downsizing”, possivelmente já conduzido pelo próximo presidente do crac.

Como sempre, fico disponível para responder ás vossas sugestões, na caixa de comentários.

Viva o Benfica! 

domingo, 17 de julho de 2016

Previsão (Vamos a “Contas”?) – 2ª parte: osgas.

Por José Albuquerque 

Na sequência da 1ª parte deste texto, cuja leitura recomendo aos que não o leram, por lá encontrarem informação que me vou eximir de repetir, nomeadamente no que toca às legendas ao quadro abaixo reproduzido, vou agora, nesta 2ª parte, reflectir e comentar a síntese dos “R&C” da osgasad nos 3 primeiros trimestres (julho de 2015 a março de 2016) do exercício terminado em 30 de junho passado, por forma a sustentar uma espécie de previsão para os resultados que as osgas vão obter no 4º e último trimestre (abril a junho) e, consequentemente, os seus resultados finais anuais.

Recordo-vos que tenho por objectivo não só desmascarar a alegada “situação de equilíbrio financeiro” com que o Al Calotes tem enchido a boca e lançado uma espessa nuvem de fumo contra a mérdi@ e os carneiros seus adeptos, como também para provar que qualquer junta letras que se quisesse assumir como Jornalista, não necessitaria de se esmerar em conhecimentos de Economia para ler os “R&C” publicados pela osgasad e, com recurso à mais elementar aritmética, perceber o buracão que por ali vai, só sustentável porque continuam a abusar da complacência benevolente de alguém que, no Novo Banco ou no Millennium, já lhes tinha concedido um descoberto bancário de quase 25M€, a preço de saldo, até final de março e, seguramente, insistiu nesse desavergonhado benefício até agora, numa escandalosa e impune agressão à Verdade Desportiva.
Além da já referida alegação sobre o “equilíbrio financeiro”, as agências de comunicação que os ajudam a coaxar também insistiram em que não teriam prejuízo caso não tivessem tido de, por ordem jurisdicional, aprovisionar o que quiseram roubar à Doyen (e, por tabela, ao clube argentino ao qual ainda terão de pagar a justa compensação pela formação do Rojo, nela incluindo a verba competente pelo empréstimo do Nani que receberam), “mesmo sem vender nenhum atleta, porque não estamos vendedores e até já recusámos uma oferta de 80 milhões”.
Além de todas estas imbecilidades, também li, ou ouvi, ou ambas, um certo sapo televisivo a gabar-se de “neste 3º trimestre, até tivemos lucro” ...

Ora bem e começando pelo fim, os resultados da osgasad, no 3º trimestre (janeiro a março) só foram ligeiramente positivos por duas razões: pelo óbvio empolamento do negócio da troca do avioncito pelo barcos (reparem na brutal imparidade que tiveram de registar na linha das amortizações), como, principalmente, pela desavergonhada manipulação do valor das componentes de “Match Day” (bilheteira e bilhetes de época), para o qual registaram mais de 4,5M€ quando só tiveram um único desafio da Euroliga lá no wcxixi.
Muito me surpreenderei se, no “R&C” final, que, ao contrário destes, terá de ser auditado, não viermos a assistir a uma “correcção” destes valores de 31 de março e cá estaremos para o confirmar.

Mas, genericamente, mesmo aprovisionando (14,7M€) bastante menos do que vão ter de liquidar à Doyen (e ao clube formador do Rojo), incluindo a parcela dos juros que continuam a acumular, mesmo vendendo um dos seus melhores ativos, mesmo continuando a banquetear-se com as escandalosas benesses bancárias dos bancários que conseguiram encalacrar, mesmo com sucessivos calotes pendentes em Tribunal (e não aprovisionados), mesmo ..., mesmo ... e mesmo assim, vão ter de apresentar um prejuízo anual que vai ser mais do dobro (ele não falava em “dupla almofada”?) do valor que aprovisionaram (e que não chega) para pagarem o que devem pela tentativa de burla no caso Doyen.

Tal como eu já tinha escrito, o desvario com o visconde novo já leva a osgalhada a gastar em salários ao departamento de futebol, bem mais do que a Nossa SAD e mesmo numa época em que não tiveram de pagar prémios por conquistas, uma vez que até os 100 mil € a que o judas teria direito por aquela tarde no estádio do Algarve, parece que foram pagos na forma de 2 camarotes oferecidos aos fans do chiclas.
Entretanto, paulatinamente, na mesma medida em que os seus melhores futebolistas lhes vão exigindo prémios para renovação de contratos e na mesma medida em que o judas lhes exigir a contratação de futebolistas de algum gabarito, que não estejam em fim de carreira e que não consigam por empréstimo, vai ter de continuar a crescer o valor contabilístico do seu plantel e, consequentemente, o custo das respectivas amortizações.

Até há um ano atrás, a osgalhada tinha várias vantagens comparativas (em relação à Nossa SAD, por exemplo) ao nível dos custos, a saber: (1) o nunca suficientemente desmascarado “perdão de juros bancários”, (2) custos salariais que se ficavam pela metade dos Nossos e (3) custos baixíssimos em amortizações contabilísticas dos passes dos seus atletas, fruto de anos de aquisições de roscas e um plantel formado por jovens oriundos de alcoshit, reforçados por entradas “a custo zero” de futebolistas trintões.
Acumulando essas três vantagens com a burla perpetrada à Doyen, lá conseguiram evitar (?) os avisos da UEFA, em sede de FPF, que herdaram do tempo do engenheiro dos paquetes e lançar o embuste dos “vinte e tal milhões de lucros”, no verão do ano passado.

Passado um ano, com custos salariais (sem prémios, repito) que já ultrapassam 70% dos seus Proveitos Operacionais e com um défice estrutural que, na minha humilde opinião, ultrapassa os 20M€ anuais, como é que a mérdi@ vai continuar a permitir que o babalú prossiga impune na tarefa de manter os carneiros hipnotizados com os “não estamos vendedores” e/ou “recusei uma oferta de 80M€”?
E convém não esquecer que, ao contrário do que dizem (“esta época não tivemos receitas da UEFA”, quando tiveram mais de 12M€), não vejo por onde as osgas podem aumentar muito mais os seus Proveitos Operacionais, pelo que só mesmo vendendo passes de futebolistas é que podem conseguir pagar o descoberto bancário em que andam a nadar.

Mas, ó Zé, se as osgas venderem o careca e o sir não conseguem ter lucros para este próximo ano?
Claro que poderiam, mas, para que isso aconteça, duas coisinhas são necessárias: que haja quem lhes queira comprar e que o Al Calotes esteja para aí virado.
É que o babalú está como sempre quis!
Deve guita a toda a gente, parece ter crédito ilimitado (eu estimo que o descoberto já tenha ultrapassado os 35M€), não afronta o judas com saídas de jogadores e continua a lambuzar-se com um salário que nunca antes tinha sonhado (15 mil €). Se estivessem como ele e também fossem caloteiros, digam lá o que é que preferiam: colocar em risco o apoio do técnico e a reeleição (vendendo jogadores), ou continuar no mesmo mamar doce?

Como sempre, fico ao vosso dispor para qualquer assunto que queiram deixar na caixa de comentários.    

Viva o Benfica! 

PS; Não deixem de ler (AQUI) a primeira parte da «Previsão (Vamos a “Contas”?)» 
Amanhã publicaremos o "desastre" dos andruptos...

sábado, 16 de julho de 2016

Previsão (Vamos a “Contas”?) – 1ª parte: Benfica.

Por José Albuquerque

Aproveitando estas curtas férias do Guachos, esperei algum tempo após a espuma dos dias da equipa da FPF, a ver se aparecia um jornalista, um só que fosse, a investigar e questionar as “contas” daquilo a que eles chamam “as SAD’s dos três grandes”: ainda bem que esperei bem refastelado e aviado de comes e bebes, ahahah.
Nada, Companheiros! Nem “unzinho” só e para amostra.

Não há cão (especialista), nem gato (opinador), que não encha a boca, e/ou os textos, com frases que sugerem já terem percebido como o factor económico é determinante para o sucesso desportivo a longo prazo dos clubes de futebol: eles são os “3 grandes”, os “tubarões”, os “clubes vendedores” por oposição aos “clubes compradores”, as complicações com a negociação da “massa salarial”, as comparações entre “orçamentos” dos clubes, as referências ao Fair Play Financeiro, enfim, uma miríade de chavões esgrimidos com uma assombrosa falta de vergonha, por pessoas que deveriam sentir a obrigação de ultrapassar a ignorância mais militante em relação a tudo o que tenha a ver com a análise económica e financeira da realidade dos clubes.
É impressionante a desfaçatez com que lemos, ouvimos ou vemos pessoas a falar, tantas vezes a especular, sobre a situação económica dos clubes, percebendo que essas pessoas continuam a olhar para um “R&C” como um burro para um palácio e sem lhes pressentirmos nem o menor esforço para compreenderem os temas que abordam. E é tanto mais impressionante, porque não estamos a falar de assuntos da engenharia aeroespacial, da neurocirurgia ou da investigação bioquímica de ponta. Bem ao contrário, estão em causa tópicos tão corriqueiros que eles os referem todos os dias, várias vezes ao dia e, para cúmulo, sobre os quais tiveram de fazer cadeiras universitárias.
E se os jornalistas generalistas já não têm desculpa para essa ignorância militante, o que dizer daqueles que, com diversos graus académicos em ciências económicas e anos sem fim de jornalismo especializado, continuam a permitir que aldrabões compulsivos como o Al Calotes afirmem que “estamos financeiramente estáveis” sem serem desmascarados ou, no mínimo, imediatamente contestados.

Todos sabemos, bem demais, porque é que “isto” sucede: porque, não os havendo suficientemente independentes, em Portugal são muito raros os Jornalistas, se é que ainda sobrevive algum.
E não nos podemos espantar, porque vivemos no país em que o Jornalista que alertou para a desbunda no BPN (10 anos antes da bronca), viu a sua carreira posta em causa de tal forma que quase se viu forçado a emigrar, tal como, bem recentemente, vimos o poder político democraticamente eleito atirar-se como gato a bofe, ao Director da TV que alertou para a iminente resolução do Banif.

Não, Companheiros, já não é só de um certo mercantilismo jornaleiro que se trata: é de uma mérdi@ quase completamente condicionada e capturada por complexas redes de interesses e favores, ainda por cima servida por gente sem nenhuma vocação para a profissão, forçosamente obcecados pela mais elementar sobrevivência económica.

Ora é neste cenário que os dirigentes andruptos e da osgalhada coçam as barrigas de satisfeitos, quando sabem que as “Contas” finais deste último exercício só as vão ter de comunicar em finais de outubro próximo, já sob a camuflagem dos discursos demagógicos sobre as bolas que bateram na trave e, claro, sobre as apintagens, evitando, desse modo, uma natural contestação de muitos dos seus adeptos, caso os mérdi@ publicassem uma visão crítica correta sobre a situação económica desses clubecos, nomeadamente se a acompanhassem por previsões sérias sobre os valores que, inapelavelmente, vão ser publicados em finais de outubro.

Em vez disso, continuam as tiradas sobre “recusei uma oferta de 80 milhões”, a resistência andrade à saída do “topo gígio”, isto para já não falar muito sobre a insistente mentira “o Presidente do Benfica quer fazer 200 milhões em vendas”.
Será que o Companheiro Benfica Eagle, que, num passado recente, publicou insistentes especulações sobre as alegadas  dificuldades financeiras do Nosso Clube, supostamente um efeito de uma também alegada insolvência do Grupo Promovalor e da consequente perda de credibilidade do Nosso Presidente junto dos Gestores do Novo Banco, já se terá arrependido de todas essas especulações e, principalmente, por as ter concluído num boato segundo o qual o Presidente se preparava para “vender Atletas até conseguir 200M€”?
Acham que ele já se arrependeu?
Acham que ele já se deveria ter arrependido e, humildemente, desculpado?

Achem vocês o que acharem, eu sinto-me na obrigação de tentar demonstrar aquilo que espero que a Nossa SAD venha a publicar em termos dos resultados finais deste exercício que findou em 30 de junho e, já agora, fazer o mesmo para a osgasad e a andruptosad.
Com isso, desejo que o GUACHOS não só cumpra o seu papel de alertar os Leitores e os defender contra a demagogia de tofos os anti, Taliban incluídos, como, melhor ainda, demonstrar que não são necessários nenhuns recursos/modelos elaborados de ciência económica, para anteciparmos os números que vão chegar em outubro e, com eles, melhor perceber o que se vai passar até final de agosto, no que ao mercado de transferências respeitar.  

Comecemos pela Nossa casa: no quadro seguinte podem encontrar os elementos com base nos quais podem fazer a vossa própria previsão para a Demonstração de Resultados deste exercício, ou seguir os raciocínios elementares com base nos quais eu construí a minha própria estimativa. 
Comecem por não se assustar com a dimensão do que vos mostro, porque é muito mais simples do que parece. Eu explico ...

Do lado esquerdo, têm uma síntese da “Conta de Exploração” que permite demonstrar o “Res. Total”, ou seja, o “lucro” (se positivo), ou “prejuízo” do período em causa.
Um primeiro grupo de linhas que abarcam as principais componentes dos Proveitos Operacionais (1 Prov. Op): TV, prémios da UEFA, “Match Day” e Outros, que incluem, por exemplo, o merchandising, a publicidade e os patrocínios.
Um segundo grupo com as três principais componentes dos Custos Operacionais (2 Custos Op.): Pessoal (salários), Fornecimentos e Serviços (Externos) de Terceiros – FST’s e Outros (amortizações, etc.).
Um terceiro grupo que descreve as operações com passes de Atletas (3 ROPA), onde há Proveitos (os valores das vendas e empréstimos), o custo com as amortizações contabilísticas dos passes de Atletas e os outros custos (comissões, mecanismo de solidariedade, o custo do empréstimo do Mitro, etc.) decorrentes desse tipo de operações. Ou seja: o “Subtotal (3)” obtém-se subtraindo aos Proveitos as Amortizações e os Outros Custos.
Finalmente, uma linha com os (4 Res. Financ.) que sintetiza o saldo entre Proveitos e Custos financeiros (juros e outros), além de incluir os impostos a pagar em sede de IRC.

Assim, em cada coluna, o Resultado Total (última linha do quadro) obtém-se subtraindo aos Proveitos Operacionais (subtotal 1), os Custos Operacionais (subtotal 2), os Custos Financeiros (4) e somando algebricamente (adicionando se positivos, subtraindo se negativos) os valores de ROPA (subtotal 3).

Se olharem, agora, para as diversas colunas, reparem que as duas últimas correspondem à minha “previsão”, respectivamente, dos valores relativos ao 4º trimestre (PREV. T4 – abril, maio e junho) e dos valores finais anuais (PREV. ANO).
As primeira, terceira e sexta colunas (a negrito) apresentam os valores reais (arredondados a milhares de €) para os 1º, 2º e 3º trimestres do exercício, retirados dos Nossos “R&C”.
As colunas tituladas “Xm T1”, “Xm T2” e “Xm T3” apresentam os valores de média mensal em cada um desses três primeiros trimestres. Ou seja, cada valor na coluna “Xm T1” (por exemplo. UEFA – 3113) resulta do valor trimestral (9340) dividido por 3. A comparação, trimestre a trimestre, destas médias mensais, permite-vos não só “explicar” o que conhecem da realidade económica passada, como, ainda, apreciar a existência de tendências.
A coluna “Xm S1” corresponde à média mensal verificada durante os 6 meses do exercício (a soma dos 2 primeiros trimestres dividida por 6).
Finalmente, a coluna “Xm M9” apresenta as médias mensais, sobre os 3 trimestres, para cada linha (a soma dos 3 primeiros trimestres dividida por 9).

As minhas “previsões” para o 4º trimestre e o consequente resultado final anual.

Creio que este texto já vai demasiado longo para explicar, em detalhe, os raciocínios que me levam a apontar para os números que podem ler na penúltima coluna do quadro, que definem um “lucro” trimestral de 36,5M€ e, assim, estimam um “lucro” final anual acima dos 27M€.
Sinceramente, prefiro que cada um dos Leitores analise os números dos três primeiros trimestres e, com base nas informações que leu (viu e ouviu), faça as sua próprias “estimativas” e, se possível, reporte na caixa de comentários a conclusão a que chegou.
Desse modo, posso dar por concluído este texto, ficando ao vosso dispor para, na caixa de comentários, debatermos os vossos contributos e ficando com tempo para ir preparar os dois próximos textos, nos quais repetirei este exercício agora orientado para a osgasad e a andruptosad.

Como estou a receber telefonemas e SMS de Companheiros que me pedem que comente (ou esclareça) as notícias segundo as quais os chineses que compraram o Inter de Milão estariam a tentar rodear as limitações do Fair Play Financeiro, nomeadamente comprando passes de atletas (falam-me da osga careca) através do seu clube na China e, posteriormente, utilizá-los em Itália a título de empréstimo, deixem que vos diga o seguinte ...
O Comité de Verificação do FPF da UEFA, no caso dos 2 clubes detidos por grupos árabes (Man. City e PSG), não se deixaram enganar por contratos de Sponsor de valor altíssimo e, considerando-os como “fora dos valores de mercado”, procederam à respectiva “correcção”, resultando na aplicação de multas e limitação nas inscrições aos clubes prevaricadores.
Por isso, vai cair-me o queixo até aos joelhos se, agora e confrontados com esta chinesice, eles não fizessem o mesmo, “corrigindo” o custo desses eventuais empréstimos de tal forma que seja anulados os efeitos da chinesice.
Aliás e como sabem, eu já aqui defendi que a UEFA deveria proceder de igual modo quanto à benesse bancária com a qual a osgalhada está a distorcer a Verdade Desportiva desde há três anos.

Viva o Benfica!