quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

O futuro Campeonato Europeu de Clubes.

Por José Albuquerque

Ao longo dos últimos dois anos e meio, este blogue divulgou uma quantidade de ideias e sugestões que bem poderiam (e deveriam, digo eu) servir de inspiração para qualquer Companheiro que entenda (re)candidatar-se aos Nossos Corpos Sociais e há, nessas páginas, propostas de todos os tipos e para todos os gostos.
Aliás e com a permissão do Guachos, do Mathayus e de todos os Leitores, aqui vou deixar o convite a alguém que tenha tempo disponível, para que promova uma recolha de toda essa vasta informação (vai dar trabalho, mas nós somos novos, ahahah) e, depois, uma ou duas vezes por ano, repetir a publicação de toda essa criatividade, como forma de a ir seleccionando, enquanto se estimula o salutar hábito de “Benficar”, no sentido de pensar o Nosso Clube.

Pelo meu lado e humildemente, eu continuo a sentir que o Glorioso, enquanto comunidade intergeracional, multicultural e plurinacional de Valores fundamentais e fundacionais, persiste ainda muito aquém dos seus limites de crescimento, razão pela qual considero que continuaremos longe de cumprir o Nosso Benfiquismo enquanto não investirmos o suficiente em projectos (cuidadosamente estudados e seleccionados) que apontem para que possamos, de facto, testar esses limites, quer desenvolvendo a participação dos Sócios e Adeptos, quer promovendo a divulgação de cada vez mais modalidades de prática desportiva, quer ampliando o âmbito espacial do Nosso Parque Desportivo.
Desde o exemplo mais unânime da Benfica FM, a uma Secção de Ciclismo (de estrada, pista e BMX) que viabilizasse, a prazo, a criação de Equipas de alta competição no Clube, à realização de eventos (eu adoro o conceito dos Nossos Campeonatos de “Sueca”) do tipo de “Congressos”, a criação de espaços para os chamados XGames, a formação de Árbitros (em todas as modalidades), a formalização de uma política de discriminação positiva ao desporto praticado pelas Nossas Companheiras, etc., etc., etc.

De cada vez que eu me lembro de reflectir sobre estes assuntos, a minha maior dificuldade é parar de identificar projectos e/ou conceitos que, associados à Nossa Marca, certamente revelariam potencial de sustentabilidade a longo prazo, condição necessária e suficiente para merecerem um estudo rigoroso e, eventualmente, algum investimento inicial do Benfica.
É claro que o futebol em geral e as suas (duas, por agora) Equipas profissionais vão continuar a constituir o Nosso “core business”, o que me parece implicar uma progressiva maior ambição na sua Gestão: não só estamos a falar da modalidade mais popular do Clube, como aquela em que maiores investimentos foram (e serão) realizados, aquela em que o Benfica parece deter um know-how mais desenvolvido no sentido da respetiva sustentabilidade (tantas palavras para dizer ... “Fábrica”) e, finalmente, aquela que pode libertar os recursos financeiros que hão de financiar todos os outros investimentos.

Ora bem ... depois desta longa, mas necessária, introdução, creio que ficou bem demonstrada a importância determinante de equacionar e repensar o futuro a longo prazo do Nosso futebol profissional.

Coerência, a pedra de toque da Gestão.

Qual é, para Nós, a maior restrição ao desenvolvimento do Nosso futebol?
Eu diria que é a pequenez (quantitativa) do mercado e (qualitativa) das competições internas e espero que quem não estiver de acordo me corrija na caixa de comentários.
Há mais clubes nacionais aos quais essa restrição também afecta, embora numa menor dimensão?
Sim! Todos os que ambicionarem ter orçamentos que contem com as receitas das provas da UEFA e/ou que pretendam realizar , rotineiramente, proveitos (ROPA) com a venda de passes de atletas.
E, em outros países europeus, há outros clubes aos quais se colocam o mesmo tipo de problemas, especialmente quanto à menor dimensão dos seus mercados internos e quando têm de competir com os clubes de Itália, França, Alemanha, Espanha e, sobretudo, da Premier League?
É evidente que sim! Todos os melhores clubes da Bélgica, Holanda, Dinamarca, Escócia, Grécia, Suíça, Sérvia e Áustria, pelo menos (países como a Turquia, a Polónia, a Hungria, as repúblicas Checa e Eslovaca, a Bulgária, a Ucrânia, outros países dos Balcãs e do Báltico, além da própria Irlanda), vivem num bloqueio de competitividade quando comparados com as maiores “potências” europeias.

Se pensarmos bem e em resultado do soberbo desempenho da Premier League, cujo sucesso à escala mundial e em termos de direitos televisivos, ameaça até a própria liga italiana a como que “descer um degrau”, nenhum clube daquela longa lista de países pode aspirar a ser competitivo com os clubes mais ricos dos 4 maiores campeonatos, especialmente os da Premier League.
Os Leitores mais assíduos do GUACHOS sabem que é por isto que eu venho defendendo que a UEFA, querendo impedir o “quase monopólio” da BPL e garantir que o futebol seja sustentável à escala continental, só tem uma solução viável: criar um verdadeiro Campeonato Europeu de Clubes (preferivelmente 2, com uma “2ª divisão”), a duas voltas e “todos contra todos”, esperando que a partilha desse mercado global, especialmente no tocante aos direitos de TV, viabilize um salto positivo na competitividade para fora dos tais 4/5 “campeonatos ricos”.

É óbvio que eu não espero que este projecto possa vir a ser apoiado pelos clubes da Premier League, além de que também os clubes espanhóis (a menos que a Catalunha se torne independente), alemães, franceses e italianos, só se motivariam a participar no caso de verificarem que a experiência já tinha sucesso, razão pela qual eu acredito que a iniciativa, embora não ignorando esses países, terá de partir dos outros.

Ora eu acredito que os principais clubes nacionais são, entre todos (talvez na companhia do Olimpiacos), aqueles a quem um tal projecto deveria mobilizar, arrastando a LPFP, a própria FPF e, até os clubes sem ambição de acederem às provas da UEFA, uma vez que poderiam ver mantidos os chamados “grandes” no campeonato nacional (através das suas equipas B), transformado numa competição também ela muito mais competitiva.

O “embrião” do futuro Campeonato Europeu de Clubes.

Com uma designação do tipo Copa de Clubes Europeus, parece-me completamente possível montar e organizar uma dupla competição (1ª e 2ª divisões) entre os principais clubes de Portugal, Grécia, Escócia, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Suíça, Áustria e Sérvia, com impacto mediático claramente compensador (porque os custos também serão maiores) quando comparado com as respectivas aturais competições internas e com a vantagem desses clubes nem sequer terem de as abandonar, podendo nelas participar com as suas equipas B.

Se as “Ligas” e Federações nacionais destes países aproveitarem uma tal oportunidade para, profissionalmente, desenvolverem um “produto” verdadeiramente competitivo (estamos a falar de um mercado “interno” de uma centena de milhão de consumidores, com importante potencial de “exportação”), não só os seus melhores clubes se vão poder aproximar do poder económico dos chamados “tubarões”, como, acima de tudo, demonstrar a viabilidade do único conteúdo futebolístico capaz de poder competir com a BPL à escala planetária.

Pensem neste conceito, Companheiros. Sintam-se à vontade para o melhorar e detalhar, dando respostas pertinentes aos primeiros obstáculos (como a qualificação para a Champions e a Euroliga actuais). Assumam, pelo menos um de vós, o papel de advogado do diabo e contribuam com todos os contrargumentos possíveis e imaginários. Falem deste conceito ao desgraçado do “cabeça d’unto” a quem o chão vai fugindo debaixo das patas (eu garanto que prescindo de quaisquer direitos de “autor”, ahahah).

Sinceramente e enquanto Benfiquista, eu não tenho a menor dúvida de que este degrau intermédio pode ser a solução para chegarmos, a longo prazo, ao desejado Campeonato Europeu de Clubes e foi por isso que tenho insistido junto do Presidente para que ponha alguém a trabalhar o conceito.
Somos um Clube que é maior que Portugal e que tem uma imensa audiência potencial na Europa central (em todo o planeta também) e que já comprovou a necessidade de prosseguir uma estratégia de internacionalização da Nossa Gloriosa Marca.
E ... temos um comprovado e inovador know-how consolidado na Nossa própria televisão (a BTV tem de ser omnipresente em tudo o que pensamos e fazemos), que pode ser determinante no germinar deste projecto.

Reparem e pensem no que é que levou a própria BPL a implementar (e financiar) a chamada “international Premier League”, para equipas sub23 e na qual temos participado, brilhantemente, diga-se, com um misto das Nossas Equipas B e sub19.

Vai ser por este caminho que vamos garantir a sustentabilidade, a longo prazo, do processo que Nos há de fazer regressar ao pináculo dos clubes europeus.

Votos de um Natal à Benfica, para todos os Leitores do GUACHOS VERMELHOS.

Viva o Benfica! 

17 comentários:

  1. Fica só uma sugestão para começar, ainda antes de chegar a essa Liga Europeia, que na minha opinião será uma questão de tempo, que tal trabalharem os diretos de TV internacionais num pacote em conjunto com esses países mais secundários? Por exemplo, se vendermos num pacote apenas os derbys de Portugal da Grécia, Turquia, Sérvia, Croácia, Polónia, Bélgica, Holanda, etc etc, seria bem mais interessante que vender um pacote com todos os jogos de qualquer uma dessas ligas individualmente…
    Um produto bem trabalhado, em que além do jogo se preparasse uma reportagem com o enquadramento do derby, talvez fosse um bom inicio para promover estas ligas menos atractivas.
    Abraço e Viva ao Benfica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enorme Paulo Matias, Companheiro,

      100% de acordo com este teu comentário/sugestão, que te agradeço.
      E vou mesmo mais longe, considerando que este projeto se deveria iniciar, exatamente, com uma época em que esse mercado específico fosse empactado por uma série de programas e transmissões que fossem "apresentando" aos adeptos dos países envolvidos os clubes que, na época desportiva imediata, iriam disputar a primeira edição da prova.

      Se eu não tivesse planos que me vão absorver para os próximos anos, garanto-te que investiria todo o meu tempo disponível nesta ideia.

      Viva o Benfica!

      Eliminar
  2. Amigo José,

    Em relação ao projecto de seleção e estudo das melhores ideias explanadas por essa Blogosfera acredito no conceito, cabendo ao Clube (dep.sócios?) organizar e seleccionar as mesmas. As AG's serviriam para que as ideias fossem apresentadas e debatidas.

    No que diz respeito ao Campeonato europeu de Clubes, é inquestionavel o benefício financeiro para o Nosso Benfica. No entanto esse "benefício", implicaria o "prejuizo" daqueles que dominam o Futebol Mundial.

    Estou curioso por ver o que os nossos consocios têm a acrescentar a esta ideia.

    Boas Festas
    Abc
    Fred

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enormérrimo Fred, Companheiro,

      Tu e o teu Companheiro de blogue têm feito um soberbo trabalho de "recolha" de ideias e sugestões para o Nosso Clube e eu espero que as continues a fazer chegar ao Nosso Departamento de Sócios.

      Mas, se quiseres e no caso de ideias mais complexas (não tendo de ser tão complexas como esta da qual aqui falei), eu sinto que Nós, os Benfiquistas, deveríamos fazer algo mais do que apenas remetê-las para o Clube.

      Pelo menos e enquanto o desenvolvimento inicial das sugestões não necessite de investimento material, eu considero que quem tem algum tempo disponível, conhecimentos técnicos nos assuntos e alguns contactos úteis, deveria tentar formar equipas de trabalho capazes de transformar as ideias em algo mais do que um simples "Sumário Executivo" e, depois, então sim, ir apresentar os resultados ao Clube.

      Viva o Benfica!

      Eliminar

  3. Caríssimo Guachos,

    Vou aguardar com expectativa soluções viaveis para uma liga desse tipo, mas não acredito que possa haver na Europa condições para isso acontecer no contexto actual, existe já um calendário demasiado exigente em compromissos.
    Poderia-se pensar em relação ao trofeu EUSÉBIO, porque não uma competição entre todos os campeões PALOP, aproveitando estas paragens de Natal, "Boxing Day à BENFICA" para as pools a eliminar e uma fase final na Pré-epoca como hábito. Numa 1ª edição Lisboa/Seixal, deixando o critério organizativo e moldes a quem de direito, se a ultima edição foi no México, não vejo qualquer impedimento de se realizar em Maputo, por exemplo,
    Se existe o cuidado de pensar numa 2ª divisão Europeia, porque não uma 1ª Divisão dos paises "PORTUGUESES". A essencia e o simbolismo de um dos nossos maiores simbolos, saíria com certeza AINDA mais dignificada e daria bastante sentido a essa eventual competição. A adessão, principalmente dos países Africanos, seria gratificante, e quem sabe, não se poderá descobrir mais um diamante.
    Cumprimentos
    Bento

    ResponderEliminar
  4. Caro José Albuquerque,

    A ideia é interessante, sobretudo como medida de pressão sobre a UEFA para se fazer o tal Campeonato Europeu verdadeiro de q falamos há tantos anos.

    Considero q, à partida, se não incluímos os clubes das principais ligas europeias, estaríamos a falar da 2ª e 3ª divisões europeias o q não se coaduna c/ os pergaminhos do Benfica.

    Parece-me 1 projecto útil para o proençinha tentar manter-se à tona da água e dar 1 balão de oxigénio a corruptos e lagartos... não gostaria de ver o Benfica a dar a mão a quem nos tem feito tanto mal ao longo dos últimos 35 anos... tb não me parece q é demasiada areia para a camionete da figurinha q preside actualmente à liga.

    Compreendo q o Benfica, sozinho, dificilmente conseguirá o Campeonato Europeu c/ todos os melhores clubes - talvez em junção c/ outros grandes clubes dos países q refere - Ajax, PSV, Anderlecht, Olimpiakos, Galatasaray, CSKA, Zenith ou PSG consiga fazer pressão.

    Os modelos seriam os do Brasileirão ou da NBA, embora me agrade mais o da NBA c/ duas Conferências de 15 equipas, Norte e Sul ou Este e Oeste, separando, por exemplo, Alemanha e Itália de Inglaterra e Espanha, com apuramento das melhores 8 para 1 play-off final.

    ResponderEliminar
  5. Glorioso Albuquerque,

    Defendo esta solução à bastante tempo.
    Em condições normais, já deveria existir na Europa, uma Liga de Futebol, idêntica às principais Ligas Norte-Americanas de desporto profissional.

    O principal entrave tem sido a UEFA, que não quer perder a Champions, e tem medo de um novo modelo de negócio, onde pode perder os actuais lucros pornográficos... O mais 'estranho' nisto tudo, é que os Clubes permitem que seja a UEFA a distribuir os lucros, quando podiamos ter uma Liga, composto pelos próprios Clubes, a distribuir o dinheiro entre eles, sem 'intermediários'!!!

    As principais Ligas Europeias, actualmente bastante lucrativas como a Inglesa, a Espanhola e a Alemã também não serão fáceis de convencer... Mas mesmo em Espanha e na Alemanha, o fosso entre os Grandes e os outros, é gigante: jogos de 10-2 como o último Real-Rayo, não é bom para o negócio do Futebol...

    Mas com os actuais problemas de credibilidade na FIFA e na UEFA, abriu-se uma janela de oportunidade... acho mesmo que os Grandes Clubes dos mercados mais pequenos, devem-se mexer: Benfica, Ajax, Anderlecht, Olympiakos, Galatasaray... Creio que até Clubes como o PSG o Marselha... e os Italianos, ficariam muito contentes com esta solução...

    A possível independência da Catalunha, pode ser o catalisador. Como é óbvio o Barça nunca iria jogar numa Liga Catalã, poderia jogar como convidado na Liga Francesa, mas isso iria abrir um precedente que a UEFA em condições normais, não aceitaria... A criação de uma Liga Ibérica, também seria sempre um meia-medida, porque a partir do momento que a UEFA aceita uma Liga com 3 países, estaria a abrir a janela para o tal Campeonato Europeu de Clubes...

    Abraços

    ResponderEliminar


  6. Será que o grande problema para existir um campeonato europeu não são as datas? E os clubes mais pequenos de cada liga, a tentarem limitar essas datas. Não serão esses clubes mais pequenos, de cada liga, os primeiros a colocarem entraves a uma competição europeia alternativa? Muito antes dos clubes das ligas inglesa, espanhola, etc.

    Os clubes mais pequenos irão fazer sempre toda a pressão para que cada liga tenha o máximo possível de clubes, o máximo possível de ocmpetições/"taças", o máximo possível de jogos em cada competição, de modo a limitar as datas disponíveis para uma liga europeia de clubes. Acho eu...
    E mesmo que não consigam "ocupar" as datas todas, o que farão será provavelmente uma "sabotagem". Só deixarão datas disponíveis que obriguem os clubes dessa liga europeia a não utilizarem os seus melhores recursos nos jogos da liga europeia, por existir proximidade de jogos das ligas nacionais e da Liga dos Campeões, que provavelmente continuarão a ser os objectivos principais dos clubes?

    E se os clubes não utilizarem os seus melhores recursos (jogadores)nos jogos da tal liga europeia, ela perde logo automaticamente o interesse, e assim também a sua importância, e consequentemente a sua viabilidade.

    Acho que os clubes mais pequenos das ligas mais pequenas acho que serão sempre o maior entrave aos clubes mais fortes dessas mesmas ligas, numa solução/alternativa deste tipo. Acho que tudo farão para dificultar o processo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enorme Pica-miolos, Companheiro,

      A minha ideia é uma competição plurinacional a disputar-se ao fim de semana, passando os clubes nela envolvidos a participar nos seus "antigos" campeonatos nacionais com equipas B (ou não participarem de todo).

      Tu sabes que os clubes "mais pequenos" já andam a ameaçar os "maiores", há muito tempo, que os deixam a jogar sozinhos (se não receberem mais guito) e essa é mais uma razão a favor desta "minha" proposta.

      Viva o Benfica!

      Eliminar
  7. A hipótese que me parece mais plausível a médio prazo, passaria pela independência da Catalunha, o que tornaria bastante interessante, se não mesmo obrigatória, a criação de uma liga Ibérica.

    Dependeria da tal independência Catalã, que ás vezes me parece mais desejada pelos Portugueses do que pelos próprios Catalães.
    Uma liga Europeia parece-me impossível a não ser que nasça da vontade dos clubes, e que começaria como uma competição fora da alçada da UEFA e das Federações nacionais.
    Não estou a ver os grandes colossos Europeus interessados em arriscar neste tipo de solução, até porque não precisam de o fazer em absoluto. Estão muito bem como estão.

    O nosso clube... bem, o nosso clube pode mudar a sede administrativa para Badajoz, se os sócios assim o decidirem...

    ResponderEliminar
  8. Companheiros Bento, FranciscoB e Enormérrimo Abidos,

    Obrigado pelos vossos contributos e aqui têm as minhas respostas ...

    @Bento
    Desculpa-me, mas parece-me que não percebeste a ideia.
    Esta minha sugestão é para que a Nossa Equipa de Honra (e as dos outros clubes participantes) deixe de participar no campeonato nacional (atual Liga NOS) e passe a participar (aos fins de semana) numa liga plurinacional.
    Os principais clubes dos países referidos que aceitassem o projeto poderiam participar nas suas "antigas" ligas nacionais com equipas B.

    Caro FranciscoB,
    Não concordo que se tratasse de uma "liga europeia menor", mas mesmo que assim fosse, essa seria uma Liga bem maior que a atual Liga NOS, não te parece?
    Foi intencionalmente que eu excluí as equipas russas (e até coloquei numa segunda escolha as turcas), não só porque elas já têm um mercado interno enorme e, por isso, esta proposta não lhes oferece valor adicional, como, principalmente, porque a sua inclusão coloca problemas graves de heterogeneidade e distância nas deslocações).
    A França chauvinista (e cada dia mais nacionalista) também me não parece um mercado alvo interessante, pelo menos na fase inicial (e o PSG não necessita de mais dinheiro do que aquele que já tem, ahahah).
    Repara que um tal projeto bem implementado (com um MKT centralizado e operacionalizado pelos clubes participantes), pode tornar-se num caso muito sério em poucos anos e, concomitantemente com a consolidação do quase monopólio da BPL, não me surpreenderia que os maiores clubes de Itália (e da França, seguidamente) quisessem "entrar". Essas entradas posteriores poderiam fazer-se para uma ou outra das "divisões" de acordo com os respetivos ranking UEFA.

    Abidos, Caro Amigo,
    Tal como escreveste, está aberta uma janela de oportunidade e tudo o resto ... vem por negociação, desde que as Ligas de Clubes e as Federações dos países envolvidos participassem ativamente no projeto (e têm todo o interesse nisso).
    E também concordo contigo que a UEFA teria um pavor inicial a este tipo de projeto, mas ela também sabe que, caso permaneça anquilosada, vai ser "engolida" pela Real Federação Inglesa, com o apoio da BPL.
    A tendência já confirmada vai no sentido do agravamento do fosso entre a BPL, a La liga e a Bundesliga por um lado e todas as outras do outro e eu acredito que a UEFA perceba que esta tendência vai "matar" as suas provas europeias de clubes, coisa que também lhe deve dar algum pavor.
    Não concordas?

    Uma vez mais, Obrigado pelos vossos contributos.
    Votos de Bom Natal e

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O PSG não necessita dinheiro mas necessita de competitividade.

      Tb não me parece q as distâncias c/ a Rússia tenham muita importância mas o clima sim... talvez se jogarem em recintos fechados com o do Ajax...

      Parece-me q o sugerido acima pelo Paulo Matias da comercialização dos derbys numa fase inicial é uma ideia mt boa.

      A sobreposição da BPL à UEFA, num esquema de Campeonato Europeu, tb me parece uma possibilidade q a UEFA deve ter em consideração...

      Eliminar
    2. Concordo.

      Já assistimos a clubes Ingleses usarem as 'reservas' em pré-eliminatórias da Liga Europa...
      Para os Ingleses, actualmente, o dinheiro da UEFA, é uma minharia!
      Alguma coisa terá que mudar...

      Abraços

      Eliminar
  9. Boa tarde José.
    Agrada-me sempre debater o Benfica pois penso 24h sobre 24h no nosso clube.
    Em relação à liga europeia penso que isso irá demorar muito tempo e se realmente algum dia for criada.
    Como pode não vir a acontecer vou sugerir algumas ideias em específico para o Benfica indo de encontro à sua parte inicial do texto.

    Começando pelo futebol poderia existir uma melhor ligação com as nossas filiais em portugal, nomeadamente ao nível da formação e claro o Benfica ficaria com direito de opção caso aparecesse algum craque.
    Ajuda na formação de técnicos, dirigentes e na área do marketing (por exemplo equipamentos semelhantes, e nome do clube também idêntico " Sport XXXX e Benfica" para existir uma maior identificação com o clube mãe).
    Dou o exemplo do Sport Viseu e Benfica. A maioria da população de Viseu é do Benfica e o Sport Viseu e Benfica é gerido por uma comissão administrativa e penso que há vários anos que não existe qualquer tipo de relação com o SLB e em Viseu há muitos miúdos que praticam futebol.
    Esta ideia poderia ser depois transportada para as nossas filiais fora do país como por exemplo o Sport Luanda e Benfica, o Sport Dili e Benfica, etc;

    Gostava de ver também uma equipa de futebol feminino. Eventualmente poderia ser aproveitado o Seixal ou então outro espaço. O Benfica poderia contribuir e muito para o seu desenvolvimento (veja-se o exemplo do que aconteceu à modalidade do futsal com a entrada do Benfica).

    Abraço e VIVA O BENFICA

    ResponderEliminar
  10. Caro José Albuquerque e demais companheiros,

    Excelente post e excelentes comentários.
    É uma ótima questão e o timing pode ser o adequado. Haja €s suficientes para atrair interessados.

    Boas Festas para Todos!

    CARREGA BENFICA!

    ResponderEliminar
  11. Companheiros,

    Antes de mais, o meu Obrigado a todos os que contribuíram com comentários e sugestões.

    Sinceramente, espero que não tenham ficado com quaisquer dúvidas sobre como eu, se pudesse, tentaria lutar por um projeto deste tipo, dado que ele me parece uma solução altamente vantajosa para todas as partes e com pouquíssimas dificuldades para serem ultrapassadas.
    Em "economia", é a isto que se chama de ... uma proposta de valor!

    Quanto às dificuldades/obstáculos e além das múltiplas inércias habituais (a velha resistência à mudança tão típica nos "velhos do Restelo"), eu destaco o problema das quotas que a UEFA (e as Federações envolvidas) poderia atribuir a esta 1ª divisão, para acesso à Champions e à Euroliga.
    Mas bastaria que cada Federação nacional cedesse metade das suas quotas nacionais para que esta eventual Copa de Clubes Europeus se tornasse muitíssimo atrativa.

    Enfim e seja quando vier a ser, eu não tenho a menor dúvida que vai ser um caminho deste tipo que vai ter de ser seguido no futuro, sob pena de vermos acentuar os desequilíbrios de competitividade já demasiado visíveis e isto se não acontecer que a BPL se torne de tal forma poderosa que "engula a própria UEFA e, mandando mais que ela (pelo poder do dinheiro, obviamente), acabar a "internacionalizar-se", aceitando clubes estrangeiros e por convite.

    Ficou a ideia ...

    Um Bom Natal a todos e

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.