sábado, 28 de dezembro de 2013

O Benfica depois de Vieira. Um Parlamento no Benfica.

Por José Albuquerque
 
Não sou formado em Ciência Politica, nem politólogo, mas sempre vivi o Benfiquismo num misto de paixão e de razão e acredito que temos de repensar a legitimidade democrática no Clube, adaptando-a ao século XXI, á dimensão que já conseguimos e tentando projetar eficazmente os Nossos Valores nos sonhos de um futuro cada dia mais ambicioso.
 
Que fique muito claro que, com estes raciocínios e sugestões, não estou nem a colocar em causa a democraticidade no Benfica, muito menos a legitimidade, que é absoluta, dos Nossos Corpos Sociais. Aliás, considero verdadeiramente miseráveis aqueles que, fazendo tábua rasa desse Nosso Valor essencial, se recusam a aceitar ser apenas uma ínfima minoria, não hesitando em vilipendiar os “83%”, em lançar a mais vil suspeição sobre o voto electrónico, chegando ao absurdo de comparar o Nosso Clube e os Nossos legítimos dirigentes com pretensas “ditaduras” e “ditadores”: trata-se dos mesmíssimos demagogos que se servem do pouco que sabem para, manipulando e mentindo, inspirar o discurso dos anti com as abjectas alegações de “falência”, “buracos” e “comissões”.
 
Ainda assim, confesso que gostava de testemunhar uma progressivamente maior participação dos Benfiquistas na vida do Clube, ou, se preferirem, uma maior presença do Clube e do Benfiquismo na vida de quem o ama.
 
Dir-me-ão alguns que não passo de um romântico, idealista e iludido, uma vez que a maioria dos Companheiros só quer que o Clube lhes ofereça vitórias com as quais possa reforçar uma autoestima periclitante, estando nas tintas para tudo o resto. Dir-me-ão outros que me estou a preparar para copiar a osgalhada, propondo uma cópia do conselho osgalhino que sirva de palco formal para os Nossos papagaios mais notáveis.
 
A uns e outros respondo pela negativa, mesmo que me agrade a ideia de sentir que o Nosso Clube vai continuar a ser um baluarte de ideais e um campo fértil para os concretizar. Já quanto aos “Benfiquistas nas Vitórias”, confesso que me não preocupam muito, quer porque os creio simples Adeptos, quer porque acredito que o número crescente de Vitórias os vai “educar” progressivamente. 
 
Convido-vos a pensar o futuro …
Um Benfica ainda Maior, ainda mais Universal, ainda mais poderoso e complexo dos pontos de vista desportivo, económico e financeiro e … ainda mais Vencedor. Por exemplo, o Benfica de 2030.
Um Benfica indiscutivelmente líder na esmagadora maioria das modalidades desportivas praticadas e, por isso mesmo, com uma ainda maior responsabilidade desportiva, económica e social.
Um Benfica num mundo ainda mais carente de Valores, que já não usa papel, nem “correio” e, quem sabe, que se prepara para ultrapassar as fronteiras do planeta.
 
Caramba!
Eu nunca fui invejoso, mas … se me ponho a sonhar assim, vou acabar invejoso, hahaha.
 
Um Benfica ainda mais impossível de governar a partir de formas de democracia directa como as AG’s, corre o sério risco de se tornar mais “presidencialista”, talvez mesmo “elitista” e isso seria, de algum modo, contrário á Nossa idiossincrasia popular da qual tanto Nos orgulhamos.
Num mundo em plena revolução tecnológica e feito aldeia global pluridisciplinar, uma participação positiva de um número crescente de Sócios pode constituir uma enorme vantagem competitiva e eu não sinto que essa participação tenha de resumir-se ao papel da dinamização e democratização desportivas, embora considere que esse nível de participação deve continuar a ser o mais importante e necessário.
 
Então, porque não uma representação proporcional e legitimada do Universo Benfiquista?
Um conjunto de Sócios disponíveis para “pensar” o Clube e o seu futuro, para colaborar activamente com a Direcção na definição das opções estratégicas fundamentais, ou na preparação de alternativas a referendar, para melhorarem um diálogo permanente com os Benfiquistas que também quiserem colaborar, capazes de lançar ideias inovadoras e motivar gente competente para os detalhar, trabalhar, testar, discutir e, finalmente, preparar para que possam ser apresentadas ao universo dos Sócios.
 
Uma representação legitima de todos os Benfiquistas verdadeiramente representativos, um imenso fórum para todos os Nossos debates pertinentes e relevantes, uma “entidade” capaz de cumprir os papeis estatutários da Mesa da Assembleia Geral e do Conselho Fiscal, composta por Companheiros que podem desempenhar papeis como os do tipo de um “Provedor”, de um “Advogado do diabo”, ou de um “Promotor de Justiça”, quer para dentro, quer para fora do Benfica e do Benfiquismo.
 
Um fórum subdividido em “Comissões”, tantas quantas as necessárias: uma para a fiscalização das “Contas”, uma para a “Revisão dos Estatutos”, mais uma para cada projecto que tenha recebido uma primeira luz verde de validade conferida por uma maioria do próprio fórum, uma para as “novas modalidades”, todas, elas próprias, fóruns de estudo, debate e produção de projectos.
 
Um fórum composto de eleitos em listas alternativas, com a representatividade assegurada, por exemplo, pelo método de Hondt. Um fórum “reforçado” por outros eleitos representativos, direta e indirectamente, como todos os elementos da Direcção, Administradores da SAD, Directores das modalidades, Casas do Benfica e Directores dos vectores económicos.
 
Um imenso fórum sem nenhuma responsabilidade executiva de gestão, completamente orientado para a critica construtiva/alternativa do presente e dirigido ao futuro estratégico. Um fórum capaz de motivar e recolher todos os contributos válidos dos Benfiquistas, optimizando a respectiva eficácia.
 
Uma “loucura”, é o que é!
 
E, agora, a melhor parte, hahaha: um fórum quase sem custos, além de um secretariado mínimo e de um “software” já disponível no “baixaqui”!
Tudo por puro amadorismo, tudo por e pelo Benfica!
E esta, hein?
 
Como concretizar uma tal “loucura”?
Bem, como em tudo na vida (eu sou macaco velho, hahaha), transformando a “loucura” num projecto escrito, discutido e aprovado por um número significativo de Sócios Proponentes.
Segunda fase … um teste de aceitação geral, já promovido pelos Nossos Corpos Sociais.
Seguidamente e esta é outra faceta que me agrada muito, ela pode ser implementada a titulo experimental, já nas próximas eleições, mesmo antes de uma eventual formalização estatutária e com o primeiro objetivo de elaborar duas alternativas para o seu próprio “Regimento”, bem como as necessárias correcções estatutárias que a poderiam tornar “legal”.
Essa fase, digamos, experimental, permitiria que todos tomássemos verdadeira consciência do alcance e impacto que um tal “Parlamento” poderia alcançar.
 
Na pratica, este Nosso Parlamento mais pareceria um imenso “blogue” Benfiquista (ou uma rede de blogues temáticos), com a imensa diferença de ser regulamentado, orientado para o aproveitamento das competências dos Benfiquistas (e não das suas fraquezas e/ou frustrações) e para a sua transformação em projectos referendáveis.
 
Quanto mais penso nisto … mais a ideia me apaixona e mais razões encontro a seu favor.
 
Viva o Benfica! 

23 comentários:

  1. Por mim sou adepto de uma estrutura o mais simples possivel, com um minimo de gente envolvida e com o minimo de gente apta ou com pretenções a dar palpites. Quanto menos gente opinar melhor. Quanto menos gente estiver envolvida em negócios ou na gestão da SAD: melhor. No futebol, então, ainda menos. Um treinador escolhido a dedo (por isso gosto tanto de Jesus) que goste e cultive o quero posso e mando, e que seja responsabilizado por isso - tal como o presidente.
    Sou frontalmente contra qualquer coisa que dê de comer à comunicação social sanguessuga e que só serviria para dar protagonismos a uns quantos papagaios e criar ainda mais polémicas. Tudo o que cheire a orgãos consultivos, do tipo conselho leonino e outras paneleirisses, sou absolutamente contra.
    Resumindo - quanto menos gente estiver envolvida nos assuntos do clube: melhor.
    Abraços

    ResponderEliminar
  2. Sabem porque é que a Liga Alemã é hoje considerada a melhor do mundo?

    É só saber como são geridos os clubes!

    Cumprimentos,e está dado da minha parte um grande contributo para esta troca de opiniões.

    Pesquisem,e vão ter grandes surpresas.

    ResponderEliminar
  3. Só os dois primeiros parágrafos servem para que tal projecto seja impossível de se concretizar.

    ResponderEliminar
  4. José: creio que a tua ideia é extremamente generosa, mas no actual contexto, enquanto o polvo não for aniquilado não creio ser exequível ! A tua ideia exige transparência total, o que no actual contexto seria aproveitado até a exaustão por quem domina o sistema, lançando benfiquistas contra benfiquistas como o tentam sistematicamente fazer, como tu bem o sabes! Se a tua ideia seria aplicável já noutro contexto, não vale a pena para já a sua discussão aprofundada, até porque não dou por garantida a vitória da decência, e dos valores, neste país corrupto... abraço
    ps: apesar de aparentemente pouco democrática o sentir do Guachos, neste momento, me parece mais defensável...e olha que eu tenho militado em favor de um aprofundamento democrático no pais, através dos orçamentos participativos em cada municipio etc.

    ResponderEliminar
  5. Caro José Albuquerque...concordo com grande parte do texto mas não podemos correr o risco de deixar criar um "Tribunal Constitucional" no Benfica, constituído por gajos do NGB-Nova Geração Rasca ou pelo puto Bruno Paspalho...seria lindo...

    ResponderEliminar
  6. Meu caro consórcio, apesar de me considerar um democrata na verdadeira acepção da palavra, não acredito na democracia no futebol. Não acredito por variadíssimas razões, algumas que já afloraste ao de leve, e muitas mais, todas elas que desaconselham tal ideia. Sou frontalmente contra. Prefiro alguém a decidir, mesmo que nem sempre decida bem ( aí entra a democracia em que acredito - as eleições) do que ter varias pessoas a meter o bedelho e a enviar noticia para os jornais....
    Democracia? sim, obviamente. Nas eleições.

    ResponderEliminar
  7. Totalmente de acordo com o GV.
    Então como é que um SLB Empresa, poderia ser gerido ao sabor de tantos entendidos?
    Um gestor, vários diretores e acima de tudo lealdade empresarial, julgo que tem sido o sucesso do LFV.
    O resto com falta de vitórias, endividamento, falta de estratégia ... é bluf dos antis!

    ResponderEliminar
  8. Companheiros,

    Expliquei-me mal, hahaha.
    Releiam com cuidado, especialmente a frase "Um imenso fórum sem nenhuma responsabilidade executiva de gestão ...".

    Um Forum formado por elementos eleitos em listas (o que implica uma maioria que apoia a Direcao) completado por membros por inerencia (o que implica um reforco dessa maioria).

    Reconheco que sou um idealista, mas nao me julguem .. "to'to'", hahaha.

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda assim meu caro amigo, sou muito cético em meter debaixo da alçada do Benfica qualquer coisa que possa implicar discussões que só interessariam a quem quer criar confusões....o papel que os blogs agora fazem, chega perfeitamente. Pelo menos a mim assim me parece.
      Se não passar pelo Benfica a gestão desse parlamento, não me parece que seja muito diferente do que agora acontece com a blogosfera...

      Eliminar
    2. Enormerrimo Guachos, Amigo e Companheiro,

      Repara na parte final do texto: "Na pratica, este Nosso Parlamento mais pareceria um imenso “blogue” Benfiquista (ou uma rede de blogues temáticos), com a imensa diferença de ser regulamentado, orientado para o aproveitamento das competências dos Benfiquistas (e não das suas fraquezas e/ou frustrações) e para a sua transformação em projectos referendáveis".

      Viva o Benfica!

      Eliminar
  9. Caríssimo José Albuquerque, mais um enorme post e um grandioso contributo para a visão e construção do Benfica do futuro! A forma eloquente e estruturada do que sugeres, merece bem mais do que a recusa liminar... Até porque se o conceito geral pode ter difícil aceitação, é da discussão que se geram pontes de conhecimento e base para novas perspectivas.
    De certa forma a tua proposta é... tão perfeita que faz lembrar um pouco a organização sublime da utopia de Thomas More, onde todos vivem em harmonia e trabalham para o bem comum, numa sociedade irrepreensível... o que alguns questionam é se o futebol português e o Benfica estará preparado para esse modelo tão absolutamente democrático, bem pensado e organizado ( facto, que até soa estranho dizer )!
    Confesso, aliás... que estava a preparar a apresentação de uma ideia com alguns pontos de contacto com o que agora apresentas ( algo semelhante a uma versão simplificada e de bolso da tua proposta... com uma finalidade primeira diferente e partindo também de uma abordagem diferente )... pelo que hesito agora, se ainda valerá a pena.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enorme Mathayus, Companheiro,

      Se te mereco alguma consideracao, entao aproveita o que de melhor possa existir neste texto e nos comentarios que provocou e nao deixes de acabar o trabalho sobre essa tua ideia (seja ela qual for), porque eu gostava de pensar sobre ela e de a comentar.

      Viva o Benfica!

      Eliminar
  10. Enorme José Albuquerque.

    Eu não me preocuparia muito com essas derivas Trotskistas da democracia directa dessa gente.

    Mal eles se apanharem com o poder nas mãos farão à dita democracia directa o mesmo que o Enver Hotcha fez na Albânia que é mais ou menos o que fazem aos comentários que não lhes agrada lá nos espaços onde já conquistaram o poder.

    ABraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enorme Carlos Alberto, Companheiro,

      Hahahaha, tu es ... "impagavel", hahaha.

      Garanto-te que nao estou (nada de nada) preocupado com nenhuma dessas minorias de que falas, ate' porque nao as vejo a, nem sequer, conseguir formar uma candidatura e um programa, muito menos chegar aos 25% dos votos.

      O que me preocupa e' criar um sistema de representacao que aproxime os Socios (e ate' os simples Adeptos) das opcoes estrategicas alternativas que possam existir para o Clube.
      O que me preocupa e' tentar criar condicoes para que Benfiquistas como tu, como o Guachos, o Artur GB (porque nao?), o B Cool, o V. e todos os outros que quiserem ajudar, nao tenham um "interlocutor" com legitimidade democratica e completamente livre da gestao corrente do Clube.
      O que me preocupa, por exemplo, e' ver que um Companheiro como este Nosso IA ja' poderia ter ido ainda mais longe no seu trabalho sobre a BOIADA, caso tivesse alguma ajuda.

      E tambem me preocupa a consciencia de que so' as AG's eleitorais ainda fazem sentido, enquanto os Estatutos continuam a prever a realizacao de muitas outras que so' servem para criar problemas.
      E tambem me preocupa que os Nossos Estatutos continuem a definir um orgao como o Conselho Fiscal, que ja' nao serve para nada, quando eu sinto falta de uma verdadeira "Verificacao das Contas".

      Etc., etc., etc.

      Viva o Benfica!

      Eliminar
    2. Excelente Carlos Alberto e com toda a razão.
      E a ser à Enver Hoxha logo à partida o Barbas estava logo fodido (quem não sabe que meta no Google que eu tenho mais que fazer :) ). Abraço
      Cumprimentos.

      Eliminar
  11. O funcionamento desse parlamento com reais benefícios na gestão, permitindo potenciar os resultados desportivos do Benfica não parece ser um exercício fácil de implementar. Basta passar os olhos pelos sites para encontrar uns quantos putativos candidatos a esse parlamento e constatar que utilizam tudo e mais alguma coisa para dividir o clube, poucos dos que se dizem simpatizantes conhecem/respeitam o lema ET PLURIBUS UNUM.


    As questões levantadas com a composição do conselho de arbitragem são deverás preocupantes para os adeptos de futebol.
    Inexplicável, Carlos Xistra no Nacional-Benfica.
    Nomeação estranha do Olegário Benquerença para o Sporting-Porto do dia 29/12/2012.

    Pouca sorte do Sporting, já no jogo do campeonato contra o F.C. Porto tinha sido nomeado um arbitro com o qual o F.C. Porto também tinha ganho todos os jogos arbitrados nas últimas 6 épocas e o mesmo volta a acontecer neste jogo da Taça da Liga, pois com o Olegário Benquerença o F.C. Porto também teve 100% de aproveitamento dos pontos em disputa, tal como teve com o Artur Soares Dias nas últimas 6 épocas.

    Partilhamos a nomeação para esta jornada da Taça da liga no blog http://influenciaarbitral.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aqui está algo que é muito importante, o sistema em pleno funcionamento à vista de todos, que o amigo Influência traz sempre à colação com muita propriedade e oportunidade, que são factos incontestáveis e que têm o condão de fazer regressar os benfiquistas à terra.
      Mas que não tem tido a devida saliência no mundo bloguista da "redosfera".

      Eliminar
  12. Companheiros,

    Hahahaha, ou esta minha "loucura" nao passa disso mesmo, ... ou eu "vendi-a" muito mal, hahaha.

    Creio ter entendido bem o verdadeiro teor das vossas criticas, mas, como sou teimoso como poucos, prometo voltar a este tema, depois de o repensar cuidadosamente e de lhe preparer uma apresentacao mais clara e objetiva.

    Sinceramente, Muito Obrigado a todos pela vossa critica.

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar
  13. Mais um bom post do José Albuquerque.

    No entanto contém um erro muito grave. A omissão daquilo que faz os Orgãos Sociais do Benfica serem, ao contrário do que diz, completamente ilegítimos. O presidente do Benfica não cumpre os estatudos do clube. A prova está aqui.

    http://geracaobenfica.blogspot.pt/2012/10/vieira-socio-do-porto-antes-de-o-ser-do.html

    O presidente já foi várias vezes confrontado com esta questão e, cobardemente, como não podia deixar de ser, fugiu. Luis Nazaré depois de cometer um atentado à História do Benfica, ao aceitar a candidatura, comentou em privado no dia das eleições: "se fôssemos a cumprir os estatutos não tínhamos candidatos".

    Este é um facto inquestionável, ninguém o pode negar, nem suavizar. É algo de uma gravidade extrema. Daqui a 50 anos vamos ter que contar aos nossos filhos e netos que o grande Benfica, outrora, elegeu um presidente que não cumpria os estatutos do clube.

    Aqui já sei o que vai acontecer. Como não há resposta possível, vão criticar o mensageiro. Vão dizer que o NGB ou o Eterno Benfica não têm credibilidade nenhuma. Vão ignorar cegamente as listas da Águia de Prata que estão expostas. Ou então a resposta mais engraçada, o Rangel também não cumpria os estatutos.

    Ninguém quer saber do Rangel para nada. LFV e a sua direcção estão em plena transgressão dos estatutos do clube. Admitam isso! Admitam que independentemente dos 83% ele NÃO PODE ser presidente do Benfica.

    Admitir isso seria, isso sim, dar início a uma discussão séria. Não o fazer, é ter um comportamento exactamente igual à minoria que tanto criticam. Um comportamento que envergonha e afronta o verdadeiro Benfica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este anónimo tem pinta de ser o fdp do JNF!
      O Vieira não está em transgressão nenhuma porque a partir do momento em que os candidatos são aceites pela AG do Benfica, a única que tem autoridade para aceitar ou negar candidatos, as eleições são totalmente legais.

      Por isso sendo eleitos num acto legal, dado pela AG do Benfica, o único órgão do clube com autoridade para o fazer de acordo com o Estatutos do clube, o Vieira está mais do que legal, por mais que os aziados e os imbecis continuem a malhar em ferro frio repisando e pensando que uma mentira repetida até à exaustão torna-se verdade.

      Esqueçam, desistam e aproveitem o ano novo para irem à bardamerda, deixem o Benfica em paz de uma vez por todas!!
      Se querem discutir vão vocês discutir uns com os outros para o c@r@lho que vos fod@!!
      Porra, estou farto destes merdas!




      Eliminar
  14. É caso para dizer que a... pergunta já contém a resposta:

    « Vão dizer que o NGB ou o Eterno Benfica não têm credibilidade nenhuma »!

    ResponderEliminar
  15. É só rir neste blog.

    Até o vieira, cobardemente como não podia deixar de ser, já esclareceu esta questão, com o seu silêncio.

    Vocês não devem ir às AG's, ou então são dos que estão lá à frente, e com a lambedura de botas ao chefe, nem ouvem as coisas. Mas ele já foi confrontado, pessoalmente, várias vezes sobre esta questão. E a sua resposta não podia ser mais elucidativa, um silêncio ensurdecedor. O que havia ele de dizer?

    Que entrava no gabinete do chefe da corrupção sem bater?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, aqui gostamos todos de nos rirmos. É por isso é que mandamos vir uns palhaços de fora.

      Eliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.