quarta-feira, 24 de junho de 2015

Estabilidade ... sim ou não?

Por José Albuquerque

Tal como o Guachos e ao contrário de 99% dos Companheiros que escrevem em blogues, eu sempre recordo os Leitores que não percebo quase nada de futebol: rompi muito sapato na escola e no liceu, mais tarde ainda joguei alguns sábados de manhã num campo pelado de futebol de 11, com amigos e colegas da Faculdade e, finalmente, como a maioria, assisto, nos estádios ou pelas TVs, a muitos desafios. Isso e uma meia dúzia de livros lidos não são nada que me habilite a ter mais do que opiniões muito humildes.
Uma dessas, talvez aquela em que mais insisto, é a defesa da estabilidade técnica, organizacional e dos próprios planteis, sempre vistos como realidade(s) dinâmica(s) que há que tentar melhorar, sem perder o que de melhor já existe.

Este tipo de atitude é o resultado da minha experiência de vida, quer profissional quer não, que me ensinou o valor de alguma sabedoria popular do tipo de “o óptimo é inimigo do bom”, “mais vale tarde que nunca”, “primeiro a obrigação, depois a devoção”, “não há rosas sem espinhos” e outros tantos que nos deveriam sugerir muito mais reflexão que sorrisos.
Quando eu (ainda, ahahah) tinha trinta anos e mal cabia em mim com o tamanho de alguns sucessos profissionais, embora mantivesse muitas costelas revolucionárias, já pensava como hoje e sempre me recusei a substituir o passado por um futuro novo, sem, antes, certificar-me que não iria desperdiçar o que de bom já estava feito, mesmo quando sentia que até essas partes poderiam ser melhoradas. Devo a essa atitude uma boa parte do que consegui na vida.

Assim sendo, Companheiros, claro que a minha primeira preocupação perante a necessidade de ver a Nossa Equipa ter um novo comando técnico foi dizer ... oxalá consigam preservar tudo o que de bom foi conseguido nestes seis anos mais recentes.

Estabilidade deve ter sido o primeiro conceito em que eu pensei. Num quadro de alguma inevitável instabilidade, mais forte e profunda a minha convicção de que a necessária mudança será tanto mais inteligente quanto melhor for capaz de preservar o melhor da situação que vai ter de ser alterada.

Nada surpreendentemente, muitos dos Companheiros com quem tenho falado desde a surpresa do início deste mês, incluindo o meu Filho mais novo, encontram-se nos antípodas da minha preferência e apresentam-me argumentos poderosos, essencialmente sustentados em três vertentes da realidade actual do Glorioso e da Nossa Equipa de Honra: (1) a urgência em confirmar um “corte com o passado”, (2) a necessidade de executar um rejuvenescimento do Plantel e, finalmente, a vantagem em conseguir, imediatamente, (3) arrancar os Adeptos do torpor pessimista em que caíram na sequência da surpreendente saída do antigo técnico.

É um facto incontestável que, no horizonte do contrato assinado com o Nosso Técnico, há seis titulares da Equipa que terão de ser substituídos, mesmo que nenhum deles o quisesse e mesmo que nenhuma proposta das arábias os viesse atormentar: Júlio César, 3 defesas (safa-se o Jardel) e os 2 avançados, não serão titulares daqui por 3 épocas!
Este é o mais forte daqueles três argumentos, pelo menos até que alguém me prove a “urgência de cortar com o passado”, ou me ensine o que raio podemos fazer contra o “torpor pessimista” de alguns Companheiros que não implique gerir o Clube de fora para dentro.

Por outro lado e por mais fervoroso adepto que o Presidente fosse da estabilização do Plantel, todos sabemos que nada nem ninguém pode garantir que alguns Atletas vão ficar na Equipa, seja por terem o chamado “muito mercado”, seja por estarem a terminar contrato, seja porque, mesmo tendo contrato, há ofertas (salariais e compensatórias) que são irrecusáveis. De facto, não é em vão que a maioria dos treinadores (como, por exemplo, aquele que as osgas contrataram) diz que só pode começar a detalhar os seus planos já bem no final de agosto.

Complicado?

Confusos?

Eu acho que sim e, por isso, muitas vezes me sinto um pouco confuso quando tento escrevinhar numa folha de papel o que poderia ser um simulacro de ‘Plano de Trabalho para a pré época’.
E olhem que grande parte da minha experiência profissional foi adquirida em sectores e mercados altamente inovadores, concorrenciais e abertos. Ainda assim, nada que se possa comparar ao desafio que o CA da Nossa SAD enfrenta todos os anos, especialmente nas duas “janelas de transferências”.

Pensem bem e ... admitam o pandemónio, ahahah. Sobretudo entre cada junho e o agosto imediato.
E se é verdade que “quanto maior a nau, maior a tormenta”, eu sempre prefiro pensar que “when the going gets tough, the tough have to get going”, ou seja: se eu fosse invejoso, invejava os que aceitam o desafio de enfrentar cada nova pré época com a ambição de preparar tudo com acrescida ambição.

Por tudo isto e sem ponta de demagogia, há que acreditar nos princípios que já deram resultados, atacar o mercado bem cedo (desde janeiro) para adquirir os Atletas que representem o melhor compromisso de qualidade potencial/preço, aliviar o Quadro de Atletas sob contrato do maior número de casos em que nem sequer seja necessário o parecer do Técnico principal.
Esta parte parece fácil, certo?
No mínimo não parece tão complicado como as “guerras de julho e agosto” e, uma vez mais, parece-me ter sido bem conseguida, desde as chegadas do Mukhtar e do Johnathan, até ao mais recente conjunto de jovens que me parecem destinados a completarem a sua formação de águia ao peito (uns nos Juniores, alguns emprestados e a maioria na Equipa B), passando pelo longuíssimo namoro com o já Adepto Zivkovic (um daqueles que não há dinheiro que pague) e terminando em dois Atletas com mais de 23 anos, formados na Europa (de “marroquinos” só têm o nome) cuja integração, se conseguida, Nos fará muito felizes.
Terminada (e bem, ou muito bem, no caso de se conseguir o jovem prodígio sérvio em boas condições contratuais) esta fase, agora ... fia mais fino!

Sabemos que a Nossa SAD já garantiu um fecho deste exercício ao nível do anterior (resultados positivos desportivos e contabilísticos), aliás a única razão para que não tenha sido formalizada a conclusão do negócio do Cancelo, que a SAD deve preferir reportar para o próximo exercício contabilístico, pelo que tudo o resto que já esteja negociado só vai aparecer a partir de dia 1.
Para todos estes casos, o meu primeiro aplauso vai para o excelente nível de confidencialidade que se conseguiu em todas essas operações, mantendo os mérdi@ muito razoavelmente afastados dos Nossos “alvos”.

As batalhas de julho e agosto.

Vão ser duras, no mínimo!

Vai ser necessário substituir o Nosso lateral direito (eu acredito que a proposta do Glorioso não deve ser retirada, apenas para não aliviar a pressão sobre os que o querem contratar e para que o Atleta nunca possa dizer que o Clube foi menos grato com o seu profissionalismo).
Vai ser difícil segurar o Gaitan e só não vai ser impossível (como se houvesse impossíveis) fazer o mesmo com o Sálvio pela razão que bem conhecemos.
E, depois, podem sempre aparecer umas daquelas ofertas que não seguem nenhuma racionalidade desportiva (talvez eu devesse aqui colocar o exemplo do ainda Nosso lateral direito) e que se prendem com a necessidade que alguns mercados sentem (EUA, EAU, China) de efectuar investimentos publicitários de divulgação de uma modalidade desportiva ainda com relativa expressão local.

A tudo o resto eu espero que o Presidente se oponha ferozmente, exigindo o valor das cláusulas estabelecidas com o exacto propósito de punir quem não quiser respeitar a Nossa necessidade de preservar um mínimo de estabilidade a uma Equipa Bicampeã que acaba de mudar de Técnico Principal.

E termino com umas palavras dirigidas ao Nosso Técnico ...

Companheiro Rui Vitória, Mister do Enorme,

Antes de mais e concomitantemente com a repetição das humildes boas vindas que já, Todos Um, aqui lhe demos, permito-me sugerir-lhe um texto que o Guachos lhe dedicou logo que foi conhecido o seu regresso a casa.
Depois de ler esse texto, vai saber que tudo o que aqui lhe peço ... deve entrar-lhe por um ouvido e sair pelo outro.

Gostei muito de saber que alguma da sua ambição mais imediata passa por enriquecer a Equipa com um maior “vocabulário táctico” que não se resuma a um simples recolher das linhas (no 1x4x4x2 habitual), mas peço-lhe duas coisas: (1) que aceite o desafio de manter os frutos essenciais quer do sistema, quer da “ideia de jogo de tracção à frente” que os Atletas tão bem têm desempenhado e (2) quando equacionar as situações em que a Equipa seja forçada a jogar com apenas 10, estude os vídeos dos Nossos encontros mais recentes nessa situação (imagino que o Pietra e o Shéu lhos possam apresentar e comentar), porque me parece constituírem uma brilhante inovação com a assinatura de uma excelente técnico que tivemos no Glorioso.

E prepare-se. Prepare-se para ser levado ao colinho.    

Viva o Benfica!   

7 comentários:

  1. Só uma ligeira correcção; nos meus "conselhos" a Rui Vitória não entram os "ouvidos moucos" perante conselhos de leigos que se assumem convictamente "não perceberem um chavelho de bola". Desses não há nada a temer. Os que me assustam são os especialistas que sabem tudo à segunda feira ou os arautos do Apocalipse logo no inicio de Junho...

    (E tanto que eu gosto de ler os teus ignorantes tratados tácticos...)

    ResponderEliminar
  2. Desde logo retenho dois pontos fundamentais, de tal forma que me vou limitar a reproduzi-los com a devida vénia.

    "...ou me ensine o que raio podemos fazer contra o “torpor pessimista” de alguns Companheiros que não implique gerir o Clube de fora para dentro."
    "E prepare-se. Prepare-se para ser levado ao colinho."

    Só um apontamento para relevar o contraste entre um assunto em que nada podemos fazer, e eu nem quero, ao fim destes anos todos só me apetece mesmo dizer "que se lixem, se gostam de ser miseráveis que o sejam.", e outro em que podemos fazer tudo. E vamos fazer.

    Falando de futebol, assunto que eu adoro e de que sei o suficiente para saber que nada sei, o que já é muito mais do que a maioria dos espertos que por aí botam faladura, vou fazer um paralelo com o Rugby, assunto que também adoro mesmo conseguindo sobre ele ser ainda mais ignorante do que sobre o futebol.
    Diz quem percebe, que em volta de um par de grandes médios, um formação e um abertura, se constrói uma grande equipa.
    E pelo que vejo parece que isto é mesmo verdade.

    No futebol também me parece que não é muito diferente. É onde se pensa o jogo, no meio, que é necessário manter uma estrutura que passe de ano para ano. Falo dos centrais e dos médio centro. É à volta destes jogadores que se constrói uma grande equipa.
    E também é à volta destas posições que me parece não estarem previstas quaisquer mexidas no clube. Nem são precisas.
    Luisão e Jardel dão todas as garantias, e na minha opinião Lisandro é um bom jogador e César vai ser um enorme craque.
    No meio campo, admitindo que vamos adoptar o 4-3-3 como plano A, temos o Fejsa, o Samaris, o Cristante, o Mukhtar, O Talisca e o Pizzi. Duas soluções para cada posição, 6, 8 e 10, de grande categoria. Sejam os mais experientes Fejsa(6), Samaris(8) e Pizzi(10), sejam os enormes talentos Cristante(6), Mukhtar(8) e Talisca(10). E ainda por cima são jogadores que podem jogar a 6/8 ou 8/10 e até nas alas, como é o caso do Mukhtar e do Pizzi.

    Em conclusão, e somando à posição específica de Guarda-Redes preenchida com um dos melhores do mundo, a espinha dorsal da equipa já existe, é de enorme qualidade, e é também por isto que só posso estar confiante para a próxima época.
    À volta destes, laterais, extremos e pontas de lança, mais para a esquerda ou mais para a direita, vamos ficar bem servidos de certeza.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais um ignorante a botar faladura...
      (E como eu gostei de te ler)

      Eliminar
    2. Eu diria mais: Tomara muitos "especialistas" serem tão "ignorantes" como o Manuel Afonso...

      Eliminar
    3. Enorme Manuel Afonso, Companheiro,

      Eu ja' estava habituado a sentir uma empatia total quando leio o que nos escreve o Guachos, mas estes teus mais recentes comentarios que aqui tens partilhado ... vao pelo mesmo exato caminho.
      Obrigado pelo teu incentivo.

      @Guachos, meu Bom Amigo,

      Ainda vai aparecer algum "especialista" a aplaudir a nossa ignorancia, ahahah.

      Viva o Benfica!
      (Jose' Albuquerque)

      Eliminar
    4. Isto começa a parecer um congresso de ignorantes. Só cá falta o Quim Berto.
      Ah não!!! O Quim Berto é um esperto...

      A capacidade do Rascord para desenterrar e promover a esperto todo e qualquer imbecil disposto a proferir alarvidades prejudiciais ao Benfica não para de me espantar. Mas para chegarem ao Quim Berto, que só o nome evoca toda uma panóplia de dementes patetas, é porque o filão se deve estar a esgotar.

      Eliminar
  3. Bem, c/ posts destes o Guachos pode ir de férias descansado...

    Entretanto o rui dos cantos tenta desesperadamente branquear o abominável marco (porto) ferreira... será q vozes de burro chegam aos céus? e não é q o indivíduo tem a lata de dizer q está de consciência tranquila...

    ResponderEliminar

Se pertenceres aos adoradores do putedo e da corrupção não vale a pena perderes tempo...faz-te à vida malandro.