domingo, 16 de setembro de 2012

Meter a bola na baliza...

O futebol é uma coisa simples! 
11 tipos de cada lado, uma bola, 2 balizas, uma linha virtual (fora de jogo) que o disciplina e torna interessante e uma equipa de arbitragem que controla o jogo (e o resultado)...
São precisas apenas 17 regras (simples) que fazem com que o jogo seja entendido pela maioria, tornando-o no desporto mais popular do mundo!

Era assim (simples) o futebol nos meus tempos de menino, quando pela mão do meu pai já ia feliz e contente ver o Freamunde jogar...
Que bonito ver jogar o Ernesto e o Amâncio, o Couto e o Viana; sobretudo o Santana!
Sim, esse mesmo, o nosso Santana, o grande Santana que acabaria a carreira em Freamunde, como jogador-treinador, de quem tive o prazer de mais (muito) tarde conhecer pessoalmente...
Aquilo era meter a bola na baliza pelo menos mais uma vez que o adversário, chamar nomes ao árbitro (éramos sempre roubadinhos) ir para o café discutir os 34 penalties que o 'tratante' não assinalara a nosso favor, beber mais uma sagres, jogar uma 'suecada' no café (tasco) Teles ou à 'lerpinha' no café do Américo, e ponto final.
Domingo próximo haveria mais...

Desde esses tempos tão longínquos que aprendi que o que interessa mesmo é 'meter a bola na baliza'!
O meu pai dizia-me sempre; os melhores são os que metem a bola na baliza! - Deixa para lá aqueles que fintam até perder a bola; esses jogam para eles próprios e fazem a felicidade de uns quantos, mas quem nos faz feliz a todos, são os que a metem na baliza...
Não tenho dúvidas que essas sábias palavras influenciam ainda hoje o respeito que tenho pelos Cardozos desta vida...

É certo que o futebol evoluiu imenso, física, técnica e tácticamente, mas os princípios básicos continuam os mesmos; é preciso evitar que nos marquem golos e continua a ser preciso marcar mais um golo que o adversário...
Defender bem e atacar melhor, mas...meter sempre a bola na baliza...

Se qualquer um de nós pudesse tornar-se jogador por um dia, em que lugar se sentiria mais à vontade? 
- a defender ou a atacar?
Lá atrás, rodeado de colegas, esperando o adversário, ou indo quase sozinho para cima de uns quantos abrutalhados defesas?
É isso mesmo; defender é a parte simples do futebol!
Qualquer tipo bem preparado fisicamente pode fazer um lugar a defender e apenas precisa aprender a colocar-se em campo!
Já atacar...
É que não basta ser aplicado na táctica e fisicamente forte e bem preparado...
É preciso ter talento!

Com os treinadores passa-se algo de muito parecido...
Pôr a equipa a defender bem qualquer um o faz. 
Para pôr a equipa a atacar bem, a coisa já se complica bastante, mas alguns ainda dão um jeitinho...
Pôr uma equipa a defender bem e ao mesmo tempo atacar com qualidade e eficácia é que 'a porca torce o rabo'...
Pôr um jogador a defender bem e atacar melhor é o cabo dos trabalhos!
Por isso é que aqui agarrados às teclas, somos os melhores treinadores do mundo...

Por isso é que a maioria dos treinadores são bons a armar equipas a defender!
O pior é quando também querem atacar e a manta se torna curta!
O pior é fazer com que os jogadores mais talentosos de exponham pela equipa, defendam em quantidade e sobretudo com qualidade; é que só com defesas ninguém ganha jogos!

Por isso é que o problema do Benfica não é se fica sem um médio que quase só defendia ou se fica sem um defesa central!
O problema do Benfica é saber se o treinador consegue pôr os talentosos a defender, com arreganho, empenho e sobretudo eficácia!
Esse é o problema!

Se conseguir fazê-lo, é no ataque que se fará a diferença!
É lá que estão os que decidem os jogos!
É lá que está o talento!
Esta é a visão simples do futebol!
As tácticas mirabolantes, as estratégias e os mind games, as complicadíssimas visões do Freitas Lobo, as estúpidas considerações do Joaquim Rita ou as patéticas explicações do Ribeiro Cristóvão, só provam que o futebol simples, aquele que (quase) todos entendem, é o único que interessa...
No fundo resume-se a isso!
Meter a bola na baliza...

3 comentários:

  1. Se o árbitro a pensar como há-de agradar a quem o mete na final da "champions" assim o considerar ou se um fiscal-de-linha desconcentrado, a pensar que a cara-metade anda enrolada com o padeiro não levantar a bandeirola.
    Essas pequenas decisões, quando mal tomadas, podem custar campeonatos, não interessa quantas vezes meteste a mais a bola na baliza dos adversários antes disso!
    Penso eu de que...

    ResponderEliminar
  2. Amigo Lawrence, está entre parentesis, mas está lá...
    "11 tipos de cada lado, uma bola, 2 balizas, uma linha virtual (fora de jogo) que o disciplina e torna interessante e uma equipa de arbitragem que controla o jogo (e o resultado)..."

    ResponderEliminar
  3. Quando me lembro do Gamarra, penso logo que para saber defender com qualidade é preciso ter talento!

    ResponderEliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.